Leiria | A transição dos Media para o digital no novo livro de Pedro Jerónimo

O jornalista e investigador de Leiria, Pedro Jerónimo, lançou na quarta-feira, 6 de dezembro, nas IV Jornadas do Observatório do Ciberjornalismo, o seu segundo livro, “Media e Jornalismo de Proximidade na era digital”. Depois de percorrer as redações de Santarém, Leiria e Castelo Branco a estudar o ciberjornalismo de proximidade (em concreto, o jornalismo online produzido pela imprensa local/regional), este novo trabalho do académico congrega um conjunto de contributos sobre a transição dos media para o digital, em Portugal, Espanha e no Brasil.

PUB

Quando Pedro Jerónimo se propôs a analisar na sua tese de doutoramento o ciberjornalismo realizado pelos jornais O Mirante (Santarém), Região de Leiria (Leiria) e Reconquista (Castelo Branco), concretizou “um trabalho pioneiro”, conforme frisou durante a apresentação, na Universidade do Porto, Hélder Bastos. “O Pedro começou a conhecer a fundo esta realidade”, da qual ainda hoje se tem pouca informação. “Temos pouca gente a investigar”, constatou, num momento em que o jornalismo vive uma grande transformação.

Neste novo livro, mais focado nos media de proximidade no seu geral – imprensa, rádio e televisões locais – Pedro Jerónimo procurou alargar o seu trabalho, trazendo contributos da vizinha Espanha e também do Brasil, onde as questões do jornalismo de proximidade ainda são pouco estudadas e a investigação portuguesa na área tem causado grande impacto. “A ideia era perceber como está a acontecer a transição para a internet”, explicou, com um conjunto de textos que terminam com a temática dos dispositivos móveis. “O último capítulo deixa a porta aberta para continuar a investigar”, afirmou.

Mas como se encontra esta transição para o digital em 2017?

“É muito mais fácil, em termos de custos, abrir um meio digital”, salientou Pedro Jerónimo, razão talvez pela qual cresçam o número de pessoas com carteiras profissionais equiparadas a jornalistas. “Devia ser obrigatório alguma formação em jornalismo” para exercer a profissão, defendeu.

Neste âmbito, descreveu o caso do mediotejo.net como “notável”, na medida em que consegue ter jornalistas profissionais a trabalhar, realizando liveblogs e acompanhando municípios que doutro modo não teriam qualquer cobertura jornalística.

Sobre as várias páginas de notícias online que não são feitas por jornalistas profissionais, algumas das quais propagam as chamadas fake news, Pedro Jerónimo constatou que é uma realidade com que teremos que aprender a conviver. Frisou por tal a importância da aposta na literacia para os media que está neste momento a dar os primeiros passos para um programa de nível nacional. “Para que as novas gerações consigam distinguir o que é jornalismo e o que não é”, permitindo que o jornalismo se sobreponha.

PUB
PUB
Cláudia Gameiro
Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).