Quinta-feira, Fevereiro 25, 2021
- Publicidade -

Futsal | Empate caseiro do Eléctrico soube a pouco em jogo intenso com o Caxinas (c/fotos e aúdio)

ELÉCTRICO FUTEBOL CLUBE 1 – ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA CULTURAL E RECREATIVA DAS CAXINAS 1
Liga Placard-Campeonato Nacional da 1ªDivisão-13ªjornada
Pavilhão Gimnodesportivo de Ponte de Sor
06-12-2020

- Publicidade -

No final da manhã deste domingo, 06 de dezembro, tinham encontro marcado para o Gimnodesportivo da Ponte de Sor as equipas do Eléctrico, 3º classificado, e o estreante Caxinas, que após um início titubeante se recompôs e chegou ao Alto Alentejo vindo de três vitórias consecutivas, a ocupar o décimo posto classificativo.

Jogo emotivo em Ponte de Sor.

- Publicidade -

Foi a primeira vez que estas equipas se encontraram. Sem Kitó Ferreira no banco por motivos disciplinares, o experiente preparador físico Barth Sorrilha liderou a equipa da casa sem grandes alterações táticas.

Foi a primeira vez que estas equipas se defrontaram.

O Eléctrico, embalado pelas vitórias e galvanizado com o terceiro lugar, entrou a todo o “gás”, tentando resolver cedo os problemas que a irreverência e qualidade dos jovens caxineiros lhe iriam provocar.

A equipa de Nuno Silva, com três vitórias nos últimos jogos, tinha razões de sobra em acreditar que seria possível pontuar em Ponte de Sor.

Equipa das Caxinas não perde há quatro jogos.

Logo no primeiro minuto de jogo, Costelinha, assistido por Renan Fuzo, obrigou o guarda redes Joel Silva a defesa apertada para canto. Na conversão Dudu deixou novo aviso. O guarda redes nortenho defendeu com o pé.

O Caxinas respondeu com rápidas transições, explorando a velocidades dos seus jogadores mais jovens. Aos três minutos, Rodrigo Simão obrigou o guarda redes da casa a defesa difícil e na insistência Lúcio Rocha bateu André Correia.

Lúcio Rocha marcou cedo para os caxineiros.

Complicavam-se as coisas para a equipa da casa e podiam ter piorado logo na reposição.
Rodrigo Simão ganhou uma bola e arrancou para a baliza. À saída de André Correia tentou o chapéu mas o guarda redes nunca se “descompôs” e defendeu. Entretanto, Costelinha via o cartão amarelo.
Na resposta, após um mau passe de Renan, Lúcio Rocha por pouco não bisou na partida.

Lúcio Rocha foi uma seta apontada à baliza de André Correia.

O jogo entrou numa toada de parada e resposta e aos cinco minutos Renan Fuzo quase surpreende Joel Silva com um remate de meia distância.

O Caxinas ganhou um livre em posição bastante favorável e Carlos Monteiro rematou contra a barreira ganhando um canto.

Com o Eléctrico de novo na posse da bola, Renan viu o guarda redes Joel Silva adiantado e tentou um chapéu que saiu, no entanto, ao lado.

Capitão pontessorense, Renan Fuzo, ameaça a baliza de Joel.

Com oito minutos jogados Dudu tentou a meia distância com a bola a passar longe do alvo.
No minuto seguinte, já com o Eléctrico a fazer descansar o cinco inicial, Graça rematou contra um defesa e no ressalto Célio Coque rematou forte. O esférico voltou a ser desviado num adversário para canto.

Rodriguinho mostrava as credenciais que fazem dele um dos melhores marcadores da Liga Placard. O remate, após boa iniciativa individual, passou perto.

À passagem dos dez minutos Henrique Vicente imitou o seu colega, foi até ao fim, com o guarda redes a defender com os pés. Na emenda o inevitável Rodriguinho fez o empate.

Rodriguinho fez o empate com o seu 12º golo na Liga Placard.

Com tudo empatado continuou-se a jogar com muita intensidade e o Eléctrico ia cometendo erros e perdas de bola, fruto da pressão intensa do seu adversário. Rodriguinho entregou mal e Lúcio Rocha ficou na cara de André Correia que defendeu com classe.

Logo de seguida foi Carlos Monteiro que ganhou sobre um adversário e de novo o guarda redes da casa defendeu. Com cerca de cinco minutos para jogar Renan cometeu a quinta falta e deixou a equipa pontessorense de sobreaviso. Na conversão do livre Lúcio entregou a Monteiro que rematou forte para nova defesa de André Correia.

De bola parada Caxinas leva o perigo à baliza pontessorense.

Ia brilhando o guarda redes da casa, esta semana chamado por Jorge Braz aos trabalhos da Seleção Nacional, e Costelinha pegou na bola, avançou pela quadra e o remate teve de ser travado com os pés de Joel Silva.

Os lances de possível golo iam-se dividindo pelas duas balizas. Dudu rematou por cima e Diogo Furtado obrigou Andrá Correia a nova defesa.

Carlos Monteiro rematou ao lado enquanto Paulinho rematou prensado num adversário com o esférico a chegar ao guarda redes Joel Silva.

Oportunidades divididas pelas duas balizas.

Com a aproximação do descanso o jogo acalmou um pouco até que a 50 segundos do fim Costelinha assistiu Henrique Vicente com o algarvio a rematar para nova defesa de Joel para canto.

Entretanto soava o sinal para mandar toda a gente para intervalo. Excelente jogo proporcionado por três equipas empenhadas em dar um bom espetáculo.
Arbitragem, “poupadinha” nas faltas, evitou danos maiores da marca dos dez metros.

´Equipa de arbitragem foi poupando as equipas, com faltas por marcar, num critério uniforme.

No recomeço cedo se percebeu que os donos da casa tudo iriam fazer para levar de vencida o seu valoroso oponente. Com maior posse de bola, empurraram a equipa vilacondense para junto da sua área mas não foram bem sucedidas as tentativas para marcar.

Foram mesmo os caxineiros a disporem de uma das melhores ocasiões do segundo tempo. Aos 25 minutos Diogo Furtado rematou contra Costelinha e ganhou um canto. Na reposição Lúcio Rocha atirou à malha lateral.

Muita juventude de valor nos dois conjuntos.

No minuto seguinte Lúcio foi protagonista de novo lance perigoso. Tentou o chapéu a André Correia, que defendeu. Na resposta, em rápida transição, Rodriguinho caiu na área do Caxinas. Pediu-se grande penalidade que o árbitro, bem colocado, não atendeu.

Aos 28 minutos Rodriguinho esteve à beira de bisar. Com o guarda redes Joel fora dos postes atirou para a baliza. Valeu o corte oportuno dum defesa em cima da linha fatal.

Pouco depois o Eléctrico beneficiou dum livre. Rodriguinho serviu Henrique Vicente para defesa “gigantesca” de Joel Silva.

Guarda redes Joel Silva foi um autêntico gigante ao defender remate de Vicente.

Carregava o Eléctrico e Henrique Vicente, com uma grande exibição, tentou o remate “à meia volta” dentro da área que saiu ao lado. O cronómetro acusava a meia hora de jogo.
No minuto seguinte Célio Coque colocou à prova, de novo, o capitão da equipa de Vila do Conde, Joel Silva.

Na resposta dos caxineiros André Correia teve de sair, de cabeça, fora da sua área mas sem conseguir evitar o canto. Pouco depois foi a vez do remate de Lúcio Rocha encontrar a oposição de André Correia que lançou o contra golpe. Renan Fuzo rematou ao lado.

Capitão Renan bem tentou mas não conseguiu chegar ao golo.

O jogo continuava “vivo” apesar de se aproximar do seu fim. Dudu rematou contra um defesa. Lúcio Rocha, com um estonteante “slalom”, passou por toda a gente e assistiu Carlos Monteiro que fuzilou mas perto do poste, com o guarda redes pontessorense batido pela velocidade do lance.

Na resposta, Costelinha apanhou mal a bola e chutou para as “nuvens” e Renan Fuzo obrigou Joel a aplicar-se e a defender com os pés.

Dudu encara Diogo Furtado.

Ambas as equipas queriam e sentiam que poderiam virar o resultado a seu favor.
Aos 37 minutos Costelinha, com um fortíssimo disparo obrigou Joel a ceder canto.

Logo a seguir, Diogo Furtado escapou-se à linha defensiva muito subida da equipa da casa e obrigou André Correia a arrojar-se aos seus pés para esconjurar o perigo.

Bom jogo de Henrique Vicente.

Já dentro do último minuto Rodriguinho permite nova defesa de Joel e Célio Coque atirou à malha lateral e Rodriguinho ao lado.

A faltarem apenas 13 segundos Rodriguinho acertou no poste com o guarda redes Joel batido. A bola sobrou para Dudu que permitiu a defesa de Joel Silva.

Terminou assim um dos jogos mais competitivos da época. Faltaram mais golos para apimentar o desafio. Resultado justo apesar da vitória dos da casa não escandalizasse.

Resultado aceitável com golos destes dois enormes talentos.

Arbitragem com critério largo que fechou os olhos a algumas faltas sem benefício para nenhum dos contendores. Critério uniforme ao longo do jogo. Positiva.

O Eléctrico mantém o terceiro lugar, à condição, já que o Fundão tem menos um jogo. Tem uma média de dois pontos por jornada. Excelente início de Liga Placard.

O Caxinas mantém o brilhante décimo lugar que já ocupava, agora com 12 pontos (média de um ponto por jornada).

Equipas mantiveram as posições na tabela classificativa.

Ficha do Jogo:

ELÉCTRICO FUTEBOL CLUBE:

André Correia, Dudu, Renan Fuzo, Rodriguinho e Costelinha.
Suplentes: Diogo Mateus, Diogo Basílio, Bruno Graça, Telmo Lourenço, Célio Coque, Paulinho, Miguel Pegacha e Henrique Vicente.
Treinador: Barth Sorrilha.

Eléctrico Futebol Clube.

ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA CULTURAL E RECREATIVA DAS CAXINAS:

Joel Silva, Pedro Carvalho, Carlos Monteiro, Lúcio Rocha e Diogo Furtado.
Suplentes: Miguel Ribeiro, Raúl Moreira, Pedro Acácio, Zé Monteiro, Rúben Teixeira, Rodrigo Simão e Ricardo Costa.
Treinador: Nuno Silva.

Associação Desportiva Cultural e Recreativa de Caxinas.

GOLOS:
Rodriguinho (Eléctrico) e Lúcio Rocha (Caxinas).

EQUIPA DE ARBITRAGEM:
Miguel Guerra e Miguel Castilho. Cronometrista: Ricardo Fernandes (AF Lisboa).

Equipa de Arbitragem: Miguel Guerra e Miguel Castilho. Cronometrista: Ricardo Fernandes (AF Lisboa).

No final ouvimos os responsáveis técnicos de ambas as equipas:

Barth Sorrilha, preparador físico do Eléctrico.

 

Nuno Silva, treinador do Caxinas.

*Com David Belém Pereira (multimédia).

Nasceu a 30 de Janeiro de 1961 em Lisboa e cresceu no Alentejo, em Santiago do Cacém. Dali partiu em 1980 para ingressar no Exército e no Curso de Enfermagem. Foi colocado em Santa Margarida e por aqui fez carreira acabando por fixar-se no Tramagal em 2000. A sua primeira ligação à Vila "metalúrgica" surge em 1988 como Enfermeiro do TSU. Munido da sua primeira câmera digital, em 2009 e com a passagem à situação de reserva, começou a registar a fauna do Vale do Tejo, a natureza e o património edificado da região, as ruas, as pessoas... Com colaborações regulares em jornais da região e nacionais este autodidata acaba por conseguir o reconhecimento público, materializado em alguns prémios. Foi galardoado na 8ª Gala de Cultura e Desporto de Tramagal na categoria de Artes Plásticas (Fotografia) em 2013.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).