Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quinta-feira, Outubro 21, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Futsal | Jogo electrizante em Ponte de Sôr decidido a favor do Fundão a 20 segundos do final (C/fotos e audio)

ELÉCTRICO FUTEBOL CLUBE 7 – ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA DO FUNDÃO 8
Liga Sport Zone – 8ªjornada
Pavilhão Municipal
Ponte de Sor
03-11-2018

- Publicidade -

Pavilhão Municipal de Ponte de Sor.

O Eléctrico da Ponte de Sor com Kitó Ferreira ao comando contava como vitórias os três últimos jogos e a expectativa estava alta para tentar perceber se, com o Fundão, a senda vitoriosa era para continuar. Os alentejanos entraram fortes e decididos em resolver cedo a contenda. Com um minuto e 18 segundos de jogo o talentoso Nem driblou “meio mundo” e rematou de pronto batendo Júlio César pela primeira vez.

- Publicidade -

Nem abre a contagem. o primeiro de quinze !!!

Reagiram os serranos e aos três minutos o pivot Gui rematou para defesa segura de Diogo Basílio. Lançou rápido na frente onde surgiu o experiente Paulinho Rocha a ter intervenção faltosa que lhe valeu a amostragem do cartão amarelo. Wendell, encarregue da cobrança colocou em Márinho que ampliou a vantagem.

No Pavilhão respirava-se uma atmosfera de optimismo perante a boa entrada dos pontessorenses. Puro engano…

Gui trava a progressão de Ilídio Pina.

A equipa de Nuno Couto, aproveitando a descontração do Eléctrico, reduziu meio minuto depois por Gui para logo a seguir empatar o jogo por Mário Freitas.
A equipa do Fundão iria adiantar-se no marcador, por Pauleta, aproveitando uma enorme falha defensiva, à passagem dos cinco minutos e meio.

Os visitantes estavam confortáveis no jogo e iam criando muitos problemas aos da casa. As faltas (e os cartões) avolumavam-se e, aos 13 minutos e meio, novo erro defensivo permitiu aos beirões chegarem aos 2-4 através de Mário Freitas.

Mário Freitas assinou três golos.

A vida não estava fácil para a equipa de Kitó Ferreira e pior ficou quando Gui respondeu da melhor forma a um livre enchendo o pé e obtendo um golo de belo efeito. O minuto 16 foi para Pauleta brilhar. Primeiro falhou de forma incrível, já com o guarda redes batido, à boca da baliza. Logo a seguir obrigou Diogo Basílio a enorme defesa para o poste.
À terceira foi de vez e colocou o Fundão a vencer por quatro golos de vantagem e elevou a descrença que já se sentia nas bancadas. De 2-0 o resultado virou para 2-6.

Pauleta bate Diogo Basílio.

Os jogadores do Eléctrico, galvanizados pelo público, acharam que estava na altura de fazer algo. A faltarem dois minutos para o descanso beneficiaram de uma grande penalidade. Nem marcou e reduziu.

Com os serranos “tapados” com faltas, a um minutos da buzina soar para o descanso, Kiko jogou a bola com a mão. Márinho bateu o livre direto de forma irrepreensível e fixou o resultado com que se atingiu o intervalo (4-6). Resultado que se aceita facilmente pela boa primeira parte do Fundão com resposta pronta por parte da equipa da casa.

Luta de brasileiros: Júlio César e Nem.

Com dois golos para anular, a equipa de Ponte de Sor sabia que tinha de correr atrás do prejuízo. O Fundão defendia com segurança e sempre que podia tentou ampliar a vantagem. Aos 25 minutos conseguiu mesmo chegar ao sétimo golo de novo por Mário Freitas.

Tarefa hercúlea esperava os pupilos de Kitó Ferreira que a partir do minuto 28 lançou Renan Fuzzo como guarda redes avançado. Esta estratégia pareceu baralhar a equipa do Fundão e pouco depois Wendell reduziu de novo. 5-7 era agora o resultado num jogo frenético.

Bola no poste do Fundão.

Os visitantes perceberam a ameaça e fecharam-se bem obrigando os pontessorenses a rodar a bola pelos seus cinco jogadores à procura duma brecha defensiva. Pouco passava dos 35 minutos quando o Eléctrico viu premiada a sua insistência.

Renan Fuzzo, a jogar como guarda redes avançado, obteve um golo de belo efeito, colocando o empate à distância de um golo. Golo esse que surgiu, por Chico, aos 37 minutos e 15 segundos. Faltavam dois minutos para o final quando Wendell tem uma abordagem impulsiva a um lance defensivo e o árbitro exibiu-lhe o segundo amarelo e correspondente vermelho.

A jogar com quatro jogadores pedia-se sacrifício e atenção aos alentejanos. O resultado estava agora em 7-7. Quase resultava, não fora o “desmancha-prazeres” Gui que com o seu “hat trick” decidiu o jogo a 20 segundos do final…

Gui remata com a oposição de Wendell .

Um jogo alucinante com 15 golos repartidos por ambos os conjuntos. Boa propaganda para o Futsal. Ninguém merecia perder, sendo o empate o resultado que melhor se aceitava.
A vitória assentava bem a qualquer das equipa, logo o Fundão foi um brilhante vencedor.
Arbitragem em bom plano. Abusou das cartolinas e com isso poderá ter condicionado o jogo.

No final a festa foi do Fundão.

FICHA DO JOGO

ELÉCTRICO FUTEBOL CLUBE:
Diogo Basílio, Rafael Bocum, Wendell, Nem e Renan Fuzzo.
Suplentes: Dona, Ruizinho, Rafa, Márinho, Alexandre Prates, Chico e Ilídio Pina.
Treinador: Kitó Ferreira.

Eléctrico Futebol Clube.

ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA DO FUNDÃO:
Júlio César, Pauleta, Gui, Mário Freitas e Paulinho Rocha.
Luiz Gustavo, Costinha, Kiko, Márcio Moreira, Allan, Eskerda, David Gomes, Parente e Rafael.
Treinador: Nuno Couto.

Associação Desportiva do Fundão.

GOLOS:
Nem (2), Márinho (2), Wendell, Renan Fuzzo e Chico (Eléctrico); Gui (3), Mário Freitas (3) e Pauleta (2) (Fundão)

EQUIPA DE ARBITRAGEM:
Nuno Pereira, Filipe Duarte e Carlos Dias (AF Coimbra).

Equipa de Arbitragem: Nuno Pereira, Filipe Duarte e Carlos Dias com os capitães.

No final ouvimos os técnicos de ambas as equipas:

Kitó Ferreira-Treinador do Eléctrico Futebol Clube.

 

Nuno Couto-Treinador do Fundão.

*Com David Belém Pereira (fotos).

Nasceu a 30 de Janeiro de 1961 em Lisboa e cresceu no Alentejo, em Santiago do Cacém. Dali partiu em 1980 para ingressar no Exército e no Curso de Enfermagem. Foi colocado em Santa Margarida e por aqui fez carreira acabando por fixar-se no Tramagal em 2000. A sua primeira ligação à Vila "metalúrgica" surge em 1988 como Enfermeiro do TSU. Munido da sua primeira câmera digital, em 2009 e com a passagem à situação de reserva, começou a registar a fauna do Vale do Tejo, a natureza e o património edificado da região, as ruas, as pessoas... Com colaborações regulares em jornais da região e nacionais este autodidata acaba por conseguir o reconhecimento público, materializado em alguns prémios. Foi galardoado na 8ª Gala de Cultura e Desporto de Tramagal na categoria de Artes Plásticas (Fotografia) em 2013.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome