Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Terça-feira, Setembro 21, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Gavião | Segredo do sucesso do turismo está no fim da sazonalidade, trabalho em rede e trabalhadores qualificados – Sec Estado do Turismo

A secretária de Estado do Turismo, Rita Mendes, visitou Gavião, no Alto Alentejo, numa altura em que a atividade turística revela números de crescimento em Portugal. Foram 27 milhões os “hóspedes” que procuraram o nosso País em 2019, sendo 20% o crescimento do turismo interno no Alentejo, região que conta atualmente com 36 percursos pedestres, um produto fechado com 58 municípios do Alentejo e Ribatejo. António Ceia da Silva, presidente da Entidade de Turismo, disse mesmo que Gavião “é o campeão dos percursos pedestres”. A importância do trabalho em rede, do fim da sazonalidade e o aumento do número de trabalhadores qualificados foram ideias chave que marcaram os discursos na Praia Fluvial de Alamal.

- Publicidade -

No ano passado, o número de “hóspedes” em Portugal atingiu os 27 milhões, ou seja mais 6,7% do que em 2018. Mas a percentagem de trabalhadores portugueses ligados ao turismo fica-se pelos 9%. Os números foram hoje revelados em Gavião por Rita Marques, secretária de Estado do Turismo, durante uma visita a equipamentos turísticos naquele concelho do Alto Alentejo. Na ocasião foram apresentados por António Ceia da Silva, presidente da Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo, o Guia dos Percursos Pedestres do Alentejo e o novo folheto do Percurso Arribas do Tejo, PR1, em Belver (Gavião).

Um percurso implementado no terreno há anos. A novidade passa “ por estar online através da Entidade Regional de Turismo e passa a integrar os 36 percursos” pedestres existentes no Alentejo, disse ao mediotejo.net o presidente da Câmara Municipal de Gavião, José Pio.

- Publicidade -

Ou seja, “é mais um disponível para todos os visitantes usarem”, acrescentou. O passadiço do Alamal integra esse percurso “restaurado após os incêndios, passou a ser acessível à mobilidade condicionada e é um modelo de bem fazer e de percorrer as margens do rio Tejo, com uma paisagem fantástica com o castelo de Belver sempre no horizonte”, referiu o autarca.

Visita da secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, a Gavião. Créditos: mediotejo.net

José Pio lembrou que o Turismo “é uma aposta fundamental” do Município. “Dispomos de paisagens espetaculares, temos uma freguesia que tem o único Museu do Sabão existente em Portugal, temos o castelo de Belver e somos um Município contrastante nas paisagens; um Alentejo diferente é a nossa marca e queremos cada vez mais implantá-la”, afirmou o autarca, sublinhando que Gavião “é a capital dos percursos pedestres e do turismo de natureza” em Portugal.

E para a secretária de Estado do Turismo “todos contam!”. O Turismo “é o resultado de uma equipa”, disse, justificando a importância de trabalhar em rede e a sua presença no terreno.

“Por repto” de Rita Marques “estamos a fazer alguns quilómetros” segunda e terça-feira “porque a secretária de Estado do Turismo “quis visitar a região […] preferiu vir ao terreno e conhecer o que se está a fazer” no âmbito das dinâmicas turísticas, reforçou Ceia da Silva.

Segundo a governante “é importante conhecer as coisas boas dos territórios e aquelas que ainda não foram construídas mas que gostavam de ser”. Isto porque “o turista precisa de uma oferta cada vez mais qualificada e em rede para que possa pernoitar mais tempo nos territórios” considerando esse o primeiro desafio do futuro do turismo no interior do País.

O segundo desafio passa pela sazonalidade. “Queremos que seja todo o ano e precisamos de trabalhar a questão da sazonalidade”. Contudo “os territórios que estão mais distantes de Lisboa e do Porto têm trabalhado muitíssimo bem”, considerou Rita Marques, dando ênfase ao turismo de natureza e ao turismo cultural.

Visita da secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, a Gavião. Créditos: mediotejo.net

A responsável indicou ainda que o Turismo conta com 9% de recursos humanos, uma “percentagem interessante” de trabalhadores no ativo, mas “porque o Turismo é um motor importante” da economia portuguesa “precisamos de mais gente a trabalhar no e para o Turismo, e cada vez mais qualificada”.

Para garantir essa “quantidade” e “qualificação” Rita Marques mencionou o papel de pais e educadores no sentido de “despertar” os jovens para as profissões ligadas ao Turismo, “valorizando-as”.

Rita Marques apelou a “ideias adequadas que possam criar riqueza e fixar gente deixando uma excelente impressão a quem nos visita”.

Por seu lado, Ceia da Silva deu conta dos números dizendo que o Alentejo “foi a região que mais cresceu em 2019, em dois itens muito importantes: turismo interno e os proveitos”.

Notou a importância da internacionalização mas destacou “uma aposta cada vez maior no turista português”. O Alentejo foi ainda região que mais cresceu “em proveitos, de janeiro a novembro” de 2019, subindo cerca de 17%, segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística.

O presidente falou no trabalho feito pela Entidade Regional de Turismo em parceria com as autarquias, de “estruturar produtos que possam ser vendidos”, referindo os 36 percursos no Alentejo. “Com esta malha fechamos 58 municípios em todo o Alentejo e Ribatejo com projetos de walking e fechamos 1400 quilómetros de Caminhos de Santiago”, mencionou, dando conta de uma “forma integrada” na realização dos percursos.

Assinatura do contrato de empreitada para a construção do parque de autocaravanas em Gavião. Créditos: mediotejo.net

António Ceia da Silva reiterou que Gavião “é o campeão dos percursos pedestres” graças a “uma paisagem fabulosa, com a natureza e o rio Tejo” que proporciona uma “envolvente fantástica”, tendo lembrado que a Rota da Lã “também vai passar por Belver” tal como “as questões associadas ao turismo literário e ao autocaravanismo”.

A esse propósito, no final da apresentação que decorreu no Alamal River Club, o Município de Gavião assinou o contrato de empreitada com uma empresa de Gavião – a Labronso & Filhos – Materiais De Construção, Lda – para a construção do parque de autocaravanas na Fonte Nova.

Gavião está entre os 27 municípios do Alentejo e Ribatejo que assinaram um contrato de financiamento para uma Área de Serviço de Autocaravanismo, a nascer em 2020, candidatura liderada pela Entidade Regional de Turismo do Alentejo/Ribatejo. Para Gavião o investimento ronda os 150 mil euros, com financiamento de 60%.

Trata-se de um projeto “integrado da Entidade Regional de Turismo que desafiou as câmaras todas a aderir. A Câmara Municipal de Gavião aderiu desde a primeira hora. Vamos ter um espaço na Fonte Nova, junto à Estrada Nacional 118 e Estrada 244 para 12 autocaravanas”, explicou José Pio.

O espaço contará com “zona de duche, zona de descanso, zona de despejos, grelhadores, água, eletricidade, internet e tudo aquilo que é necessário a um autocaravanista que quer permanecer um ou dois dias”, especificou.

José Pio considera que esta é uma infraestrutura necessária ao concelho. “Sentimos, sobretudo no verão, que na zona do Jardim do Cruzeiro há muitas autocaravanas a parar e a perguntar onde podem fazer despejos e onde se podem ligar à eletricidade no sentido de carregar todos os materiais”.

O presidente reconhece que Gavião é “uma zona de passagem mas com muito turismo” sendo por isso “necessário que o autocaravanista se sinta confortável. Se fica um dia já não é só de passagem e se calhar descobre interesses que o levam a ficar um bocadinho e fazer mais aquisições no comércio local, o que pode contribuir para algum desenvolvimento económico sustentável” do concelho.

Este projeto, liderado pela Turismo do Alentejo/Ribatejo e que envolve 27 municípios do Alentejo e Ribatejo, contempla a criação ou requalificação das infraestruturas existentes; o desenvolvimento de ações de identidade corporativa, a elaboração de conteúdos, design de suportes informativos; a aplicação em peças impressas e ferramentas web, bem como ações de divulgação, sensibilização e animação e a capacitação e coordenação.

A obra consignada esta segunda-feira, 10 de fevereiro, é para 90 dias. O presidente da Câmara confessa que “gostava” de ter a obra pronta no verão de 2020. “É mais uma infraestrutura de apoio ao eco-glamping que também espero que seja inaugurado nessa altura” ou seja, entre maio e junho.

Visita da secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, a Gavião. Créditos: mediotejo.net

Após uma curta caminhada de 300 metros pelo Passadiço do Alamal a comitiva que integrava a secretária de Estado do Turismo e outras individualidades visitou então o eco-glamping, em Cadafaz.

A cerimónia de lançamento da primeira pedra do eco-glamping “Gavião Nature Village” decorreu em abril de 2019. Glamping significa acampar com glamour e destina-se a quem quer contacto com a natureza sem as preocupações de montar a tenda, carregar o carro, ou dormir no chão com falta de espaço.

O projeto “Gavião Nature Village”, um equipamento turístico com capacidade para 150 pessoas, ocupa uma área de 42 mil metros quadrados, num investimento de 1,5 milhões de euros, financiado em 75% pelo Portugal 2020 (um milhão e 60 mil euros, 25% suportados por capitais próprios dos promotores Fernando Couteiro e Paulo Almeida).

O projeto engloba a existência de 10 bungalows – sete já em construção -, 13 tendas glamping, área de campismo livre para 14 tendas, spa e piscina também já construída, restaurante, loja regional, espaço para animais, retiros, campo de jogos tradicionais, eventos e reuniões empresariais/team building, bem como todas as potencialidades em termos de atividades de lazer/desporto como canoagem, passeios pedestres, cicloturismo, yoga, são alguns dos pontos-chave da oferta para esta nova unidade turística.

Daquele lugar a vista é privilegiada, vendo-se vigilante o castelo de Belver, e aos seus pés passa o rio Tejo, também próximo ao ex-libris do concelho, a Praia Fluvial do Alamal. A vila de Gavião também fica logo ali, a cerca de dois minutos de carro.

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome