- Publicidade -

Futsal | Jogo emotivo em Ponte de Sor deu vitória ao Modicus perante um Eléctrico em crescendo (C/ÁUDIO e FOTOS)

ELÉCTRICO FUTEBOL CLUBE 2 – MODICUS SANDIM 3
Liga Placard – Campeonato Nacional 1ªDivisão – 25ª jornada
Pavilhão Gimnodesportivo de Ponte de Sor
13-03-2021

- Publicidade -

Uma época promissora para o Eléctrico, que por largo período ocupou o terceiro lugar da tabela, logo a seguir aos “papões” Sporting e Benfica, rapidamente se transformou num “annus horribilis”. O vírus SarCov 2 por três vezes marcou presença no plantel dirigido por Kitó Ferreira e a partir daí a vitória tem andado fugidia.

Nos últimos oito jogos os pontessorenses, apesar de alguma melhoria, perderam quatro desafios e empataram os últimos.

- Publicidade -

Gimnodesportivo da Ponte de Sor recebeu jogo emotivo.

Com os olhos postos no oitavo lugar, o tal que marca o acesso aos play-off de apuramento do Campeão, o Eléctrico recebeu uma equipa com objectivos semelhantes e com um rico historial no futsal nacional: o Modicus de Sandim.

Histórico Modicus veio vencer à Ponte de Sor.

Orientada por um homem da casa, Ricardo Ferreira já leva 14 anos de Modicus, os últimos quatro como técnico, os gaienses obtiveram a última vitória sobre o Quinta dos Lombos no seu reduto, há precisamente um mês. Pelo meio um empate no Fundão e a derrota caseira com o Braga dava um toque de equilíbrio ao sétimo posto ocupado.

As previsões apontavam para um jogo disputadíssimo com ambos os conjuntos com os olhos pontos nos três pontos. E assim foi…

Equipas de olho nos três pontos.

Assim que o jogo começou se percebeu que iria ser jogado a alta rotação com o Eléctrico a tomar a iniciativa desde o apito inicial. A maior posse de bola da equipa da casa não teve correspondência em lances de perigo.

Após falta dura de Dudu que lhe valeu o cartão amarelo, logo no terceiro minuto, Márcio dispôs da primeira oportunidade do jogo. Basilio “encheu” a baliza e não permitiu que o sandinense abrisse a contagem.

Diogo Basílio esteve a bom nível na baliza dos alentejanos.

Este lance demonstrou que o Modicus estava a ficar mais confiante e a repartir o jogo com os anfitriões. A um remate de Uesler ao lado responderam os pontessorense com uma boa jogada de entendimento de Rodriguinho com Henrique Vicente, com o algarvio do Eléctrico a rematar muito perto da baliza de Trapa.

No minuto seguinte, o sexto, de novo Henrique Vicente a ficar na cara de Trapa com tudo para inaugurar o marcador. O guarda redes, numa estirada com o pé, levou a melhor.

Henrique Vicente foi jogador influente no conjunto de Kitó Ferreira.

Aos oito minutos Luiz Fernando descobriu Rodriguinho sem marcação mas o brasileiro naturalizado catari rematou para fora. Dois minutos depois o mesmo Rodriguinho acertou com o alvo mas Trapa, com uma grande defesa, defendeu para canto.

Estava-se a meio do primeiro tempo num jogo repartido com uma entrada por cima do Eléctrico, resposta pronta do Modicus e os pontessorenses a voltarem a ser superiores, desperdiçando as melhores ocasiões para marcar.

Pontessorenses entraram melhor no jogo.

Aos 12 minutos o Modicus esteve muito perto de abrir a contagem. O pivot Willian Carioca rematou forte levando o esférico ao poste da baliza de Diogo Basílio. Na resposta Henrique Vicente, muito interventivo no jogo, isolou-se mas permitiu uma excelente defesa de Trapa.

O minuto 13 poderia ter sido aziago para a equipa de Kitó. Um livre muito bem ensaiado levou a bola a rondar a baliza. Em posição frontal Fábio tocou curto para Márcio que disparou por cima, muito perto do alvo.

Pouco depois o golo voltou a estar próximo. Márcio rematou forte e valeu o desvio de Rodriguinho para canto. Na cobrança novo remate de Márcio valeu novo canto.

Márcio foi “dor de cabeça” para a defensiva da casa.

Contrariando o bom momento do Modicus, a pressionar muito alto e a empurrar o Eléctrico para a sua zona defensiva, Henrique Vicente roubou a bola e desencadeou o contra golpe em vantagem numérica de três para um.

O passe para Rodriguinho saiu defeituoso e gorou-se uma excelente ocasião para os pontessorenses. Kitó Ferreira pediu uma pausa técnica e no recomeço Dudu obrigou Trapa a defesa apertada para canto. Logo a seguir o Eléctrico chegou à quinta falta com três minutos para jogar.

Eléctrico chegou à quinta falta ainda com três minutos para o intervalo.

Aos 18 minutos Diogo Basílio brilhou a grande altura a remate de Willian Carioca, culminando uma excelente iniciativa individual do pivot brasileiro do Modicus.

No minuto seguinte Rodriguinho levou perigo à baliza dos nortenhoos e na resposta Basílio foi chamado a travar remates de Willian Carioca e de Ricardinho. Antes da buzina para tempo de intervalo o capitão dos visitantes, Óscar Santos, viu a cartolina amarela.

Bom jogo no Gimnodesportivo de Ponte de Sor onde apenas faltavam os golos para apimentarem uma excelente partida de futsal.

Bom jogo onde ao intervalo se sentia a falta de golos.

O segundo tempo começou com um registo semelhante ao início do jogo. O Eléctrico entrou mais pressionante dispondo de duas oportunidades flagrantes. Numa delas, após reposição lateral de Costelinha, Henrique Vicente cabeceou por cima com a baliza deserta e logo a seguir obrigou a defensiva visitante a ceder canto.

Aos 24 minutos, após queda de Rodriguinho na área dos visitantes que o árbitro não sancionou, Bruninho assistiu Márcio que na cara de Diogo Basílio atirou ao poste.

Após boa reentrada dos pontessorenses o Modicus equilibrou.

Os minutos seguintes tiveram no guarda redes Diogo Basilio o protagonista. Após uma magnífica iniciativa de Uesler, apesar de estar no chão, defendeu o remate. Logo a seguir o forte disparo de Cigano foi travado com classe e um remate de Fábio Lima teve a mesma sorte.

O Eléctrico sacudiu a pressão e a boa combinação de Luiz Fernando e Rodriguinho permitiu ao catari um chapéu que saiu de aba demasiado larga, por cima.

Rodriguinho, criativo, comanda o ataque da sua equipa.

Pouco depois, no minuto 27, Costelinha, assistido por Rodriguinho, fez um golo espetacular, rematando em suspensão de pé esquerdo.

O guarda redes Trapa nada podia fazer e estava inaugurado o marcador com a equipa da casa a chegar à vantagem quando o adversário já contabilizava quatro faltas com um quarto de hora para jogar. O que em futsal é uma eternidade…

Costelinha marcou um golo com nota artística alta.

Durou cerca de dois minutos a vantagem dos alentejanos. Na cobrança dum canto, Óscar Santos serviu Márcio que rematou rasteiro. A bola ainda foi ao poste esquerdo de Basílio e anichou-se nas redes voltando a partida a estar empatada.

Com onze minutos para jogar estava tudo em aberto e a incerteza quanto ao resultado final pairava no pavilhão.

Autor da assistência para o golo do empate celebra.

À passagem da meia hora de jogo a resposta do Eléctrico chegou com Costelinha a rematar muito perto do poste da baliza defendida por Trapa. Logo a seguir o jovem reforço dos alentejanos Gustavo permitiu um roubo de bola de Márcio que quase marcou. Basílio foi rápido a sair da baliza e Márcio rematou ao lado.

Aos 32 minutos o poste voltou a estar em foco ao devolver o remate de Luiz Fernando naquele que poderia ser o segundo golo do Eléctrico.

Eléctrico teve de correr atrás do prejuízo.

O internacional do Modicus Fábio Lima esteve muito perto de marcar logo no lance seguinte. Intercetou um passe de Gustavo e com Basílio fora da jogada atirou para fora.

As equipas começavam a apostar também na meia distância e Renan Fuzo fez o esférico passar muito perto da baliza de Trapa.

Rodriguinho sofre falta.

Os postes continuaram a negar mais golos. Aos 35 minutos Uesler voltou a acertar nos ferros da baliza de Diogo Basílio e o marcador manteve-se imóvel. Não por muito tempo.

Com um remate cruzado Márcio bisou na partida e operou a “remontada”, passando o Modicus a liderar o marcador. O cronómetro assinalava o 36º minuto.

Modicus celebrou a “remontada” aos 36 minutos.

Imediatamente Kitó Ferreira decide colocar a sua equipa a jogar com guarda redes avançado, com Renan Fuzo, como é habitual, a assumir esse papel. De pronto Ricardo Ferreira respondeu pedindo uma pausa técnica para definição da estratégia a adotar.

Com toda a equipa verde e branca balanceada no ataque o capitão Óscar atirou de longe mas a bola saiu um tudo nada alta. Renan Fuzo imitou-o…

Aos 39 minutos a equipa do Eléctrico foi surpreendida por uma rápida reposição lateral. Fábio Lima assistiu Ricardinho que, de cabeça, aumentou a contagem.

Ricardinho fez o terceiro golo do Modicus.

Com pouco mais de um minuto para jogar as forças dos alentejanos já não eram muitas de modo a encetarem uma recuperação. Com o tempo quase esgotado, na execução dum canto, Óscar Santos teve uma abordagem menos feliz e ao som da buzina o esférico enredou-se na baliza de Trapa espelhando no resultado final a diferença mínima.

Num bom jogo de futsal, vitória justa da equipa mais serena e mais eficaz, apesar das bolas nos ferros de parte a parte.

Eléctrico tudo fez para que os pontos ficassem em casa.

O Eléctrico continua a “travessia do deserto” tendo ainda uma hipótese de apuramento para os play-off se ultrapassar o Sporting de Braga na classificação. Mantém o 9º lugar, logo abaixo da ” linha-de-água”.

Arbitragem sem erros de maior apesar de alguma contestação, principalmente por parte dos alentejanos. Globalmente bem.

Ficha do Jogo:

ELÉCTRICO FUTEBOL CLUBE:
Diogo Basílio, Renan Fuzo, Rodriguinho, Henrique Vicente e Costelinha.
Suplentes: Marco Tavares, Diogo Mateus, Dudu, Telmo Lourenço, Gustavo, Bernardo Bonacho, Miguel Pegacha e Luiz Fernando.
Treinador: Kitó Ferreira.

Eléctrico Futebol Clube.

ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA MOVIMENTO DINÂMICO CULTURAL SANDIM:
Trapa, Óscar Santos, Márcio Moreira, Fábio Lima e Ricardinho.
Suplentes: Tiago Velho, Rafa Fonseca, Uesler, Cigano, Tomás Santos, Renato Silva, Bruninho e Willian Carioca.
Treinador: Ricardo Ferreira.

Modicus Sandim.

GOLOS: Costelinha e Óscar Santos [p.b.] (Eléctrico), Márcio Moreira [2] e Ricardinho (Modicus).

Equipa de Arbitragem: Ricardo Fernandes e Miguel Castilho (AF Lisboa).
Cronometrista: Miguel Guerra (AF Lisboa).

Equipa de Arbitragem, Ricardo Fernandes e Miguel Castilho, com os capitães.

No final fomos escutar os técnicos de ambas as equipas:
KITÓ FERREIRA (Eléctrico):

Kitó Ferreira, treinador do Futsal do Eléctrico Futebol Clube. Foto: Arquivo mediotejo.net.

RICARDO FERREIRA (Modicus):

Ricardo Ferreira-Treinador do Modicus. Foto: Arquivo mediotejo.net.

*Com David Belém Pereira (multimédia).

Nasceu a 30 de Janeiro de 1961 em Lisboa e cresceu no Alentejo, em Santiago do Cacém. Dali partiu em 1980 para ingressar no Exército e no Curso de Enfermagem. Foi colocado em Santa Margarida e por aqui fez carreira acabando por fixar-se no Tramagal em 2000. A sua primeira ligação à Vila "metalúrgica" surge em 1988 como Enfermeiro do TSU. Munido da sua primeira câmera digital, em 2009 e com a passagem à situação de reserva, começou a registar a fauna do Vale do Tejo, a natureza e o património edificado da região, as ruas, as pessoas... Com colaborações regulares em jornais da região e nacionais este autodidata acaba por conseguir o reconhecimento público, materializado em alguns prémios. Foi galardoado na 8ª Gala de Cultura e Desporto de Tramagal na categoria de Artes Plásticas (Fotografia) em 2013.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).