Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Segunda-feira, Novembro 29, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Incêndios | Fogo em Mação “mais controlado” mas ainda gera preocupação – autarca

O incêndio que deflagrou no domingo na Sertã e se estendeu ao concelho de Mação está esta madrugada “mais controlado”, sem aldeias em perigo neste município, mas ainda inspira preocupação, disse à Lusa o presidente da câmara, Vasco Estrela. O incêndio que principiou no domingo à tarde na Sertã continua activo e com 3 frentes, estando a ser combatido esta manhã por 731 homens, apoiados 234 veículos e 9 meios aéreos, dois quais são canadairs espanhóis.

- Publicidade -

“As coisas estão um bocadinho melhores, estão mais controladas mas não nos podemos sentir descansados”, disse o autarca de Mação, durante a madrugada, realtivamente a um incêndio que teve início no município da Sertã e se estendeu aos concelhos de Mação e Proença-a-Nova. Vasco Estrela explicou que “houve necessidade de retirar algumas pessoas” de três aldeias, mas “neste momento em concreto não há aldeias em perigo e o pior já deve ter passado”.

As pessoas retiradas estão na Santa Casa da Misericórdia de Cardigos e tão cedo não poderão voltar, já que num caso a casa “foi consumida pelo incêndio” e noutro os habitantes são “pessoas muito idosas”. “Posteriormente vamos tentar ajudar essas pessoas a retomarem a sua vida”, disse o autarca de Mação.

- Publicidade -

O incêndio que deflagrou no domingo à tarde na Sertã estendeu-se ao concelho de Mação, onde ameaça “várias aldeias” e onde ardeu uma habitação, tratores, barracões e diversas viaturas, disse à Lusa o vice-presidente da câmara.

“Na aldeia de Carrascal, freguesia de Cardigos, tivemos de retirar alguns habitantes das suas habitações e levá-los para a santa Casa da Misericórdia, na sede de freguesia, por precaução, e várias aldeias estão em risco porque o incêndio está na sua envolvente, tendo já ardido uma casa em Vales, para além de diversas viaturas, tratores e barracões”, disse António Louro, vice-presidente da Câmara Municipal de Mação, durante a madrugada.

Casa de habitação ardeu durante a noite em Vales, freguesia de Cardigos. Foto: ASilva

“A este cenário muito preocupante na freguesia de Cardigos, que advém do incêndio na Sertã, acresce que temos agora duas frentes a dirigir-se para outras duas freguesias de Mação. A frente de fogo de Proença-a-Nova está muito perto da freguesia de Carvoeiro e o incêndio que principiou em Gavião, distrito de Portalegre, está muito perto de São José das Matas, na freguesia de Envendos. Os meios de combate estão todos dispersos e a situação é muito preocupante”, vincou o responsável, durante a noite.

Apesar de alguma evolução positiva, António Louro, responsável pela Proteção Civil Municipal de Mação, manifestou esta manhã ainda alguma apreensão: “Há uma frente muito extensa, o vento já se faz sentir no local, e os meios no terreno, ao contrário de serem aumentados estão a sair para a frente de Castelo Branco. A situação está em vias de ser controlada mas o flanco direito do incêndio causa apreensão na zona de Mesão Frio, nas cercanias de Carvoeiro, com as chamas a virem de Cardigos”.

Sobre a frente que ameaçava entrar em Envendos, proveniente de Gavião, Louro disse que os operacionais “conseguiram segurar o incêndio mesmo no limite do concelho” de Mação. Aquele incêndio estava esta manhã ‘em fase de resolução’.

António Louro disse ainda que as estradas já foram reabertas à circulação automóvel e que há dificuldades de comunicações móveis devido a “má rede”.

O fogo deflagrou na tarde de domingo no concelho da Sertã, distrito de Castelo Branco, tendo as chamas entrado no concelho de Mação, distrito de Santarém.

De acordo com a página na internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), o incêndio da Sertã começou cerca das 13:45, perto da localidade de Mosteiro de São Tiago, na freguesia de Várzea dos Cavaleiros.

Pelas 04:40 este incêndio com duas frentes era combatido por 734 operacionais, apoiados por 228 meios terrestres.

Mais dois incêndios estiveram ativos esta madrugada: outro em Castelo Branco, na freguesia de Santo André das Tojeiras, combatido por 238 operacionais apoiados por 75 veículos, e um em Gavião, distrito de Portalegre, onde estiveram 330 operacionais e 107 meios terrestres. Esta manhã, o incêndio de Gavião, que deflagrou no domingo à tarde em Domingos da Vinha, estava dado como ‘em resolução’, e estava a ser combatido, às 09:30, por 316 operacionais, apoiados por 104 viaturas e 2 meios aéreos.

C/Lusa

Principais fogos deste domingo centraram-se em Coimbra, Sertã e Gavião.O vento é principal obstáculo ao combate. Foto: mediotejo.net

Incêndios | Fogo na Sertã era o único ativo às 09:00 e vai mobilizar nove meios aéreos

O único incêndio ativo a preocupar as autoridades era às 09:00 o da Sertã, distrito de Castelo Branco, que àquela hora era comnbatido por 731 operacionais apoiados por 234 veículos e nove meios aéreos, dois dos quais espanhóis.

De acordo com Patrícia Gaspar da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), as condições meteorológicas para hoje devem continuar a ser desfavoráveis para os incêndios, sobretudo devido ao vento, motivo pelo qual foi decidido manter todo o dispositivo no terreno, mesmo nos incêndios já dominados, como o de Gavião (Portalegre) e Vila Flor (Bragança).

Às 09:00 já não havia qualquer estrada cortada e não existia qualquer situação mais crítica, de acordo com a mesma fonte.

Por prevenção há um dispositivo do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) no Centro de Meios Aéreos em Proença-a-Nova, constituído por uma viatura médica, uma viatura de suporte imediato de vida (SIV) e quatro ambulâncias.

De acordo com a mesma fonte foram acionados acordos com seis pelotões militares para operações de rescaldo e vigilância após incêndio, para evitar eventuais reacendimentos.

Durante o fim de semana foram retiradas dez pessoas das suas habitações, que, no entanto, já regressaram ou estão a regressar.

Lusa

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome