Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Domingo, Outubro 24, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Gavião | Observatório de Avifauna do Outeiro recuperado e visitável

Com a conclusão das obras de recuperação do Observatório de Avifauna do Outeiro, o concelho de Gavião encerra “um ciclo dramático” dos incêndios de 2017 responsáveis pela danificação de várias infraestruturas e equipamentos municipais, nomeadamente turísticos. O presidente da Câmara Municipal, José Pio (PS), em declarações ao mediotejo.net, destacou ainda a limpeza da charca da Teixogueira, um investimento na ordem dos 23 mil euros.

- Publicidade -

Depois da recuperação do Passadiço da Praia Fluvial do Alamal, com a concretização da obra no Observatório de Avifauna do Outeiro, instalado numa arriba do rio Tejo, encerra-se “um ciclo dramático” dos incêndios de 2017, responsáveis pela danificação de várias infraestruturas e equipamentos municipais, nomeadamente turísticos.

A infraestrutura “está praticamente concluída, já está visitável” garantiu ao mediotejo.net o presidente da Câmara Municipal, José Pio. “Faltam pormenores como a placa explicativa dos animais a observar e da localização. Desapareceu com o fogo mas será reposta dentro de 15 dias”, indicou.

- Publicidade -

Esta intervenção no Observatório, cuja estrutura é em madeira por impositivo legal, tem um custo de 45 mil euros, comparticipado em 60%, um apoio financeiro do Fundo de Emergência Municipal (FEM). “O restante sai do orçamento municipal”, acrescentou o autarca.

A par da recuperação do Observatório de Avifauna do Outeiro decorre a limpeza da charca da Teixogueira num investimento na ordem dos 23 mil euros. O que completa “na integra a recuperação de todas as infraestruturas municipais que foram atingidas pelos incêndios”, nota José Pio. A charca da Teixogueira é um ponto de água para o combate dos incêndios na freguesia de Belver.

O Observatório de Avifauna do Outeiro situado entre a paisagem deslumbrante do Tejo permite uma ampla vista sobre o vale do maior rio português, localizado junto à localidade de Outeiro. Apresenta várias formações rochosas e fragas, apreciadas pelas aves de rapina para nidificar.

Conta com diferentes habitats distintos, entre eles: matos, zonas húmidas (cursos de água), áreas rochosas (falésias/fragas rochosas), zonas artificiais (terra arada; plantações florestais).

Distancia cerca de 30 quilómetros a jusante da IBA (Important Bird Area) de Portas de Ródão e Vale do Mourão. Este sítio alberga a maior colónia de Grifo exclusivamente em território nacional e também outras espécies rupícolas ameaçadas, como a Cegonha-preta e a Águia Perdigueira.

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome