- Publicidade -

Golegã | Movimento de independentes concorre às eleições autárquicas “para ganhar” (c/áudio)

Carlos Santana, 56 anos, bancário reformado é, para já, o principal rosto do movimento independente denominado “2021 é o Ano”, que se propõe concorrer às eleições autárquicas do concelho da Golegã. Será o candidato à Junta de Freguesia da Golegã, não sendo público até agora quem será o candidato à Câmara, à Assembleia ou às restantes freguesias, órgãos aos quais querem concorrer.

- Publicidade -

Para isso já iniciaram o processo de recolha de assinaturas necessárias à formalização do movimento, disse Carlos Santana ao mediotejo.net.

- Publicidade -

É um grupo de goleganenses, “homens e mulheres apaixonados pela sua terra, apartidários, sem qualquer vínculo político, que entenderam por bem dar movimento e outro dinamismo à Golegã. Chegou a altura de haver alguma mudança no concelho”, defende Carlos Santana em declarações ao mediotejo.net.

Questionado sobre os objetivos do movimento em termos eleitorais, o candidato diz que “é para ganhar, mas está tudo na mão dos goleganenses”. Nesta fase, garante, sentem o apoio de “uma grande fatia da população da Golegã”.

Num comunicado à imprensa enviado ao mediotejo.net, o movimento de cidadãos aponta como missão “apresentar à população um projeto alternativo e com credibilidade, alicerçado na competência dos seus elementos, mas também galvanizador face ao alargado espectro das personalidades que compõem o movimento, os quais se encontram bem implantados no tecido empresarial, associativo e cívico da comunidade”.

Assume como objetivos principais “a sustentabilidade económico-financeira do Município, numa estratégia de valorização dos espaços e instituições do concelho, entendendo e promovendo o associativismo do concelho como a força motriz da sua projeção e dinamização”. Para o movimento independente “a resolução dos problemas ambientais existentes, é um meio essencial e imprescindível para a melhoria da qualidade de vida e salubridade da população do concelho”.

Defende a projeção da marca “Golegã” e do Cavalo “para benefício de toda a comunidade e a criação de uma forte e diversificada agenda cultural e desportiva, a par da potenciação dos equipamentos e infraestruturas já existentes, e das que se venham a criar”.

É, ainda, objetivo do movimento “2021 é o ano” a implementação “de políticas sérias de incentivo à natalidade e de apoio à fixação das famílias, bem como a criação de elos de ligação ao tecido empresarial do concelho, facilitando o crescimento das empresas já existentes e criando condições para a captação de mais investimento, e o acentuar dos cuidados de manutenção e embelezamento dos espaços públicos.”

Carlos Santana aponta para abril a apresentação das listas à câmara, Assembleia Municipal e Juntas de Freguesia de Azinhaga, Golegã e Pombalinho. “Está tudo no bom caminho”, realça.

Bancário reformado, o candidato nasceu e cresceu na Golegã, é diretor técnico do Rancho Folclórico da vila ao qual pertence há 46 anos, é membro da comunidade paroquial e foi dirigente da Santa Casa da Misericórdia.

“Sou um apaixonado pela minha terra”, reforça. Nunca se envolveu na política, mas desta vez diz que sentiu “um chamamento”.

O PS é quem gere os destinos do municípios da Golegã tendo eleito em 2017 José Veiga Maltez, que já anunciou a sua recandidatura.

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).