Incêndios | Vila de Rei reivindica tratamento igual a outros concelhos afetados

A Comissão Política do PSD de Vila de Rei emitiu um comunicado esta quinta-feira, dia 6, recordando que passado um ano após os incêndios florestais que assolaram parte do território vilarregense, o concelho continua a ser “deixado para trás e esquecido”. O PSD denuncia o “tratamento completamente discriminatório entre territórios, entre pessoas e entre agentes económicos em função da data em que foram assolados pelos incêndios, bem como pela sua sede ou morada”.

PUB

Em ponto de situação feito em comunicado, os sociais-democratas relembrar as reivindicações dos vilarregenses lesados pelos fogos de 2017, cuja tratamento tem sido desigual em relação às populações de outros concelhos.

“Há precisamente um ano denunciávamos o “esquecimento” a que fora sujeito o nosso concelho, havendo um tratamento para todos aqueles que sofreram com os incêndios de Pedrogão Grande (junho de 2017) e os outros, onde se inclui Vila de Rei”, lê-se no documento assinado por Ricardo Aires, que também preside à autarquia, que refere ainda o “o tratamento completamente discriminatório entre territórios, entre pessoas e entre agentes económicos em função da data em que foram assolados pelos incêndios, bem como pela sua sede ou morada”.

PUB

Cerca de 7300 hectares de área florestal (quase 40% do território) de Vila de Rei foram consumidos pelas chamas em 2017. Foto: mediotejo.net

A Comissão Política do PSD critica ainda a “discriminação para com as empresas, designadamente as de cariz florestal e as pessoas, a grande maioria possuidora de minifúndios, que viram os seus bens destruídos, não tendo os mesmos auxílios que os seus vizinhos de concelhos limítrofes, designadamente no que diz respeito aos subsídios diretos a fundo perdido até € 5.000,00”.

PUB

Também o facto de os municípios afetados pelos incêndios de Pedrogão Grande terem tido direito a apoios a 100% para recuperação das suas infraestruturas destruídas é salientado no mesmo comunicado, lembrando que outros apenas obtiveram 60% desses mesmos apoios.

Os sociais-democratas recordaram ainda a aprovação por unanimidade e recomendação ao Governo para a inclusão de Vila de Rei, bem como de outros concelhos, no projeto-piloto de reflorestação estabelecido para os territórios afetados pelos incêndios de Pedrogão Grande, com a adição dos concelhos de Proença-a-Nova, Caminha e Alfandega da Fé.

O município, na pessoa do autarca social-democrata Ricardo Aires, diz continuar “à espera que tal recomendação seja colocada em prática pelo Governo”, não compreendendo “as desculpas de incapacidade financeira por parte do Governo para dotar o concelho de cadastro florestal, sendo que Vila de Rei, continua a ser o único território da região sem esse importantíssimo instrumento de gestão territorial”.

PSD de Vila de Rei fala em “discriminação” na distribuição de apios. Foto: CMVR

Por fim, e aludindo à atuação do Governo perante os incêndios deste verão em Monchique, o PSD destaca a celeridade de adoção de um conjunto de medidas de apoio às populações e às vitimas, apoio que considera “da maior justiça”.

“Contudo, continuamos a ser deixados para trás. Esquecidos. E tal tratamento é algo que não poderemos aceitar nunca”, pode ler-se.

O PSD afirma que não quer Vila de Rei “seja favorecido”, mas que seja “tratado de igual forma, aos territórios afetados pelos incêndios”, termina o mesmo comunicado.

PUB
Joana Rita Santos
Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres: o conhecimento e o saber, a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).