“Governo caloteiro”, por Duarte Marques

A principal consequência da incompetência e do irrealismo do actual governo é a quase estagnação da nossa economia pois, se em 2015 o país cresceu 1,6%, este ano ficará em 1%. As medidas da geringonça, as que permitiram o acordo, congelaram a economia, assustaram os investidores e mataram o plano de Centeno que anunciava fazer o país crescer 2,4%. Foi um fracasso total.

PUB

Ora, para conseguir “parecer”  que está a manter as contas públicas em ordem, o governo decidiu deixar de pagar. Não paga aos hospitais, não paga às escolas, não paga às universidades, não paga os fundos comunitários, não paga às empresas as verbas do QREN, entre muitos outros.

Esta semana ficamos a saber que o governo cativou 430 milhões de euros das verbas previstas pelas Infraestruturas de Portugal, parte desse dinheiro significa adiamento de novas obras no distrito de Santarém e o adiar da manutenção das existentes. Como reconheceu  o Presidente desta empresa pública, esta cativação veio “condicionar toda a actividade, nomeadamente a conservação rodoferroviaria”. Segundo António Laranjo em entrevista ao Jornal de Negócios, “a empresa pública ainda não recebeu um cêntimo este ano” por parte do Estado.

PUB

Por incrível que pareça, esta semana ficamos também a saber que o Ministério da Saúde está a recomendar que se reduzam as colonoscopias. A acusação foi feita pelo presidente da Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia (SPG) que denunciou que os médicos de medicina geral e familiar sofrem uma “imoral pressão de índole económica” para que sejam “restritivos na solicitação dos exames necessários, nomeadamente colonoscopias”. Nem após a bancarrota isto se viu por cá, nem nos momentos mais apertados da presença da Troika.

São apenas dois exemplos para demonstrar a minha indignação perante aqueles que durante 4 anos criticaram quem tentava recuperar o país e que agora se acobardam, que agora se calam, perante atrocidades como as que acima referi.

PUB

Quando o Estado não cumpre as suas obrigações, sempre que atrasa pagamentos às empresas, está a prejudicar a própria economia. Além disso, o Estado deve dar o exemplo, ser cumpridor e exigente.

Hoje, após 4 anos de ajustamento, as autarquias portuguesas são um exemplo no respeito pelos seus compromissos e assim se mantêm, sobretudo graças à Lei dos Compromissos, aos dois programas de recuperação financeira que o Governo PSD/CDS aprovou, mas também graças ao empenho dos autarcas.

Pelos vistos,  os autarcas apreenderam, já o governo voltou ao passado, voltou a ser caloteiro, voltou a empurrar com a barriga, voltou a dever dinheiro a toda a gente, a não cumprir os seus compromissos e a dar um péssimo exemplo ao país.

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

pub
Artigo anteriorTorres Novas | Aberto concurso para requalificação de Secundária Maria Lamas
Próximo artigoF. Zêzere| Aprovado orçamento superior a 10 milhões para o ano de 2017
Duarte Marques, 38 anos, é natural de Mação. Fez o liceu em Castelo Branco e tirou Relações Internacionais no Instituto de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa, com especialização em Estratégia Internacional de Empresa. É fellow do German Marshall Fund desde 2013. Trabalhou com Nuno Morais Sarmento no Governo de Durão Barroso ao longo de dois anos. Esteve seis anos em Bruxelas na chefia do gabinete português do PPE no Parlamento Europeu, onde trabalhou com Vasco Graça Moura, José Silva Peneda, João de Deus Pinheiro, Assunção Esteves, Graça Carvalho, Carlos Coelho, Paulo Rangel, entre outros. Foi Presidente da JSD e deputado na última legislatura, onde desempenhou as funções Vice Coordenador do PSD na Comissão de Educação, Ciência e Cultura e integrou a Comissão de Inquérito ao caso BES, a Comissão de Assuntos Europeus e a Comissão de Negócios Estrangeiros e Cooperação. O Deputado Duarte Marques, eleito nas listas do PSD pelo círculo de Santarém, foi eleito em janeiro de 2016 um dos novos representantes portugueses na Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, com sede em Estrasburgo. Sócio de uma empresa de criatividade e publicidade com sede em Lisboa, é também administrador do Instituto Francisco Sá Carneiro, director Adjunto da Universidade de Verão do PSD, cronista do Expresso online, do Médio Tejo digital e membro do painel permanente do programa Frente a Frente da SIC Notícias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here