Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quinta-feira, Setembro 16, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

“Guia Boa Cama e Boa Mesa”, por Armando Fernandes

Estando a decorrer o Festival Nacional de Gastronomia em Santarém, obriguei-me a reler o Boa Cama Boa Mesa. Reduzi a consulta ao Distrito de Santarém. Entre a edição de 2019 e a de 2018 existem poucas diferenças, no Médio Tejo a mais notória é a exclusão do restaurante Cascata, no mais prevalece o guião anterior. E, no entanto, surgiram outras casas de comeres, esperemos que elas sejam mencionadas na nova edição.

- Publicidade -

Eu não conheço os critérios classificativos, porém, tal como em devido tempo escrevi, não percebo a causa da exclusão do restaurante Dom Vinho (Sardoal) e o apagamento do restaurante Cascata, é possível estar relacionado com o facto de a principal sala de refeições e serviço à carta não serem funcionáveis todos os dias da semana. Será por isso?

A inclusão de O Bigodes (Ortiga, Mação) foi justa e por isso mesmo muito positiva, mais tudo como dantes, quartel-general na cidade dita florida. Acreditam?

- Publicidade -

Estabelecida a comparação rumei ao Festival, era o primeiro dia, acepipes variados fizeram mingar o apetite. Jantei no restaurante Tentações da Montanha (Boticas), e as tentações eram e são muitas. O porco nas suas várias ramificações impera, o galo pica no chão e o cabrito serrano convidam ao desfrute, a célebre posta de vitela barrosão é por si só uma iguaria de truz, os arrozes, e por aí adiante!

Finas fatias de presunto Bísaro muito bem curado constituiu a entrada, a referida posta de vitela grelhada como mandam as regras o elemento principal, a acompanhá-la batatas assadas com a casca e o pão daquelas paragens. Bebi um copo de vinho tinto da Adega Cooperativa de Valpaços, donairoso e guloso.

Até ao dia 3 de Novembro em Santarém. Aceita cartões.

Riesling

A casta, esta famosa casta fala alemão, não andarei longe da verdade se escrever que conquistou admiradores em todo o Mundo, por isso mesmo bebida em todo o Mundo, a sós e a acompanhar comeres leves, saladas, frutos vermelhos, charcutaria fina e queijos secos ou na fase de entorna pouco gordurosos. Os vinhos da casta Riesling gozam de grande aceitação no domínio da alta cozinha pelo seu perfume, elegância e frescura.

Nesta crónica trago a terreiro um Riesling ribatejano, da Quinta da Ribeirinha, Achete, Santarém, colheita de 2017, com 12,5º de graduação. O leitor experimente e estou convicto de o aprovar sem reservas. Faz parte da denominação TEJO.

Armando Fernandes é um gastrónomo dedicado, estudioso das raízes culturais do que chega à nossa mesa. Já publicou vários livros sobre o tema e o seu "À Mesa em Mação", editado em 2014, ganhou o Prémio Internacional de Literatura Gastronómica ("Prix de la Littérature Gastronomique"), atribuído em Paris.
Escreve no mediotejo.net aos domingos

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome