Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Sexta-feira, Setembro 17, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Leiria | Investigador do IPL publica na revista “Nature” sobre impacto da pesca intensiva

O investigador do Instituto Politécnico de Leiria (IPL), André Afonso, integra a equipa de especialistas que acaba de publicar na revista “Nature”, uma das mais importantes revistas científicas do mundo, um artigo sobre o impacto da pesca na sustentabilidade de diversas espécies de tubarões.

- Publicidade -

Segundo nota de imprensa do IPL, “os investigadores concluem que cerca de um quarto dos habitats dos tubarões estão em zonas de pesca ativa, o que ameaça grandemente os tubarões, cujas populações têm vindo a declinar em todo o mundo”.

“O artigo científico explica que os tubarões incluem espécies altamente migratórias que percorrem vastas áreas dos oceanos, incluindo áreas que são usadas para pesca intensiva. Dos tubarões capturados na pesca, cerca de metade são tubarões adultos, o que é uma das maiores ameaças à sustentabilidade das espécies”, continua.

- Publicidade -

“A equipa internacional de investigadores tentou determinar as zonas de sobreposição entre as rotas dos tubarões e as zonas de pesca, usando dispositivos de rastreamento de movimentos por satélite em tubarões, e cruzando essa informação com a das rotas de pesca mundial. No total foram seguidos 1.681 tubarões adultos, de 23 espécies, marcados com estes transmissores de satélite, e rastreados os movimentos de embarcações de pesca. Os resultados permitem apurar com detalhes sem precedentes que 24% do espaço usado por tubarões num mês coincide com o das rotas de pesca industrial com palangre, o tipo de pesca responsável por capturar mais tubarões no alto mar”, refere.

“Acresce que as áreas do oceano que são mais frequentadas por espécies protegidas, como o tubarão branco e o tubarão sardo, registam ainda mais sobreposição com as zonas de pesca industrial com palangre, em cerca de 64%”, adianta.

Os investigadores concluem que os resultados indicam que os tubarões têm espaços limitados onde podem estar protegidos da pesca e apelam às autoridades internacionais a concertar esforços para proteger estes animais, nomeadamente definindo largas áreas marinhas protegidas junto às zonas de atividade dos tubarões.

Segundo André Afonso, cita a mesma informação, “este trabalho é extremamente importante pela escala global em que foi conduzido e pela implicação dos resultados obtidos para a conservação dos recursos oceânicos. Os dados que produzimos revelam uma exposição bastante elevada destas espécies já de si vulneráveis à pressão pesqueira. Os tubarões azul e mako chegam mesmo a atingir 76% e 62% de sobreposição espacial com as zonas de pesca». Por isso considera que «é urgente implementar medidas de proteção em regiões oceânicas para assegurar a conservação destas importantes populações de predadores marinhos”.

André Afonso é investigador do MARE, Politécnico de Leiria – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente do Politécnico de Leiria, e tem conduzido investigação nas áreas da ecologia e conservação de tubarões e do meio marinho, tendo desenvolvido uma grande parte do seu trabalho no nordeste brasileiro.

O artigo científico resulta do estudo “Global spatial risk assessment of sharks under the footprint of fisheries”, liderado pela Marine Biological Association – MBA, e conduzido por uma equipa internacional que envolveu mais de 150 cientistas de 26 países, dentre eles quatro investigadores do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente – MARE, incluindo André Afonso do MARE IPLeiria.

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome