Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Domingo, Outubro 17, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Governo | Maria do Céu Albuquerque e Ana Mendes Godinho, duas ministras com costelas ribatejanas (C/FOTOS)

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, deu posse no sábado aos 19 ministros e 50 secretários de Estado do XXII Governo Constitucional, depois de empossar o primeiro-ministro, António Costa, no Palácio da Ajuda, em Lisboa. Entre os ministros do novo Governo temos duas ministras com costelas ribatejanas. Maria do Céu Albuquerque, a nova ministra da Agricultura, é natural de Abrantes e ribatejana de corpo e alma, e Ana Mendes Godinho, ministra do Trabalho, não sendo natural do distrito de Santarém, tem raízes familiares em Tomar.

- Publicidade -

Ana Godinho vai ocupar o cargo desempenhado nos últimos anos por José Vieira da Silva, governante que também tem afinidades com o distrito, tendo estudado em Alcanena e Torres Novas. Em Alcanena, onde passou a sua infância e tem ligações familiares, foi ainda eleito como membro da Assembleia Municipal.

Maria do Céu Albuquerque foi acompanhada pelas suas filhas no dia da tomada de posse enquanto Ministra da Agricultura. Foto: Arlindo Homem

- Publicidade -

PERFIL | Maria do Céu Albuquerque sucede a Capoulas Santos na Agricultura

Maria do Céu Albuquerque, 49 anos, foi o nome escolhido pelo primeiro-ministro, António Costa, para a pasta da Agricultura, oito meses depois de ter sido designada secretária de Estado do Desenvolvimento Regional. Apresentou-se este sábado na tomada de posse acompanhada das suas duas filhas. Nascida em 1970 em Abrantes, a ministra é licenciada em Bioquímica pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra e pós-graduada em Gestão da Qualidade e Segurança Alimentar pelo Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz.

Maria do Céu Albuquerque era secretária de Estado do Desenvolvimento Regional desde fevereiro deste ano.

Presidente da autarquia de Abrantes durante nove anos, liderou desde 2013 o Conselho Intermunicipal da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo.

Além disso, a sucessora de Capoulas Santos no cargo foi membro do Conselho Económico e Social e do Conselho das Comunidades e Regiões da Europa na Comissão Permanente para a Igualdade das Mulheres e dos Homens na Vida Local.

Maria do Céu Albuquerque foi membro do Comité de Acompanhamento do Programa Operacional Regional do Centro – Centro 2020, e da Comissão Executiva da Entidade Regional do Turismo Centro de Portugal, presidindo também à direção da TecParques – Associação Portuguesa de Parques de Ciência e Tecnologia. É casada e tem duas filhas.

PERFIL | Ana Mendes Godinho deixa Turismo para assumir Ministério do Trabalho

Ana Mendes Godinho, até agora secretária de Estado do Turismo, integra o novo governo na qualidade de ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, sucedendo a Vieira da Silva.

A nova ministra do Trabalho e da Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, tem ligações a Tomar por via familiar, sendo nora do industrial José Maria Mendes Godinho, figura desde sempre ligada ao Grupo Mendes Godinho, e que teve uma importância histórica no desenvolvimento do concelho durante o século XX, tendo sido o primeiro deputado eleito por Tomar, após o 25 de Abril, na Constituinte de 1975, em listas do PS pelo distrito de Santarém.

Ana Mendes Godinho. Foto: Arlindo Homem

A nova ministra é licenciada em Direito, pela Universidade de Lisboa, e ocupou a secretaria de Estado do Turismo entre 2015 e 2019, vários anos depois de ter chefiado o gabinete do secretário de Estado do Turismo dos governos de José Sócrates, Bernardo Trindade.

Durante a sua tutela, Portugal ganhou vários prémios de turismo a nível internacional, incluindo Melhor Destino Turístico do Mundo nos World Travel Awards e Melhor Destino Turístico europeu. Várias regiões, hotéis e empresas portuguesas do setor foram também galardoadas.

Antes de chegar a secretária de Estado, foi diretora dos Serviços de Apoio à Atividade Inspetiva da Autoridade para as Condições do Trabalho, tendo, entre 2001 e 2005, sido inspetora do trabalho.

Ana Mendes Godinho passou ainda pelo Turismo de Portugal, onde foi vice-presidente, tendo também coordenado o curso de pós-graduação de Direito do Turismo na Faculdade de Direito de Lisboa. Ocupou também o cargo de representante de Portugal no Comité Técnico da ISO/Turismo.

Ana Mendes Godinho ainda passou pelo mundo empresarial, ocupando a vice-presidência do Conselho Geral do Fundo Imobiliário Especial de Apoio às Empresas e tendo sido administradora da Turismo Capital, SCR, e da Turismo Fundos, SGFII, SA. Foi ainda membro do Conselho Consultivo da Fundação Inatel.

A nova responsável pela pasta do Trabalho também tem experiência como consultora jurídica da Direção-Geral do Turismo.

Ana Mendes Godinho nasceu em Lisboa em 1972, é casada e tem três filhos.

 

Governo | Presidente da República deu posse ao XXII Governo Constitucional

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, deu hoje posse aos 19 ministros e 50 secretários de Estado do XXII Governo Constitucional, depois de empossar o primeiro-ministro, António Costa, no Palácio da Ajuda, em Lisboa.

Na Sala dos Embaixadores do Palácio Nacional da Ajuda, após a tomada de posse do primeiro-ministro, tomaram posse os 19 ministros, chamados um a um pelo secretário-geral da Presidência da República, Arnaldo Pereira Coutinho, e depois os secretários de Estado.

A declaração de compromisso de honra e assinatura do auto de posse decorreu por ordem hierárquica, começando pelo primeiro-ministro, António Costa, seguindo-se o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, a ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, e o ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno, e depois os restantes ministros.

Na cerimónia, que começou às 10:30, a hora protocolar marcada, pelas 10:45 estavam empossados os ministros e às 11:22 os secretários de Estado.

Presidente da República deu posse ao XXII Governo Constitucional. Foto: Arlindo Homem

Os ministros declararam solenemente e pela sua honra que cumprirão com lealdade as funções que lhes foram confiadas e assinaram de seguida o livro do auto de posse colocado em cima da mesa de madeira maciça que ocupava o centro da sala.

Depois da posse dos ministros, decorreu a posse dos secretários de Estado, começando pelo secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro, fazendo a mesma declaração de honra e assinando igualmente, mas um outro livro.

Tal como há quatro anos, a secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes, que em 2015 se tornou a primeira governante cega em Portugal, leu uma versão do compromisso de honra impressa em braille, e depois assinou o auto de posse com a ajuda do secretário-geral da Presidência da República.

Sentados na primeira fila estavam os ministros cessantes Vieira da Silva, Capoulas Santos, e Ana Paula Vitorino, ao lado da socialista Edite Estrela, que foi eleita vice-presidente da Assembleia da República na sexta-feira, da líder parlamentar do PS, Ana Catarina Mendes, e do líder parlamentar bloquista, Pedro Filipe Soares.

Depois de chegar pelas 10:18, com a mulher e a filha, o primeiro-ministro, António Costa, entrou na Sala dos Embaixadores escassos momentos antes do Presidente da República.

António Costa cumprimentou com entusiasmo os ministros cessantes e ocupou o seu lugar.

Presidente da República deu posse ao XXII Governo Constitucional. Foto: Arlindo Homem

O Bloco de Esquerda esteve representado pelo líder parlamentar, Pedro Filipe Soares, que tinha chegado ao Palácio da Ajuda ao mesmo tempo que o novo secretário de Estado da Defesa, Seguro Sanches, entrando juntos e à conversa.

Apesar de o PCP ter decidido retomar a sua prática de não marcar presença nas tomadas de posse do Governo, o histórico comunista Domingos Abrantes esteve presente, na qualidade de conselheiro de Estado.

O social-democrata David Justino esteve igualmente presente na cerimónia, tendo o CDS-PP estado ausente.

A deputada estreante do partido Livre Joacine Katar Moreira marcou presença na cerimónia, chegando à sala dos embaixadores escassos dois minutos antes da entrada da maioria dos ministros, que, pelas 10:19, ocuparam as cadeiras de tons claros dispostas em meia-lua.

Os ministros que neste Governo subiram à categoria de ministros de Estado – Pedro Siza Vieira, Augusto Santos Silva, Mariana Vieira da Silva e Mário Centeno – entraram cerca de cinco minutos depois.

A procuradora-geral da República, Lucília Gago, chegou ao Palácio da Ajuda pelas 09:38, e poucos minutos depois, a provedora de Justiça, Maria Lúcia Amaral.

Pouco depois da chegada da mãe do primeiro-ministro, a jornalista Maria Antónia Palla, pelas 09:46, tinha sido aberta a chamada porta dos archeiros do palácio, para que pudessem entrar, ladeados por militares da GNR em farda de gala, as três primeiras figuras do Estado – Presidente da República, presidente da Assembleia da República e primeiro-ministro – e também os presidentes dos tribunais superiores.

Aos antigos Presidente da República também é dada a honra de entrar por aquela porta, mas nenhum antigo chefe de Estado marcou presença na cerimónia.

Depois das intervenções do Presidente da República e do primeiro-ministro, foi, pelas 12:02, declarada encerrada a cerimónia.

De seguida, Marcelo Rebelo de Sousa cumprimentou os ministros, mas também alguns convidados, designadamente os que se encontravam na primeira fila, como Vieira da Silva a quem o chefe de estado deu um abraço.

O período dos cumprimentos durou mais de 40 minutos, prosseguindo o clima de felicitações entre membros do Governo após a saída de António Costa da Sala dos Embaixadores, pelas 12:46.

C/LUSA

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome