Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Domingo, Julho 25, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

GNR alerta idosos para situações de violência, burlas e furtos em residências

A GNR realizou, durante o mês de outubro, 4.351 ações de sensibilização junto de 33.841 idosos de todo o país, alertando-os para situações de violência, burlas e furtos em residência, indicou hoje a corporação.

- Publicidade -

Num comunicado para divulgar os resultados da operação “idosos em segurança 2015”, a Guarda Nacional Republicana adianta que 4.351 militares da GNR realizaram, em outubro, ações de sensibilização em residências, centros de apoio social e entidades de saúde, tendo envolvido um total de 33.841 idosos.

Segundo a GNR, as ações de sensibilização tiveram como objetivo alertar os idosos para “matérias relacionadas com a segurança, de modo a prevenir que esta população seja vítima de determinada criminalidade, em particular de situações de violência, de burlas e de furto em residências”.

- Publicidade -

Aquela força de segurança refere também que, durante a operação, os idosos foram alertados para a entrada em circulação da nova nota de 20 euros, prevista para 25 de novembro, para evitar que esta população “não seja vítima de burlas relacionadas com esta introdução”.

No comunicado, a GNR indica igualmente que registou 112 burlas a idosos nos primeiros seis meses do ano, sendo vítimas de indivíduos que, “através de uma boa aparência e com uma conversa convincente e cativante, se fazem passa por funcionários de instituições confiáveis (Segurança Social, Bancos, CTT, EDP), a fim de darem credibilidade à personagem por si criada e enganá-los”.

A GNR indica ainda que sinalizou, na “Operação Censos Sénior 2015” realizada em abril, 39.216 idosos, dos quais 23.996 vivem sozinhos, 5.205 isolados, 3.288 sozinhos e isolados e 6.727 encontram-se em situação de vulnerabilidade fruto de limitações físicas ou psicológicas.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here