“Governo esquece Médio Tejo nos prejuízos causados pela ELSA”, por Duarte Marques

Tempestade Elsa gerou prejuízos de 6,7 ME em 10 dos 13 municípios da região do Médio Tejo. Foto: Lusa

Há mais país além do Covid19 e há um conjunto de problemas que exigem a nossa atenção e sobretudo a do Governo da República. Um desses casos são os prejuízos causados pela depressão Elsa que assolou o centro do país em dezembro do ano passado.

Os concelhos do Médio Tejo, à semelhança da região de Coimbra, foram dos mais afetados somando um conjunto de prejuízos por via da destruição de infraestruturas públicas e privadas na ordem 7 milhões de euros em 10 dos 13 concelhos da região (Abrantes, Alcanena, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Mação, Ourém, Sardoal, Sertã, Tomar, Torres Novas, Vila de Rei e Vila Nova da Barquinha), segundo anunciou então a Comunidade Intermunicipal.

Se se recordam, logo após as primeiras notícias o governo, em particular a Ministra da Agricultura foi célere a anunciar, penso que em jan/fev, os primeiros apoios para os agricultores da região de Coimbra.

PUB

Entretanto já o Grupo Parlamentar do PSD tinha questionado o Governo através de uma Pergunta Parlamentar sobre a mobilização de apoios para a nossa região, nomeadamente através do Fundo de Emergência Municipal, que existe precisamente para estas situações, de uma linha de crédito especial ou através da mobilização de fundos europeus.

A resposta chegou há alguns dias, com meses de atraso, pela mão da Ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão, que foi cabeça de lista do Partido Socialista nas últimas eleições precisamente pelo distrito de Santarém.

Para surpresa nossa, e imagino de todos os autarcas da região com prejuízos nos seus concelhos, a resposta revelava que 6 meses depois e após um levantamento minucioso feito pelas autoridades locais o Governo  confessa que está ”a concluir o levantamento junto de todos os municípios e regiões afetadas e, com base nos valores totais apurados e no que consta da nova lei de enquadramento orçamental, será determinado o financiamento que será possível alocar, para fazer face aos prejuízos causados pela depressão Elsa”.

Ou seja, para o Médio Tejo ainda não há nada e o governo chuta a responsabilidade para a CCDR Centro e para a DGAL, ou seja, entidades sob tutela e responsabilidade desta Ministra e do Governo.

Esta situação é inaceitável e bastante gravosa para vários concelhos que já noutras ocasiões foram muito discriminados por este governo quando toca a compensar prejuízos. Penso que não será preciso recordar o que se passou após os incêndios de 2017 e 2019.

Pelo PSD, e principalmente pelos Deputados eleitos por Santarém, esta situação não será esquecida.

PUB
Artigo anteriorAbrantes | Praia fluvial de Aldeia do Mato conquista Bandeira Azul pelo décimo ano e praia de Fontes bisa
Próximo artigoPonte de Sor | Bombeiros Voluntários recebem 100 testes para covid-19 doados pelo Rotary Clube de Lisboa
Duarte Marques, 38 anos, é natural de Mação. Fez o liceu em Castelo Branco e tirou Relações Internacionais no Instituto de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa, com especialização em Estratégia Internacional de Empresa. É fellow do German Marshall Fund desde 2013. Trabalhou com Nuno Morais Sarmento no Governo de Durão Barroso ao longo de dois anos. Esteve seis anos em Bruxelas na chefia do gabinete português do PPE no Parlamento Europeu, onde trabalhou com Vasco Graça Moura, José Silva Peneda, João de Deus Pinheiro, Assunção Esteves, Graça Carvalho, Carlos Coelho, Paulo Rangel, entre outros. Foi Presidente da JSD e deputado na última legislatura, onde desempenhou as funções Vice Coordenador do PSD na Comissão de Educação, Ciência e Cultura e integrou a Comissão de Inquérito ao caso BES, a Comissão de Assuntos Europeus e a Comissão de Negócios Estrangeiros e Cooperação. O Deputado Duarte Marques, eleito nas listas do PSD pelo círculo de Santarém, foi eleito em janeiro de 2016 um dos novos representantes portugueses na Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, com sede em Estrasburgo. Sócio de uma empresa de criatividade e publicidade com sede em Lisboa, é também administrador do Instituto Francisco Sá Carneiro, director Adjunto da Universidade de Verão do PSD, cronista do Expresso online, do Médio Tejo digital e membro do painel permanente do programa Frente a Frente da SIC Notícias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here