Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quarta-feira, Dezembro 1, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Futsal | Sporting venceu mas sofreu perante um Eléctrico com alma e qualidade (c/fotos e áudio)

ELÉCTRICO FUTEBOL CLUBE 1 – SPORTING CLUBE DE PORTUGAL 4
Liga Placard – Fase Regular – 6ªjornada
Pavilhão Municipal de Ponte de Sor
06-11-2021

- Publicidade -

Foi em ambiente de festa, com o Pavilhão Municipal de Ponte de Sor lotado de adeptos adornados de verde e branco, cor de ambas as equipas, que o Eléctrico se preparou para a receção ao campeão nacional e europeu Sporting.

A equipa de Nuno Dias vinha avisada das dificuldades que os alentejanos sempre criam aos favoritos quando jogam no seu reduto. Já na segunda jornada o candidato Benfica havia deixado aqui os três pontos. O Sporting, apesar de derrotado no Fundão à quarta jornada, é o atual campeão  nacional e europeu e um adversário de respeito para qualquer equipa.
Com as equipas a jogarem a meio da semana, os lisboetas receberam e venceram os Leões de Porto Salvo enquanto os pontessorenses arrancavam um empate no reduto do Candoso.

- Publicidade -

Ambiente de festa no Municipal pontessorense.

O Sporting quis colocar-se a salvo de alguma surpresa desagradável e, com uma entrada muito forte, cedo tomou de assalto a baliza de André Correia. Logo no segundo minuto Cavinato rematou forte com a bola a não passar longe.

De seguida foi João Matos a rematar em zona frontal e um defensor dos alentejanos quase introduz a bola na sua baliza, cedendo canto. João Matos conduzia as investidas dos “leões” e seria a ele a abrir a contagem. Aos quatro minutos Zicki, no lado direito do seu ataque, assistiu o seu capitão no segundo poste e João Matos desviou para dentro da baliza.

João Matos (9) abriu a contagem.

O Sporting começava cedo a tornar fácil o jogo para alegria dos muitos adeptos presentes.
No recomeço, o guarda redes do Eléctrico teve uma excelente iniciativa individual, subiu na quadra e rematou forte obrigando Guitta a defesa apertada.

Era agora o Ponte de Sor a correr atrás do prejuízo e aos seis minutos Célio Coque obrigou Guitta a aplicar-se. Na resposta Waltinho esteve à beira de fazer o segundo golo para o Sporting. André Correia, em grande forma, defendeu sobre a linha fatal.

Aos oito minutos, um roubo de bola de Pauleta permitiu o conta ataque dos lisboetas, em vantagem numérica, que isolou Waltinho na esquerda com este a rematar para fora.

Sporting podia ter ampliado a vantagem mas o guarda redes André Correia esteve enorme.

No minuto seguinte foi o Eléctrico a contra atacar com perigo. Ygor Mota não aproveitou, decidindo mal, rematando ao lado com colegas em boa posição.

Entretanto chegava-se a meio do primeiro tempo com John Lenon a ver a cartolina amarela na segunda falta da equipa da casa. Cavinato, assistido por Merlim rematou forte para grande defesa de André Correia. Na recarga o jovem guarda redes voltou a superiorizar-se a Merlim.

André Correia impediu o avolumar do resultado.

O guarda redes do Eléctrico cotava-se por esta altura como o melhor em campo e ia adiando o avolumar do resultado com defesas de “encher o olho”…

Aos 12 minutos, Erick viu Zicky em boa posição na área, endossou-lhe a bola e este, com tudo para marcar, permitiu a defesa de André Correia.

Dois minutos volvidos foi de novo Merlim a testar as capacidades de André e o guarda redes voltou a mostrar predicados de internacional. Ao quarto de hora, depois de João Freitas Pinto, técnico da equipa da casa, pedir uma pausa técnica, João Matos disparou forte mas por cima.

Técnico do Eléctrico indica o caminho da baliza sportinguista.

Aos 18 minutos foi a vez do treinador dos campeões nacionais, Nuno Dias, pedir uma pausa para afinar estratégias. No recomeço, John Lenon, com um bom trabalho, tirou o marcador direto da jogada, rematou forte mas ao lado.

Logo no minuto seguinte foi Ferrugem a testar o seu compatriota Guitta e este respondeu com uma enorme defesa. O primeiro tempo esgotou-se com a amostragem da cartolina amarela a dois jovens sportinguistas: Erick e Miguel Ângelo.

O resultado ao intervalo era aceitável podendo ambas as equipas terem obtido mais golos. Os guarda redes foram figuras de proa nestes primeiros vinte minutos. Domínio dos lisboetas com os pontessorenses a subirem bem na quadra mas o Sporting a não dar veleidades aos alentejanos.

Ajustava-se a vantagem dos lisboetas ao intervalo.

No recomeço Merlim tem um bom trabalho, fazendo uma diagonal interior e rematando ao lado. Na resposta do Eléctrico, o remate de Matheus teve o mesmo destino. Prometia este segundo tempo.

Aos 24 minutos Ygor Mota tentou tirar partido duma perda de bola do Sporting mas demorou e permitiu que a defensiva se recompusesse. Grande perdida para a equipa da casa. O Eléctrico parecia disposto a inverter a tendência do marcador e logo a seguir, na sequência dum livre, Airoso encontrou espaço para rematar para nova defesa de Guitta.

Na sequência do canto, Daniel Airoso redimiu-se após um companheiro ter falhado o desvio. Rematou colocado, fora do alcance de Guitta, e empata a partida aos 24 minutos.

Daniel Airoso empatou para o Eléctrico.

A alegria das hostes da casa foi sol de pouca dura. No recomeço, através da marcação dum livre, Cavinato rematou contra a barreira e o seu compatriota Merlim, solto de marcação, rematou e colocou o Sporting de novo na frente do marcador.

O Eléctrico não se acomodou e, depois de Russo obrigar Guitta a aplicar-se, Hugo Neves acertou no poste da baliza leonina. Entretanto o Sporting fez a quinta falta aos 27 minutos o que obrigou a cuidados acrescidos para não se expor a livres da marca dos dez metros.

O melhor antídoto são os golos e Caio Ruiz cruzou largo para finalização perfeita de Waltinho. O mesmo Waltinho iria bisar na partida no minuto seguinte, rematando entre dois defensores com o guarda redes André a não ficar muito bem na foto. Num  minuto o jogo ficava praticamente decidido.

Waltinho bisou e o resultado tornou-se robusto.

A perder 1-4 aos 28 minutos de jogo, o técnico da equipa da casa parou o ímpeto sportinguista ao pedir uma pausa técnica. No recomeço, Caio Ruiz disparou à malha lateral mas pelo lado de fora.

O Eléctrico procurou minimizar o resultado robusto e reduzir a expressão do marcador, que era era muito pesado para o que se passava na quadra. John Lennon obrigou Guitta a trabalho de qualidade e aos 33 minutos o pivot pontessorense Hugo Neves teve duas boas ocasiões. Primeiro saiu-lhe ao caminho o “gigante” Guitta, que lhe tapou os caminhos da baliza, e depois, em boa posição, rematou ao lado.

Dificuldades esperadas para o Sporting em Ponte de Sor.

Aos 34 minutos foi a vez de Russo colocar Guitta à prova e o guarda redes defendeu para canto. Entretanto Nuno Dias parava o encontro, dando indicações de como travar o enorme assédio dos alentejanos nesta fase da partida em que imperava a ‘Alma Eléctrico’.

No recomeço, Ferrugem rematou cruzado para nova intervenção de Guitta que voltou a brilhar logo de seguida a remate de Hugo Neves. Na resposta foi Pauleta a desperdiçar, rematando para fora. Com dois minutos para jogar, o Eléctrico ainda apostou no 5×4 com Russo como guarda redes avançado, mas sem resultados práticos.

Bons momentos de futsal.

Com o marcador a assinalar 1-4 chegou o final dum encontro que teve no Sporting um justo vencedor. Boa resposta do Eléctrico que ainda incomodou quando Daniel Airosa empatou mas foi sol de pouca dura. A sorte não estava do lado da equipa de João Freitas Pinto que deve orgulhar-se da postura dos seus jogadores, que nunca viraram a cara à luta. Brilharam os guarda redes a grande altura impedindo que houvessem mais golos.

Boa arbitragem dos gémeos Cristiano e Rúben Santos. O Sporting chegou ao segundo lugar na Liga Placard, conjuntamente com o Benfica, e o Eléctrico reparte o quarto lugar com Azeméis e Quinta dos Lombos.

Jogo interessante com boa arbitragem.

Ficha do jogo:

ELÉCTRICO FUTEBOL CLUBE:
André Correia, Ferrugem, Matheus, Ygor Mota e Russo.
Suplentes: Diogo Basílio, Peixinho, Gustavo Rodrigues, Célio Coque, Daniel Airoso, Hugo Neves e John Lennon.
Treinador: João Freitas Pinto.

Eléctrico Futebol Clube.

SPORTING CLUBE DE PORTUGAL:
Guitta, João Matos, Erick, Cavinato e Merlim.
Suplentes: Bernardo Paçó, Luís Correia, Tomás Paçó, Tiago Macedo, Pauleta, Caio Ruiz, Miguel Ângelo, Zicky e Waltinho.
Treinador: Nuno Dias.

Sporting Clube de Portugal.

GOLOS:
Daniel Airoso (Eléctrico); Waltinho [2], João Matos e Merlim (Sporting).

EQUIPA DE ARBITRAGEM:
Cristiano Santos e Rúben Santos (AFPorto).
Cronometrista: José Moreira (AFPorto).

Equipa de Arbitragem: Cristiano Santos e Rúben Santos com os capitães.

No final ouvimos o técnico do Eléctrico:

JOÃO FREITAS PINTO (Eléctrico)

João Freitas Pinto é o novo treinador do Eléctrico de Ponte de Sor para a época desportiva 2021_2022. Foto: Eléctrico.

Em declarações à SporTV o treinador do Sporting Clube de Portugal analisou a partida:

NUNO DIAS (Sporting)

Nuno Dias-Treinador do Sporting.

“Mais um jogo difícil, à imagem do que aconteceu na quarta-feira em Porto Salvo. Um jogo duro em que a equipa do Eléctrico FC nos obrigou a baixar linhas e a ser mais unidos a defender. Gerimos 14 minutos com cinco faltas contra uma equipa com qualidade, que tem um contra um e que coloca bolas no pivô o tempo todo. Baixámos e até foi em lances de contra-ataque conseguimos ampliar [o resultado]. O jogo foi difícil e 1-4 não espelha a dificuldade que tivemos. É importante ganhar, como é óbvio, e hoje era importante outra coisa que se notou: o caráter dos jogadores, que se uniram quando o jogo estava difícil para nós”, começou por dizer à Sport TV na zona de entrevistas rápidas, comentando depois o momento que o Sporting CP está a atravessar tendo em conta o elevado número de jogos.

“Jogos da Champions, jogo na quarta-feira… É muito jogo. É pouco treino de preparação e muito treino de recuperação. Isso não nos permite jogar como nós gostamos nem ter a intensidade que gostaríamos. Mas as regras são assim e temos de nos preparar para elas. Ainda assim, há muito tempo que treino e nunca tinha passado por uma situação em que os jogadores não fizeram pré-época connosco, chegaram rebentados, não treinaram e há muitos jogos. Mas temos de continuar a ganhar e pontuar aqui, na Champions e onde quer que seja. Mas é bom sinal”, lembrou.

* Com David Belém Pereira (fotos).

Nasceu a 30 de Janeiro de 1961 em Lisboa e cresceu no Alentejo, em Santiago do Cacém. Dali partiu em 1980 para ingressar no Exército e no Curso de Enfermagem. Foi colocado em Santa Margarida e por aqui fez carreira acabando por fixar-se no Tramagal em 2000. A sua primeira ligação à Vila "metalúrgica" surge em 1988 como Enfermeiro do TSU. Munido da sua primeira câmera digital, em 2009 e com a passagem à situação de reserva, começou a registar a fauna do Vale do Tejo, a natureza e o património edificado da região, as ruas, as pessoas... Com colaborações regulares em jornais da região e nacionais este autodidata acaba por conseguir o reconhecimento público, materializado em alguns prémios. Foi galardoado na 8ª Gala de Cultura e Desporto de Tramagal na categoria de Artes Plásticas (Fotografia) em 2013.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome