Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quarta-feira, Dezembro 1, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Leiria quer ser Capital Europeia da Cultura 2027 com o lema “Curar o comum”

A candidatura de Leiria a Capital Europeia da Cultura (CEC) 2027, sob o lema “Curar o comum”, foi enviada para análise do júri internacional na quinta-feira, dia 18 de novembro. O projeto reúne a proposta da Rede Cultura 2027, composta por 26 municípios nacionais, quatro dos quais integram a região do Médio Tejo: Alcanena, Ourém, Tomar e Torres Novas.

- Publicidade -

Na passado dia 18 de novembro foi assim dado um dos passos mais importantes do processo de candidatura do território da Rede Cultura 2027 (Leiria + 25 municípios + Diocese + Instituto Politécnico de Leiria + Instituto Politécnico de Tomar + Nerlei), a Capital Europeia da Cultura 2027, através do envio do Bid Book, o Livro de Candidatura, que foi remetido para apreciação do júri europeu. O momento assinalou o cumprimento da primeira etapa oficial na corrida a Capital Europeia da Cultura 2027.

Com o título “Curate the commons – Curar o comum”, o livro foi depositado para envio num posto dos correios de Leiria às 12:27, hora simbolicamente escolhida pelo 12, relativo ao ano da última Capital Europeia da Cultura em Portugal, Guimarães 2012, e o 27 da próxima a atribuir a Portugal, em 2027. O ato de entrega foi descrito pelo coordenador da candidatura como “um parto que fizemos todos”.

- Publicidade -

Foto: DR

“Fazendo contas, estamos a meio do caminho. Se tivermos o título serão seis anos para caminhar para uma CEC; se não tivermos, estamos a caminhar para o aprofundamento da cultura na nossa cidade e no território de uma forma que jamais tínhamos pensado”, resumiu Paulo Lameiro.

Para o presidente da Câmara de Leiria, Gonçalo Lopes, o momento de hoje é “resultado de um esforço muito grande de transformação que Leiria sofreu na última década”.

“É a confirmação de que quando se trabalha com entusiasmo, estratégia, sacrifício, unindo as pessoas em rede, conseguimos mudar o território e a vida das pessoas através da cultura”, resumiu o autarca.

Para Gonçalo Lopes, o que Leiria tem para oferecer “é merecedor de um palco europeu e mundial”, destacando “as escolas de dança e os grupos de música, que se espalham por todo o mundo, seja de música mais moderna ou mais tradicional”.

“Temos uma dimensão muito maior, o que faz com que esta candidatura seja muito oportuna”, porque, depois de Lisboa e do Porto, “em Portugal não há ninguém que consiga juntar tanta população, tanto património cultural construído, tantos agentes culturais”, como o território representado pela candidatura de Leiria.

Contudo, mais do que mostrar o que têm os 26 municípios do projeto, importa “a capacidade que temos de mostrar a Europa que somos”, referiu Paulo Lameiro.

“Uma CEC não é para mostrar à Europa o que temos de extraordinário. Não vamos ser avaliados por isso. [A candidatura] É uma montra da Europa nesta cidade”, frisa o coordenador, apontando para a necessidade de envolver a comunidade “numa parceria estreia e intensa com toda a Europa que também somos”.

O lema de Leiria, “Curate the commons – Curar o comum”, decorre de “um caminho longo de auscultação local, a vários ouvidos”, disse Paulo Lameiro.

Lígia Afonso, uma das cinco especialistas convidadas para coordenar o trabalho que redundou no Livro de Candidatura, contou que a ideia de “curar” surge da polissemia da palavra, que vai das águas termais à questão da hospitalidade e de peregrinação. “Somos um sítio de abrigo, de encontro entre diferentes. A Europa é isso e nós somos um protótipo disso. Temos um papel demonstrativo do que deve ser a Europa”.

Num território marcado pelos fogos do Pinhal de Leiria e de Pedrógão Grande ou pela decadência dos centros históricos das cidades, curar também se aplica a “uma paisagem que precisa de ser regenerada”.

“Não é uma questão de vitimização, mas de positivar os acontecimentos que marcaram as pessoas e a paisagem desta região”, explicou Lígia Afonso.

Já a partícula “comum” reflete a aposta no coletivo. “Temos cá tudo, temos as pessoas, as bases todas. Precisamos é de apostar nas pessoas, pô-las a conversar, apostar na coautoria, no trabalho de equipa, de coprodução”, frisou Ana Bonifácio, outra das responsáveis pelo Livro de Candidatura.

Nesse sentido, a candidatura de Leiria promete “não construir infraestruturas novas”, apostando antes em regenerar espaços usufruto e de vivência comunitária, como “coretos, coletividades ou os milhares de trilhos que atravessam a paisagem cársica, da Serra do Sicó, a Aire e Candeeiros e Montejunto”, avançou a arquiteta e artista plástica.

Entregue a candidatura, Leiria aguarda a decisão do júri. “Acreditamos muito que vamos passar à final e também acreditamos que 2027 vai celebrar em Leiria uma grande festa da cultura”, concluiu Paulo Lameiro.

C/LUSA

Licenciado em Ciências da Comunicação pela Universidade da Beira Interior. Natural de Praia do Ribatejo, Vila Nova da Barquinha, mas com raízes e ligações beirãs, adora a escrita e o jornalismo. Ávido leitor, não dispensa no entanto um bom filme e um bom serão na companhia dos amigos.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome