Golegã/Triatlo | Poór e Ruzafa repetem vitórias no XTerra (c/fotogaleria)

Ruben Ruzafa recebido por campinos à entrada da Golegã.

Realizou-se dia 2 junho, na Golegã, uma prova de triatlo cross do circuito europeu do Xterra 2018. A prova do XTerra Portugal serviu de apuramento para o XTerra World Championship e juntou centenas de triatletas de 20 nacionalidades ao longo de 1,5km de natação, 33km de ciclismo e 10km de corrida.

PUB

Disputada no formato standard, a competição pautou-se pela dificuldade técnica do segmento de ciclismo. Esta competição serviu de apuramento para o Campeonato do Mundo de XTerra, para o apuramento do Campeonato Nacional individual e contou para o Campeonato Nacional de Clubes.

Pódio Masculino.

O primeiro lugar no pódio, com a marca de 02:27:02, pertenceu ao triatleta espanhol Ruben Ruzafa, que já foi 3 vezes campeão do mundo de XTerra e venceu as cinco edições realizadas na Golegã.

PUB

Seguiu-se o alemão Peter Lehmann e o português Rui Dolores, que sendo o melhor atleta nacional se sagrou Campeão Nacional Individual de Triatlo Cross 2018.

Pódio Feminino.

No sector feminino voltou a vencer a húngara Brigitta Poór, repetindo a vitória de 2017, desta vez com o tempo de 02:48:27, secundada pela austríaca Carina Wasle. A espanhola Eva Garcia Gonzalez encerrou o pódio.

PUB

Campeonato Nacional

Rui Dolores

Na prova destinada aos atletas nacionais, com o título nacional em disputa o primeiro atleta na meta foi Rui Dolores, do Amiciclo de Grândola, com o tempo de 02:36:22.
Seguiu-se José Estrangeiro do Cnatril Triatlo e do atleta do Núcleo do Sporting da Golegã, Rui Galinha.

O Campeão Nacional de Triatlo Cross-2018 falou ao sítio da Federação Portuguesa de Triatlo: «Já conhecia bem o percurso, que é duro, mas a prova correu-me bem», conta Rui Dolores que no ano anterior ficou em 5º do ranking europeu.

O triatleta português acabou por se magoar na passada quinta feira num treino local, ficando até à última hora sem saber se conseguia participar na competição. «Hoje acordei melhor, consegui sair da natação com o Ruben Ruzafa e fazer o ciclismo com o segundo atleta. Depois na corrida, o segundo classificado correu um bocadinho mais do que eu».

Pauline Vie

Pauline Vie, do Alhandra Sporting Clube, ao melhorar o segundo lugar obtido na edição anterior, foi a primeira atleta feminina, com o tempo de 3:34:14.
Seguiu-se Malvina Oliveira Gomes, individual e Susana Pontes do Outsystems Olímpico de Oeiras.

«A prova correu bem, como é uma partida mista, na natação ‘levei muita pancada’, mas faz parte. O ciclismo é muito técnico com subidas e descidas, com pedra solta e areia e na corrida estava já cansada, mas o último segmento correu mesmo assim melhor do que esperava. Conquistei o título nacional e estou muito satisfeita», disse Pauline Vie.

Por clubes a equipa da casa, Núcleo do Sporting da Golegã, venceu coletivamente em femininos, com as atletas Sofia Carvalho, Ana Vintém e Joana Fragata.

Em masculinos venceu a Amiciclo Grândola (Rui Dolores, Octávio Vicente e Pedro Trindade), seguido do Outsystems Olímpico de Oeiras e do Núcleo do Sporting da Golegã.

Octávio Vicente

Octávio Vicente, triatleta do Tramagal, a competir pelo Amiciclo Grândola, ajudou a sua equipa a vencer coletivamente. Com o seu 16º lugar absoluto e primeiro no escalão 30-34 anos conseguiu aquilo que era o seu objectivo: o apuramento para o XTerra World Championship, a disputar no Havai, onde, de resto, já esteve presente.

Fonte: Federação Portuguesa de Triatlo.
*Com David Pereira (fotos).

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

- publicidade -
Artigo anteriorFerreira do Zêzere | Biblioteca Municipal acolhe I Torneio de Xadrez
Próximo artigoAlcanena | Requalificação da Lagoa de Monsanto vence OP Jovem
Nasceu a 30 de Janeiro de 1961 em Lisboa e cresceu no Alentejo, em Santiago do Cacém. Dali partiu em 1980 para ingressar no Exército e no Curso de Enfermagem. Foi colocado em Santa Margarida e por aqui fez carreira acabando por fixar-se no Tramagal em 2000. A sua primeira ligação à Vila "metalúrgica" surge em 1988 como Enfermeiro do TSU. Munido da sua primeira câmera digital, em 2009 e com a passagem à situação de reserva, começou a registar a fauna do Vale do Tejo, a natureza e o património edificado da região, as ruas, as pessoas... Com colaborações regulares em jornais da região e nacionais este autodidata acaba por conseguir o reconhecimento público, materializado em alguns prémios. Foi galardoado na 8ª Gala de Cultura e Desporto de Tramagal na categoria de Artes Plásticas (Fotografia) em 2013.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here