Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Terça-feira, Outubro 19, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Golegã | Casa- Estúdio Carlos Relvas reabre ao público após obras de requalificação

Fechada desde setembro de 2017, a Casa Estúdio Carlos Relvas, na Golegã, vai reabrir ao público no dia 9 de outubro depois de obras de reabilitação que custaram mais de meio milhão de euros.

- Publicidade -

A intervenção surgiu na sequência de uma candidatura do Município da Golegã ao programa Alentejo 2020, candidatura que foi aprovada no montante de 529.013,14 euros (com IVA incluído).

Com as obras, a Câmara da Golegã pretendeu “dotar o Museu Carlos Relvas de condições de operacionalidade condignas, aumentando assim o número de visitantes”.

- Publicidade -

Edifício único no mundo, construído de propósito para servir de estúdio fotográfico, a Casa Carlos Relvas (1838-1894) ficou concluída em 1876. Por ali passaram tanto reis como mendigos que posaram para as câmaras de um dos pioneiros da fotografia em Portugal.

A reabertura é marcada pela exposição de fotografia do médico abrantino José Fontes sobre o Hospital Miguel Bombarda em 1968.

José Milheiriço Pontes, médico radiologista, nasceu em Abrantes em 1940. É fotógrafo amador desde criança tendo em 1962/63 fundado, com António Portugal, a secção fotográfica da Associação Académica de Coimbra e aí organizado cursos de fotografia e exposições de arte fotográfica, que estiveram na génese dos atuais encontros de fotografia.

Em Lisboa, foi associado do «Foto Clube 6X6» e membro do seu conselho técnico, quando em 1968 efetuou este trabalho fotográfico no Hospital Miguel Bombarda.

Como fotógrafo amador realizou algumas exposições individuais, tendo sido admitido e várias vezes premiado em concursos nacionais e internacionais de arte fotográfica.

A exposição “Hospital Miguel Bombarda 1968” está patente na Casa Estúdio Carlos Relvas até 28 de outubro.

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome