Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Segunda-feira, Outubro 18, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Futsal | “Os Patos” perdem com Marítimo em dia de estreia do novo piso do Municipal do Pego (c/fotos e áudio)

CLUBE DESPORTIVO “OS PATOS” 2 – MARÍTIMO DA MADEIRA 6

- Publicidade -

Campeonato Nacional da 2ª divisão / Série E / 11ª jornada

Pavilhão Desportivo Municipal do Pego

- Publicidade -

22-12-2018

Candidato insular não deu grande chances aos abrantinos.

Perante um adversário que luta pela subida de divisão e com melhores argumentos, foram poucas as hipóteses de “Os Patos”, embora os rossienses tenham mostrado uma boa atitude num dia que ficou marcado pela estreia do novo piso de Pavilhão Desportivo Municipal do Pego.

Entraram melhor os funchalenses a marcarem o primeiro logo aos 3 minutos por Anderson Ribeiro.

Bastante cientes do objectivo a que se propõem, os insulares cedo se adiantaram no marcador, aos três minutos de jogo, por intermédio de Anderson Ribeiro numa jogada bem desenhada pelos insulares. Ficaram logo aí patentes as dificuldades que a formação do concelho de Abrantes iria ter ao longo do jogo, pese embora a entrega dos seus atletas na tentativa de contrariar o assumido favoritismo dos contrários.

À passagem do minuto oito, Pedro Silva, de cabeça e de costas para a baliza, atira ao bico esquerdo da baliza de “Os Patos”, o que seria um grande golo.

A equipa local dispôs de boas ocasiões, principalmente em lances de bola parada que não aproveitou.

Mas o segundo não tardou e Luís Marques, ao minuto 11, ampliou a vantagem numa altura em que os locais procuravam relançar a partida. Tal parecia acontecer pois, após algumas investidas e depois de uma sequência de bolas de canto, Fábio Pereira reduziu e incentivou a equipa a acreditar que seria possível fazer melhor.

A irreverência de Fábio Pereira valeu-lhe um golo numa altura em que ainda havia esperanças.

Mas durou pouco a esperança porque apenas um minuto depois os funchalenses marcam o seu terceiro, desta feita por Pedro Silva que aproveita uma descompensação defensiva dos homens da casa numa altura em que estes ainda estariam a pensar no seu tento.

Cederam espaços proibidos ao atleta adversário e isso foi fatal. Duro golpe para “Os Patos” que, no espaço de apenas um minuto, voltam a ter dois golos de desvantagem, resultado com que se atingiu o intervalo.

Os dois conjuntos tiveram ainda várias ocasião para fazer rolar a marcha do marcador, com especial destaque para Fábio Pereira, que ainda atirou forte mas à base do poste direito da baliza à guarda de Manuel Rego. Talvez a diferença mínima fosse o mais acertado ao intervalo, mas previam-se grandes dificuldades no segundo tempo para os locais.

Com melhores “armas” e outras ambições, o Marítimo acabou por construir um resultado robusto.

Talvez temendo algum atrevimento de “Os Patos” no segundo tempo, a palestra do descanso da parte de Roger Filipe foi eficaz e trataram de “matar” a partida no espaço de três minutos com Oseias Júnior e o capitão Anderson Ribeiro a definirem o seu espaço aos 27 e 30 minutos, respetivamente.

Por esta altura, “Os Patos” não conseguiam respirar, as forças físicas e anímicas já não eram as mesmas e o Marítimo chegou à meia dúzia de golos aos 33 minutos por Hugo Lima. O jogador do Marítimo teve tempo para tudo e esperou pela saída de Bruno Barrento de entre os postes para “fechar” as contas da sua equipa.

Na primeira parte do jogo, “Os Patos” ainda deram trabalhos aos maritinistas.

Com o resultado mais que feito, os insulares geriram o jogo até final, dando minutos a atletas menos rodados sem, contudo, perderam o sentido de baliza. O guardião da casa foi efetuando belas defesas conseguindo que a sua baliza não mais fosse violada.

“Os Patos”, mesmo sabendo que já não atingiriam o objectivo, nunca baixaram os braço e (já no último minuto) André Santos marca o segundo dos locais para, pouco depois, soar a campainha de final da partida.

O Marítimo da Madeira fez valer a sua condição de candidato à subida de divisão.

Jogo desequilibrado em termos de resultado, mas em que os rossienses, apresentando jogadores menos traquejados que os insulares, fizeram o suficiente para não terem chegado ao fim com um resultado tão desnivelado. É verdade que o Marítimo dispôs de muitas mais ocasiões para marcar (paradas difíceis, mas de bom nível de Bruno Barrento), mas também os rossienses podiam ter apontado mais tentos, pois criaram boas ocasiões para tal.

FICHA DO JOGO:

CLUBE DESPORTIVO “OS PATOS”:
Bruno Barrento, Fábio Neves, Ricardo Felício, André Santos, Eduardo Fonseca, Ricardo Barata, David Apura (cap.), Vasco Bioucas, Diogo Moura, Fábio Pereira, Duarte Catarino, João Leitão e Rúben Ferreira.

Treinador: Hélder Rodrigues.

MARÍTIMO DA MADEIRA:

Titulares: Manuel Rego, Gonçalo Jesus, Vlademir Oliveira, Anderson Ribeiro (cap.), Rafinha, Luís Marques,  Luís Rodrigues, Oseias Júnior, Fábio Almeida, Hugo Lima, Pedro Silva e Filipe Anazário.

Treinador: Roger Filipe.

GOLOS: Fábio Pereira e André Santos (“Os Patos”); Anderson Ribeiro (2), Luís Marques, Pedro Silva, Oseias Júnior e Hugo Lima (Marítimo).

EQUIPA DE ARBITRAGEM:
Fernando Serras, Paulo Estrada, Renato Dias (cronometrista) e Hélder Correia (observador).

Arbitragem segura (os jogadores também ajudaram) numa receção simpática de “Os Patos” ao Marítimo, uma equipa que luta por outros objectivos, como disseram ambos os técnicos, em exclusivo ao mediotejo.net:

Roger Filipe, técnico do Marítimo.

 

Hélder Rodrigues, técnico de “Os Patos”.

Novo piso abre portas a iniciativas desportivas e culturais de maior visibilidade nacional e internacional

Este foi o dia em que “Os Patos” e o Marítimo da Madeira estrearam o novo piso do Pavilhão Desportivo Municipal do Pego, benefício (como ouvimos) elogiado pelos técnicos das duas formações intervenientes nesta “inauguração”.

Trata-se de um pavimento desportivo em madeira flutuante que permitirá o desenvolvimento de outro tipo de modalidades e mais de acordo com as “exigências” técnicas das respetivas federações, num investimento que rondou os 72 mil euros.

Em representação do Município de Abrantes, o vereador Manuel Jorge Valamatos falou à nossa reportagem, reportando o dia como importante, sublinhando que este novo investimento e nova realidade abrirá novas portas a outro tipo de iniciativas até agora impossíveis de concretizar deixando no “ar” essa realidade para concretização a médio prazo:

Em representação do Município de Abrantes, o vereador Manuel Jorge Valamatos esteve na inauguração do novo piso do pavilhão do Pego..

 

Novo piso do Pavilhão Municipal do Pego abre boas perspetivas à receção de eventos a nível nacional e internacional.

A grande “culpada” é uma velhinha máquina de escrever Royal esquecida lá por casa e que me “infectou” para uma vida que se revelou mais tarde não fazer sentido sem o jornalismo. O primeiro boletim da paróquia e o primeiro jornal da pequena aldeia onde frequentava a escola (tinha apenas 7 anos de idade) entranharam-me a alma (e o sangue) deste “vício” de escrever e comunicar. Seguiram-se os pequenos jornais de turma, os das escolas, os painéis informativos colocados nas paredes dos átrios e o dos escuteiros... e nunca mais o “vício” sarou. Ao longo da vida, foram vários e diversificados os ofícios exercidos profissionalmente, mas o “mar dos desejos” desaguava sempre numa folha de papel ou (mais tarde) num portátil de computador (e sempre com a máquina fotográfica como companhia). Já mais "a sério” e desde jornais regionais, rádios locais, periódicos nacionais e televisão (TVI), já são mais de 45 anos de um percurso “académico” de alguém que pouco se importa de não possuir um “canudo”.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome