Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

Domingo, Setembro 19, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

Gelado Palha de Abrantes só pode haver um, o da Tágide e mais nenhum?

Está instalada a polémica: a Pastelaria Tágide Gourmet, do chef Fernando Correia, em Rossio ao Sul do Tejo, anunciou esta quarta-feira a intenção de processar judicialmente os Gelados Lis, de Abrantes, por violação de direitos de propriedade industrial.

- Publicidade -

Em causa está o Gelado Palha de Abrantes, apresentado pelo chef Fernando Correia na feira de Doçaria de Abrantes em 2014 e registado no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) quando o produto começou a ser comercializado pela sua empresa.

Acontece que também os Gelados Lis, uma referência de Abrantes desde 1976, criados por Paulo Dias, e atualmente com a gerência do casal Pedro e Carla Pina Ribeiro, comercializam um Gelado de Palha de Abrantes, por eles criado há três anos.

- Publicidade -

O Gelado de Palha de Abrantes dos Gelados Lis – que também já têm gelatarias em Santarém e Lisboa – tem sido amplamente divulgado em campanhas promocionais e mereceu destaque noticioso na imprensa nacional e em programas televisivos, o que terá levado o chef Fernando Correia a decidir agir, de forma a proteger um bem que considera seu.

Em publicação na página da Pastelaria Tágide Gourmet na rede social Facebook, Fernando Correia afirma: “A marca Gelado Palha de Abrantes é uma marca chef Fernando Correia e Pastelaria Tágide Gourmet! Por isso, mais ninguém pode comercializar este gelado com o nome Gelado Palha de Abrantes! Este é o nosso Gelado!”

A acompanhar o texto de protesto, publicou uma fotografia do registo no Instituto Nacional de Propriedade Industrial, válido até 2028, e que protege o logotipo criado pela Tágide Gourmet para este produto mas também a marca “Gelado Palha de Abrantes”, não podendo assim essa designação ser usada em produtos de outros fabricantes.

“Vamos seguir em frente e resolver o caso no local com responsabilidade para tal, o tribunal”, acrescenta o chef na mesma publicação.

Contactado pelo nosso jornal, Fernando Correia optou por não avançar, para já, com mais informações além das que já havia tornado públicas no Facebook.

Por seu lado, Pedro Pina Ribeiro garantiu ao mediotejo.net que se os Gelados Lis “estiverem a fazer algo de errado” irão corrigir a designação do seu produto. “Espero que não, mas se o advogado da empresa nos informar do contrário, é uma situação que iremos retificar.”

No entanto, sublinhou que “a marca é Gelados Lis”, e não Palha de Abrantes. “O que temos são vários sabores, mais de trinta. O mais recente é de nata, um dia teremos de tigelada. Temos uma receita própria, um sabor que tem a designação de Palha de Abrantes, que criámos com base no doce tradicional. Além disso, já existem outros gelados na cidade”, além do da Pastelaria Tágide, frisou.

“A marca é Gelados Lis, e não Palha de Abrantes. O que temos são vários sabores, mais de trinta. O mais recente é de nata, um dia teremos de tigelada”, diz Pedro Pina Ribeiro

A Gelataria Lis está no centro histórico de Abrantes desde 1976. Créditos: Lis

Recorde-se que o chef Fernando Correia é o representante oficial da Palha de Abrantes e embaixador da Doçaria Regional e Conventual Portuguesa, pelo Turismo de Portugal. Nos últimos anos, além deste gelado, criou diversos produtos de assinatura com Palha de Abrantes, como o Quindim, o Bombom, o Bolo-Rei e o Fardo Palha de Abrantes, doce também registado no INPI.

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome