Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Segunda-feira, Novembro 29, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Incêndios/PNSAC | Fogo nas Serras de Aire e Candeeiros, vento com grande intensidade

O incêndio no Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros (PNSAC), a lavrar a partir de Barrenta, concelho de Porto de Mós, distrito de Leiria, desde as 16h50 de 20 de agosto, domingo, “progride com grande intensidade”, reunindo o maior número de meios entre cinco grandes fogos ativos, disse, esta madrugada, a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC). De recordar que o PNSAC abrange Ourém, Torres Novas e Alcanena, encontrando-se as chamas relativamente próximas da fronteira regional.

- Publicidade -

Em declarações à agência Lusa, o oficial de operações e de emergência, Pedro Araújo, fez o ponto de situação dos cinco incêndios de grande dimensão que lavravam por volta das 5h30, destacando que o de Porto de Mós, no distrito de Leiria, no PNSAC, era o que tinha mais meios empenhados da Proteção Civil, tendo recebido reforços durante a noite.

Pelas 5h30 cerca de 650 operacionais combatiam cinco grandes incêndios nos distritos de Braga, Porto, Viseu e Leiria.

- Publicidade -

“[Temos] um incêndio em Celorico de Bastos, em Braga, com 174 operacionais e 55 veículos; outro em Leiria, em área do parque natural da Serra de Aire e Candeeiros, onde estão 212 operacionais com 69 veículos; um incêndio em Baião, distrito do Porto, onde estão 38 operacionais com dez veículos; e em Viseu, no concelho de Resende, dois incêndios: um com 28 meios terrestres empenhados e 103 operacionais, e outro incêndio com 26 veículos e 108 operacionais”, disse.

Pedro Araújo explicou que o teatro de operações de Porto de Mós estava a receber reforços de meios, dado que “progride com intensidade, e trata-se de incêndio no parque natural da Serra de Aire e Candeeiros, em zona de difícil progressão aos meios terrestres”.

Durante a noite, explicou, “houve reforços de meios terrestres, nomeadamente oriundos do distrito de Lisboa e do distrito de Santarém para este incendio de Porto de Mós. O incêndio de Celorico de Bastos está também a receber reforços terrestres” que deverão chegar ao local ainda durante a madrugada.

“Com o início do dia, o que temos em previsão é o empenhamento dos meios aéreos para apoiarem os meios terrestres e esperamos ter mais um dia muito trabalhoso na área do combate aos incêndios florestais”, acrescentou.

Pelas 9h15 desta segunda-feira, 21 de agosto, encontravam-se no terreno no incêndio do PNSAC – Barrenta 220 operacionais, 65 veículos e cinco meios aéreos. De recordar que o PNSAC abrange, no Médio Tejo, os concelhos de Ourém, Torres Novas e Alcanena. Neste parque encontram-se as Pegadas de Dinossáurios da Serra de Aire (Ourém/Torres Novas) e o polje de Mira-Minde (Alcanena).

A ANPC destacou esta manhã, no briefing das 9 horas, o incêndio de Porto de Mós entre todos os incêndios do país, que lavra em PNSAC. As previsões meteorológicas mantêm-se sem novidade, com “enorme potencial para ter condições complicadas”, estando o país em seca severa e extrema.

O distrito de Santarém está hoje em alerta vermelho de risco de incêndio.

c/Lusa

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

- Publicidade -
- Publicidade -

1 COMENTÁRIO

  1. O PNSAC abrange os municípios, ou parte deles, de Alcobaça e Porto de Mós no Distrito de Leiria e Alcanena, Rio Maior, Santarém, Torres Novas e Ourém no Distrito de Santarém.

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome