Futsal: Patos vencem em jogo de “roer as unhas” e corações fortes (com áudio)

Pego, 22 de outubro de 2016, 17 horas

PUB

Campeonato Nacional da 2ª Divisão de Futsal

Série D – 5ª jornada

PUB

Clube Desportivo “Os Patos” 4 – Associação Desportiva e Recreativa da Mata 3

Nesta receção a um dos líderes da Série D do Nacional da 2ª Divisão de Futsal, a equipa d’ “Os Patos” que vinha de uma derrota em Pombal, voltava a entrar na “quadra” desfalcada, não podendo contar com duas das suas peças mais influentes, Apura e Alexis, e com alguns jogadores com alguns problemas físicos, Oliveira, Moura e André Santos.

PUB

Nos primeiros vinte minutos a formação de Rossio ao Sul do Tejo denotou algumas dificuldades em conseguir sair com critério para o ataque, muito por culpa da pressão exercida pelo adversário. A equipa de Leiria apresentou-se muito subida no terreno, tirando espaço e tempo de raciocínio aos donos da casa. Muitas vezes assistimos a bolas pontapeadas para a frente ou para fora, por não serem capazes de aplicar as transições ofensivas. Ainda assim, quando o conseguiam criavam perigo, tanto que os primeiros a marcar foram mesmo os visitados. Jogada de insistência e pressão ofensiva dos Patos, Oliveira recupera a bola junta à linha lateral do lado direito, coloca na área em Moura e o jovem jogador dos Patos, na cara de Sílvio, atira a contar.

Moura dá bom seguimento ao excelente trabalho de Oliveira. O 10 dos Patos recupera sobre um adversário e coloca Moura na cara do guardião contrário
Moura dá bom seguimento ao excelente trabalho de Oliveira. O 10 dos Patos recupera sobre um adversário e coloca Moura na cara do guardião contrário

Antes, logo no primeiro minuto, aproveitando o adiantamento de guardião da Mata, Fábio Pereira à saída da sua área faz o chapéu, mas a barra e o guardião evitam o golo. Aos 8′ Nino com tudo para ser feliz, vê André Martins parar-lhe o remate para golo.

Nino não consegue fazer o primeiro do jogo
Nino não consegue fazer o primeiro do jogo

Nos últimos três minutos do primeiro tempo, a equipa do concelho de Abrantes começa a ter algumas desconcentrações defensivas, sofrendo dois golos em trinta segundos. O empate surge numa reposição lateral, em que Mica ganha algum espaço e com um remate enrolado faz o golo. Logo em seguida foi Put, que a meias com um defesa atira para a reviravolta no marcador, concluindo da melhor forma uma jogada delineada pela direita do ataque forasteiro.

Ao intervalo o resultado de 1-2, aceitava-se pelo que as equipas tinham demonstrado.

Na etapa complementar entra melhor a equipa visitante, mas não consegue dilatar a vantagem, muito por culpa de André Martins que começava a carimbar exibição de grande qualidade. Não marcou a Mata, marcou os Patos. Para sacudir a pressão da equipa da casa, a ADRM tenta sair para o ataque com o guarda-redes a avançar no terreno, mas a construção da jogada sai mal, aproveitando Oliveira para captar um passe e rematar para a baliza fazendo o empate.

Este lance acabaria por ser decisivo no desfecho do jogo. A equipa visitante, a vencer, não precisava de arriscar tanto. Arriscou, deu-se mal, dando a oportunidade do adversário se galvanizar com o golo conseguido, partindo para a procura da vitória. Eram decorridos 6′ minutos da segunda parte, 26 de jogo, e até aos últimos 5 minutos, o domínio é inteiro dos Patos, tendo Nuno Veiga, com uma paragem técnica, tentado alterar o rumo dos acontecimentos mas não foi possível, porque os Patos estavam em momento de grande confiança.

Nuno Veiga tentou arranjar antidoto para parar os Patos, mas viu mesmo a sua equipa ficar em desvantagem.
Nuno Veiga tentou arranjar antídoto para parar os Patos, mas viu mesmo a sua equipa ficar em desvantagem.

A dez minutos para o fim duas perdidas seguidas dos Patos, não deu para a “cambalhota” no marcador, mas isso viria a acontecer nos dois minutos seguintes. André Santos, na área, com pouco ângulo, descaído para a esquerda, remata cruzado e faz um golo de belo efeito, embora nos parecesse que Sílvio podia ter feito mais. Em seguida, os Patos beneficiam de um canto, trabalham bem a marcação do mesmo, mostrando trabalho de casa, e Ricardo Felício, num remate forte que ainda teve a ajuda do poste, coloca os rossienses a vencer por dois golos.

Parecia tudo encaminhado para um final de partida tranquilo, mas a cinco minutos do fim, numa perda de bola de André Santos, quando tentava sair para o ataque, dá azo a um golo fácil para os azuis que assim voltaram a ganhar animo para entrar na disputa dos pontos. Foram cinco minutos de sofrimento, com os Patos a terem que mostrar muita entreajuda e espírito de sacrifício para garantir os três pontos. O assédio à sua baliza foi grande, a Mata jogou todo o restante tempo com guarda-redes avançado, mas o bloco defensivo manteve-se coeso, contando com um André Martins que com um punhado e boas intervenções deu toda a confiança aos seus companheiros de equipa e com Hélder Rodrigues no banco a gizar um esquema defensivo perfeito.

Uma das muitas excelentes intervenções de André Martins. Aqui em voo evita que a bola entrasse ao campo superior da sua baliza
Uma das muitas excelentes intervenções de André Martins. Aqui em voo evita que a bola entrasse ao campo superior da sua baliza
Hékder Rodrigues distribuiu bem os seus homens em campo para parar o 5 para 4 do adversário.
Hékder Rodrigues distribuiu bem os seus homens em campo para parar o 5 para 4 do adversário.

No fim dos quarenta minutos a vitória do CD “Os Patos” é um resultado certo. Embora na primeira, a equipa da Mata tivesse sido superior, não conseguiu aproveitar o domínio para fazer o que os Patos fizeram no segundo tempo, ganhar uma vantagem superior a um golo, que desse algum conforto. No segundo tempo os comandados de Hélder Rodrigues tiveram dez minutos de grande qualidade em que marcaram três golos, dando a volta em definitivo ao resultado, deixando no ar que quando o grupo estiver todo completo têm valor suficiente para garantir o lugar nesta divisão. Destaque neste jogo para a exibição de André Santos. Embora não tenha estado bem no lance que deu o terceiro golo aos visitantes, foi o motor da equipa dos Patos e quando não está em campo a sua ausência é notada.

André Santos
André Santos

A dupla de arbitragem não ficou imune a erros, mas não teve influência no resultado e conduziu o jogo com tranquilidade. Trabalho positivo.

Ficha do jogo

Pavilhão Municipal do Pego

Árbitros: Manuel Carinhas e Fernando Serras

Cronometrista: Luís Janeiro

_mg_0137
Fernando Serras, Manuel Carinhas e Luís Janeiro

CD “Os Patos”

Cinco inicial: André Martins, Miguel Prates, Fábio Santos, Ricardo Felício e André Santos

Suplentes: Vitor Cartaxo, Dani, PP, Oliveira, Gonçalo Santos, Dito, Diogo Moura e Diogo Duarte

Treinador: Hélder Rodrigues

CD "Os Patos"
CD “Os Patos”

ADR Mata

Cinco inicial: Sílvio, Put, Fábio, Peugeot e Rui Pereira

Suplentes: Pité, Afonso, Joel, Mica, Ruizinho, Miguel e Nino

Treinador: Nuno Veiga

ADR Mata
ADR Mata

Cartão amarelo: Dito (28′)

Marcadores: Diogo Moura (14′), Oliveira (26′), André Santos (31′) e Ricardo Felício (32′) ; Mica (17′), Put (18′) e Nino (35′)

A opinião do treinador:

Hélder Rodrigues (Os Patos)

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here