Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Domingo, Setembro 26, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Incêndios | Nas aldeias da Sertã e de Vila de Rei todos falam em “mão criminosa”

Aquilo que era suposto ser mais um tranquilo fim de semana na aldeia tornou-se num pesadelo. Outra vez. É com lágrimas nos olhos que muitos carregam garrafões e esticam mangueiras para tentarem salvar as suas árvores, as suas hortas, os seus bens, nas aldeias afetadas pelos incêndios da chamada “zona do pinhal”, neste sábado, dia 21 de julho.

- Publicidade -

O vento forte que se fez sentir contribuiu para a propagação de vários incêndios nos concelhos de Sertã, Vila de Rei e Mação, que ao final da noite estavam a ser combatidos por quase 900 operacionais apoiados por mais de 270 viaturas.

Em Vila de Rei e Mação estavam envolvidos no combate às chamas 521 bombeiros, apoiados por 162 viaturas, e na Sertã, no incêndio que começou em Rolã, antiga freguesia de Palhais, o dispositivo operacional envolveu 267 bombeiros e 83 viaturas.

- Publicidade -

Um terceiro incêndio, que surgiu às 16:16, na freguesia de Várzea dos Cavaleiros, igualmente na Sertã, também se mantinha ativo ao início da noite, estando a ser combatido por 95 bombeiros, apoiados por 28 viaturas.

Os moradores, que viram as suas habitações em risco, não ganharam para o susto e ajudavam os bombeiros na tarefa de apagar e evitar a propagação das chamas.

Os comentários acerca de eventuais causas criminosas dos incêndios eram uma constante entre os moradores. O facto de terem surgido vários incêndios quase em simultâneo e a poucos quilómetros uns dos outros cria ainda mais desconfianças.

Seja como for, a população parece estar já habituada ao flagelo dos incêndios e quase que adivinha o percurso das chamas. “A Ribeira da Isna (que separa os concelhos de Vila e Sertã) é estreita e o fogo passa de um lado para o outro, é sempre assim”, comentava um morador da Cumeada.

Incêndio em Chão da Telha, Sertã

Publicado por mediotejo.net em Sábado, 20 de julho de 2019

Rolã, Palhais, Cumeada, Casal do Calvo e Chão da Telha foram algumas das localidades do Concelho da Sertã que viram as suas populações ameadas pelos incêndios deste sábado.

A prioridade dos bombeiros era salvaguardar pessoas e habitações e isso até ao início da noite tinha sido conseguido uma vez que não houve qualquer ocorrência de habitação afetada ou de moradores feridos.

Como medida cautelar, ao fim da tarde a GNR cortou o trânsito na EN2 entre Sertã e Vila de Rei, bem como outras estradas municipais e caminhos vicinais.

As chamas circundaram a aldeia de Chão da Telha, junto à EN2, com muitas árvores destruídas, algumas das quais oliveiras centenárias, e alguns barracões agrícolas ardidos.

Em várias aldeias, que ganham vida ao fim de semana com o regresso de pessoas que estão a trabalhar em Lisboa, viveu-se um dia de tristeza e desolação ao verem as suas propriedades agrícolas e florestais destruídas.

Incêndio em Chão da Telha, Sertã

Publicado por mediotejo.net em Sábado, 20 de julho de 2019

Por entre o corrupio de viaturas de bombeiros vindas de vários pontos do país, era visível a agitação e preocupação dos moradores.

A curta distância de Chão da Telha, uma grande indústria de madeiras era o foco das atenções e um motivo de preocupação extra. As Forças Armadas já informaram que vão enviar quatro máquinas de rasto e 20 militares para apoiar a Proteção Civil no combate aos incêndios.

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome