- Publicidade -

Leiria | Bloco de Esquerda exige demissão da Diretora Regional da Cultura do Centro

Na sequência das declarações feitas pela Diretora Regional da Cultura do Centro, em Leiria, no passado dia 2 de março, os deputados do Bloco de Esquerda, Jorge Campos, José Manuel Pureza e Heitor Sousa, entregaram um requerimento ao Ministro da Cultura, perguntando se este se revia nas afirmações e se considerava que esta dirigente continuava a ter condições para exercer o cargo.

- Publicidade -

Num comunicado enviado à Comunicação Social, o Bloco de Esquerda recorda que “em causa está o facto de a Dra. Celeste Amaro ter dito, numa cerimónia pública em que participava enquanto representante do Ministério da Cultura, que as estruturas artísticas que recebem financiamento público ‘incomodam a Administração Central’ e ter insinuado que estas preferem ‘estar ao computador a tratar dos processos [de candidaturas] do que “a trabalhar’.

Segundo a nota informativa, “o Ministro da Cultura ainda não respondeu formalmente às perguntas feitas pelos deputados do Bloco de Esquerda, mas referiu-se ao caso na Assembleia da República, afirmando: ‘Após a retratação pública feita pela senhora diretora regional, estando quase no final do seu mandato, não consideramos haver matéria para uma ação de demissão'”.

- Publicidade -

No comunicado o Bloco de Esquerda afirma a sua “perplexidade perante esta reação do Ministro, não só porque não houve qualquer retratação pública, por parte da actual Diretora Regional, mas também porque, perante a gravidade da situação, a relativa proximidade do fim do mandato não pode servir de desculpa para minimizar a falta”, acusa o BE, acrescentado:

“Ao dizer o que disse, em nome do Ministério da Cultura, a Diretora Regional revelou uma profunda incompreensão do papel que o financiamento público da criação e da programação artísticas desempenha na prossecução de uma política cultural de defesa do interesse público, de acordo com os princípios salvaguardados na Constituição e com o próprio programa do Governo. Demonstra, também, uma visão perversa das relações entre Estado e sociedade civil, esquecendo ou ignorando que os organismos públicos como aquele que dirige existem para servir os/as cidadãos/ãs e que as solicitações destes/as, sejam ou não atendíveis, não podem nunca ser encaradas como um incómodo pelos/as funcionários/as que em cada momento têm a responsabilidade (e a honra) de representar o Estado”.

Segundo o BE, “ao minimizar a gravidade das declarações, o Ministro da Cultura torna-se co-responsável por esta afronta aos agentes culturais, à generalidade dos cidadãos e das cidadãs, aos/às funcionários/as públicos/as que dignificam os lugares que ocupam e ao próprio Estado Português, enquanto garante do interesse público no nosso país”.

Perante o denunciado, as Coordenadoras Distritais do Bloco de Esquerda de Aveiro, Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Leiria, Santarém e Viseu “exigem que o Ministro da Cultura proceda à substituição imediata da Diretora Regional da Cultura, que demonstrou não saber estar à altura da dignidade do cargo para o qual foi nomeada”, conclui o documento.

Jornalista profissional há mais de 30 anos, passou por vários jornais diários nacionais, nomeadamente pelo 'Diário de Lisboa', 'Diário de Notícias' e 'A Capital'. Apaixonada pela profissão desde a adolescência, abraçou o jornalismo nas suas diversas áreas, desde o Desporto às Artes e Espetáculos, passando pela Política e pelos temas Internacionais. O jornalismo de proximidade surge agora no seu percurso.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).