Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Sábado, Outubro 16, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

MAÇÃO acolhe programa intensivo APHELEIA este fim de semana

Está a decorrer em Mação o Programa Intensivo APHELEIA, que vai no terceiro de nove dias. O Programa decorre até 18 de março, com trabalhos diários intensivos e foca os indicadores de organização e transformação das matrizes culturais das sociedades, nos seus territórios de forma transversal no tempo (do Paleolítico ao presente) e com um foco multidisciplinar nas áreas da arqueologia, antropologia, história, filosofia, geografia, ciências da terra, economia, direito, sociologia, etologia, entre outras.

- Publicidade -

Estão em Mação especialistas destas áreas de vários países. Hoje, 11 de março, no período da manhã decorreu uma mesa redonda sobre “A Humanidade na Ordem do Dia – rever o quadro de gestão da paisagem”.

Esta sessão teve a participação de Mathieu Denis, do Instituto Internacional das Ciências Sociais (ISSC); de Elizabeth Silva, da Comissão Nacional da UNESCO; de  John Crowley, da UNESCO e de Luiz Oosterbeek, do IPT, ITM, CGEO, CIPSH.

- Publicidade -

Este sábado, 12 de março, os trabalhos do dia incidem sobre a temática “Urbanismo, Arte e sustentabilidade local”. Destaque, às 17h00, para a inauguração da Exposição de Helena Zémanková na Galeria do Centro Cultural.

Domingo, dia 13, os trabalhos incidirão sobre “Entendimento Global: métodos e desafios” com foco, no período da tarde, para o Workshop “Conceber uma Paisagem Natural”.

Projeto internacional quer 100 palavras-chave da sustentabilidade até 2017

Formar 40 líderes por ano e definir as 100 palavras-chave da sustentabilidade até 2017 são objetivos do projeto internacional APHELEIA, que reúne 17 parceiros de 7 países e é coordenado pelo Instituto Politécnico de Tomar (IPT).

O projeto parte de um balanço negativo dos resultados concretos das últimas décadas de políticas de desenvolvimento sustentável, e defende um novo quadro de referência, que assume as necessidades humanas e a diversidade cultural como o núcleo de um novo paradigma de desenvolvimento.

Com coordenação geral de Luiz Oosterbeek, Benno Werlen e Renaldas Gudauskas, a parceria, intitulada APHELEIA (o espírito da simplicidade na Grécia antiga), tem na sua base a colaboração estreita em Portugal entre o IPT, a Comunidade Internacional do Médio Tejo (que será o território europeu prioritário para a formação de quadros em contexto aplicado), o Instituto Terra e Memória (que desenvolveu o modelo de gestão territorial cultural integrada, o município de Mação (onde ficará a sede do Centro de Ações de Referência do IYGU (International Year of Global Understanding para a Europa ocidental) e o Centro de Geociências da Universidade de Coimbra (o único que em Portugal integra as ciências naturais e as ciências humanas).

Em declarações à agência Lusa, Luíz Oosterbeek, professor do IPT e diretor do Museu de Arte Pré-Histórica e do Instituto Terra e Memória (ITM), ambos em Mação, disse que o objetivo do projeto, aprovado em sede de Comissão Europeia, é desenvolver um conjunto de atividades até 2017 em torno do desenvolvimento sustentável, tendo defendido a “importância da cultura na sustentabilidade do planeta”.

“Até 2017, o objetivo é, por um lado, produzir três livros em que vão colaborar as pessoas que, no espaço europeu, refletem sobre estas questões, e criar um léxico base com as 100 palavras-chave da sustentabilidade, a traduzir numa série de línguas”, elencou Oosterbeek, que é, atualmente, o secretário-geral do Conselho Internacional de Filosofia e Ciências Humanas da UNESCO.

“O significado das palavras varia de entendimento de país para país e isso tem levantado problemas na aplicabilidade de conceitos. Por isso, vamos organizar um debate aberto, na internet, a nível mundial, e queremos formar até 2017, ainda no âmbito deste processo, cerca de 40 líderes por ano para a Europa”, destacou.

O projeto APHELEIA decorre da reflexão desenvolvida na Rio+20, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável realizada em 2012, na cidade do Rio de Janeiro, e que contribuiu para definir a agenda do desenvolvimento sustentável para as próximas décadas e articula-se com a proposta do IYGU, do ano internacional do entendimento global, e com o conceito de Filosofia e Ciências Humanas da UNESCO.

“As mensagens para a mudança não devem criminalizar comportamentos e pessoas, antes, devem ser muito simples e construídas pelo lado positivo para levar as pessoas a mudarem os seus comportamentos pela eficiência e convencimento”, defendeu.

“As questões do aquecimento global e da sustentabilidade ambiental e energética são muito complexas mas, no limite, elas são questões que encerram em si respostas muito simples: ou se muda alguma coisa, ou nós vamos morrer, e isto não tem nada de complicado de entender”, vincou.

Na aprovação do projeto, a Comissão Europeia destacou o consórcio e a metodologia do projeto, bem como a sua contribuição para a agenda Europeia de modernização, em especial por integrar a formação teórica com a aplicação prática.

C/LUSA

 

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome