Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quarta-feira, Outubro 20, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Gavião | Homenagem aos habitantes de Comenda em fotobiografia de uma aldeia alentejana

Na verdade trata-se de uma trilogia. Três livros sobre a Comenda e as suas gentes. O primeiro ‘Comenda com Alma’ muito ficcionado, obteve tanto sucesso que levou Jorge Branco a escrever uma segunda obra apresentada publicamente, este sábado, 1 de setembro, no Centro Paroquial e Comunitário da Comenda, no concelho de Gavião. O autor é médico, mas desde cedo aliou à prática médica o gosto pela escrita. Jorge Branco lança uma ‘Fotobiografia de uma Aldeia Alentejana’ com a chancela da Colibri. ‘Comenda com Gente’ é um livro com 40 entrevistas, pessoas da terra e muitas histórias agora registadas. O próximo livro? Talvez daqui a dois anos.

- Publicidade -

Além de um registo histórico, o livro ‘Comenda com Gente – Fotobiografia de uma Aldeia Alentejana’ é também uma homenagem “aos atuais habitantes da Comenda que aí labutam e resistem ao tempo” em 562 páginas, conta com prefácio de Francisco Louçã e é uma das poucas iniciativas, no distrito de Portalegre, inserida no Ano Europeu do Património Cultural.

Em setembro de 2015, Jorge Branco deu “ao prelo ‘Comenda com Alma’”, escreve o autor na nota de apresentação. Por culpa dos seus conterrâneos, o lançamento desse livro “foi um pequeno sucesso. Trata-se de um livro de memórias, muito ficcionado, mas que agradou aos leitores”.

- Publicidade -

Logo a seguir, alguns familiares lançaram-lhe o desafio de escrever um livro de memórias da freguesia com o contributos dos seus avós. Foi assim que nasceu a ideia que deu corpo a ‘Comenda com Gente – Fotobiografia de uma Aldeia Alentejana’ apresentada, esta sábado, no Centro Paroquial e Comunitário da Comenda, no concelho de Gavião.

O médico Jorge Branco, autor da obra ‘Comenda com Gente’ durante a apresentação do livro na Comenda. Gavião

Jorge Branco gravou trinta e nove entrevistas a comendenses e ficcionou outra, de sua mãe, perfazendo 40. Trata-se de conversas com pessoas idosas da freguesia, ou seja, “memórias de mulheres e homens em relação às suas vivências, ao longo dos últimos setenta, oitenta, noventa anos: experiências de vida que corriam o risco de se perder”, explica o autor.

O trabalho de campo foi realizado em 2016 e 2017 e tiveram a palavra comendenses dos cinco cantos da freguesia da Comenda: Castelo Cernado, Vale da Feiteira, Ferraria, Vale de Junco e Vale de São João. Para a realização do projeto, os entrevistados disponibilizaram documentos pessoais, além de fotografias.

Por isso, a obra contempla um acervo fotográfico que a ilustra. Este “álbum” foi da responsabilidade de Ricardo Branco, filho do autor, que o concretizou provando que “as imagens valem mais que mil palavras”. No processo de digitalização dessas fotografias o autor contou com a colaboração da Torre do Tombo.

Apresentação do livro ‘Comenda com Gente’

Aliás, do trabalho de Ricardo Branco, em colaboração com a Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas (DGLAB), do Arquivo Nacional da Torre do Tombo, bem como do Arquivo Distrital de Portalegre, resultou o Arquivo Digital e Imaterial da Comenda, o qual reúne documentos de valor arquivístico, oriundos de múltiplos espólios privados.

Além disso, Jorge Branco contou também com a ajuda de Miguel Profírio que acrescentou às personagens dessas histórias reais “uma perspetivava longitudinal. Situando-as no tempo com as suas origens e a sua parentela” elaborando árvores genealógicas.

Apresentação do livro ‘Comenda com Gente’ na Comenda, concelho de Gavião

Para lá do critério etário, o autor procurou representar toda a população residente na Comenda da primeira metade do século XX: assalariados rurais; agricultores; empresários; comerciantes; operários da Indústria Florestal do Alto Alentejo, fábrica de parquet de madeira de azinho e sobro que laborou na freguesia entre 1964 e 1984; costureiras; alfaiates, padeiros; além de alguns, poucos, licenciados dessa época.

Na tarde deste sábado, no fim de semana das festas em honra de Nossa Senhora das Necessidades, o Centro Paroquial e Comunitário da Comenda encheu para a apresentação do livro que contou com a presença e intervenções do presidente da Câmara de Gavião, José Pio, do presidente da Junta, Carlos Alexandre, de Miguel Porfírio (como colaborador do projeto), da diretora do Arquivo Distrital de Portalegre, Sandra Chaves, de Manuel Morais (como moderador), do diretor do Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Silvestre Lacerda, e Fernando Mão de Ferro das Edições Colibri.

Sala cheia, na apresentação do livro ‘Comenda com Gente’ no Centro Paroquial e Comunitário da Comenda

É um livro “bastante importante para a freguesia da Comenda” considerou Carlos Alexandre, por “registar as memórias de um povo, para que não se percam no tempo e possa inspirar para o futuro”. O autarca aproveitou a oportunidade para se manifestar preocupado com a demografia e com o despovoamento no interior do País.

“Se nada for feito daqui a 30 anos seremos cerca de metade da população atual. É urgente alterar esta tendência”, afirmou.

Por seu lado, o presidente da Câmara, José Pio, considerou a obra “absorvente, estimulante e apaixona-nos. Trinta e nove histórias de vida, que nos permite uma leitura agradável. Quando começamos uma história não descansamos enquanto não a terminamos”, garantiu.

Para o editor, Fernando Mão de Ferro este livro sobre as gentes da Comenda “é um dos mais interessantes” que alguma vez publicou. “Já lá vão quase 30 anos e cerca de três mil títulos. Porque é feito com alma e coração de alguém que tem um amor inquestionável pela sua terra e pelos seus conterrâneos. Um livro de tal forma envolvente que conseguiu juntar amigos e família no sentido de colaborarem ativamente para fazer este trabalho”.

O padre Cristiano toca acordeão durante a apresentação do livro ‘Comenda com Gente’ no concelho de Gavião

Fernando Mão de Ferro vê neste livro “cerca de 200 anos de história da Comenda”. E referiu-o como exemplo para que outras pessoas se envolvessem neste tipo de pesquisa, num País com um interior cada vez mais desertificado. “A história não é feita só de reis e de rainhas mas de pessoas simples. E este é um momento histórico muito importante”.

Já Silvestre Lacerda destaca que ‘Comenda com Gente’ dá voz a quem não tem voz. Uma obra que “consegue juntar numa mesma publicação três livros diferentes” falando da qualidade gráfica, do arquivo fotográfico e das intervenções de cada um dos entrevistados e das pessoas também presentes nos seus relatos.

O terceiro livro, a publicar dentro de dois anos terá como titulo provável ‘Comenda com História’, tratando-se de uma “monografia da aldeia, com aspeto histórico mas também etnográfico e de tradições” explicou Jorge Branco ao mediotejo.net, que “já tem a recolha do material em bruto. O livro está grosso modo delineado”, disse.

Veja o vídeo com a entrevista:

Gavião | Apresentação do livro "Comenda com Gente" na Comenda. O médico e autor da obra, Jorge Branco, fala ao mediotejo.net deste livro e do próximo a lançar dentro de dois anos.

Publicado por mediotejo.net em Sábado, 1 de Setembro de 2018

‘Comenda com Gente’ contou com o patrocínio da Câmara Municipal de Gavião, da Junta de Freguesia da Comenda e da Direção Regional de Cultura do Alentejo. Durante a apresentação do livro, o público presente no Centro Paroquial e Comunitário da Comenda foi contemplado com momentos musicais, nomeadamente do Orfeão da Comenda – Estrela da Planície, e de poesia.

Atuação do Orfeão da Comenda na apresentação do livro ‘Comenda com Gente’

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome