Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sexta-feira, Setembro 17, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Futsal | Eléctrico de garra trava campeão nacional Benfica no arranque da Liga Placard (C/fotos e áudio)

ELÉCTRICO FUTEBOL CLUBE 3 – SPORT LISBOA E BENFICA 3
Liga Placard – 1ª jornada
Pavilhão Municipal de Ponte de Sor
07-09-2019

- Publicidade -

O Benfica foi surpreendido na sexta-feira em casa do Eléctrico e iniciou a defesa do título nacional de futsal com um empate 3-3. Os campeões nacionais, que ao intervalo venciam por 1-0, estiveram por três vezes em vantagem, mas o Eléctrico respondeu sempre às desvantagens, com golos de Nem (21 e 33) e de Renan Fuzo (36).

Bancadas bem compostas de adeptos de ambos os clubes.

- Publicidade -

No jogo do arranque de mais uma edição 2019/2020 da I Divisão do Campeonato Nacional de Futsal, este ano chamado de Liga Placard, a expectativa estava alta. A equipa de Ponte de Sor fez um ano de estreia memorável entre os grandes e foi até considerada a equipa revelação. Do outro lado da quadra estava o Benfica, campeão nacional em título, uma das melhores equipas mundiais.

O Benfica vinha de uma derrota pesada perante o campeão europeu Sporting no jogo da Supertaça e Joel Rocha, técnico encarnado, exigia uma resposta “à Benfica”.

Benfica entrou fortíssimo.

Os lisboetas entraram com alta intensidade e controlaram o jogo desde o início, cabendo-lhe várias iniciativas atacantes, a obrigar o Eléctrico a atenção redobrada.
Esse intenso labor foi premiado com o golo madrugador de Fábio Cecílio, a passe de Tiago Brito, tinha o cronómetro iniciado a volta para o segundo minuto.

Fábio Cecílio fez o primeiro golo da Liga Placard.

Surpreendidos os pupilos de Kitó Ferreira com a forte entrada dos adversários tinham dificuldade em ter a bola e organizar o seu ataque. Remeteram-se a uma defesa porfiada e começou a brilhar a grande altura aquele que, a par de Nem, terá sido o homem do jogo: o guarda redes Diogo Basílio.

Duelos intensos e algumas jogadas duras iam valendo cartões amarelos a Renan Fuzo e Afonso Jesus. A meio da primeira parte, sem que o Benfica voltasse a marcar, o Eléctrico começou a liberta-se e a aparecer mais à frente na quadra sem, no entanto, incomodar Roncaglio.

Após o golo os pontessorenses começaram a discutir o resultado.

Kitó Ferreira queria mais dos seus comandados e pediu uma pausa técnica aos 13 minutos.
O Eléctrico entrou na sua melhor fase, passando a mandar nos momentos do jogo mas sem conseguir alvejar a baliza dos benfiquistas. Das bancadas vinham gritos de incentivo à equipa da casa.

Aos 17 minuto André Maluko viu a cartolina amarela por lance mais viril. O intervalo aproximava-se mas ainda houve tempo para a grande oportunidade da equipa de Ponte de Sor. O forte remate de Henrique Vicente não surpreendeu Diego Roncaglio que defendeu com classe.

Resultado correto ao intervalo, pecando por escasso perante o desperdício da equipa benfiquista.

Resultado ao intervalo penalizava a má finalização dos encarnados.

O descanso foi bom conselheiro para a equipa pontessorense e Kitó Ferreira sabia que a sua equipa podia fazer melhor.

André Coelho viu o cartão amarelo a segundos do recomeço e o Eléctrico descobriu Nem em boa posição no coração da área. Na cara de Roncaglio não se fez rogado e empatou a partida com apenas alguns segundos no complemento.

Muito público puxou sempre pelo Eléctrico perante o atual campeão nacional. Foto: mediotejo.net

Com um surpreendente empate no marcador o jogo entrou numa fase de algum equilíbrio continuando o Benfica a assumir as despesas do jogo e o Eléctrico a aproveitar o adiantamento dos encarnados para contra atacar com perigo.

Aos 27 minutos, a defesa da equipa de Ponte de Sor, até aí com um trabalho imaculado, cometeu um erro. Uma perda de bola de Bello à entrada da área permitiu a Miguel Ângelo fuzilar a baliza à guarda de Diogo Basílio que não teve a mínima hipótese.

Miguel Ângelo aproveitou erro de Bello para recolocar o Benfica na frente.

Novamente a perder a equipa alentejana começou a tentar, em rápida transições, voltar a surpreender o campeão nacional. E conseguiu…
Aos 33 minutos, Nem, lançado em velocidade por André Maluko, surgiu na cara de Roncaglio e desviou para o fundo das malhas com um toque subtil.

Nem bisou e voltou a empatar a partida.

Com tudo novamente empatado entrou-se numa fase “louca” do encontro. Com ambos os conjuntos a acreditarem na vitória o jogo começou a ficar partido e iam valendo os guarda redes, com excelentes intervenções, para impedir a marcha do marcador.

Aos 34 minutos, Fábio Cecílio rematou de primeira, numa reposição de bola da marca de canto, e bisou na partida, colocando as “águias” na liderança mais uma vez.

Diogo Basílio, apesar de batido por três vezes, fez uma exibição de luxo.

A resposta dos pontessorenses demorou dois minutos. Numa boa jogada coletiva, com a bola a triangular por vários jogadores, o Eléctrico alcançou de novo o empate com um remate bem colocado de Renan Fuzo.

Enquanto o Municipal de Ponte de Sor ” explodia” de alegria, Joel Rocha pedia uma pausa técnica e lançava o capitão Bruno Coelho como guarda redes avançado. A estratégia não resultou e até ao último segundo perdurou o empate.

Empate histórico em Ponte de Sor.

A repartição de pontos afigura-se justa pela capacidade e competência dos pontessorenses em “remar contra a maré”. Ou o seu emblema não fosse um barco! Os campeões nacionais apenas se podem queixar da fraca produção no último terço da quadra, algo já visto na Supertaça em Torres Novas. Esta Liga promete mais surpresas…

Arbitragem com uma dualidade de critérios gritante. O Benfica terminou com nove faltas!
Com um critério uniforme a história do jogo podia ser outra…
Disciplinarmente usou critério igual na amostragem dos cartões. Uma má noite.

Roncaglio em ação ofensiva.

FICHA DO JOGO:

ELÉCTRICO FUTEBOL CLUBE:
Diogo Basílio, Renan Fuzo, Bello, Rodriguinho e Nem.
Suplentes: Dona, Bruno Graça, Nuninho, Filipe Pereiro, Henrique Vicente, Xandinho e André Maluko.
Treinador: Kitó Ferreira.

Eléctrico Futebol Clube.

SPORT LISBOA E BENFICA:
Diego Roncaglio, Fábio Cecílio, André Coelho, Chaguinha e Tiago Brito.
Suplentes: André Correia, Afonso Jesus, Fernando Drasler, Bruno Coelho, Miguel Ângelo, Robinho e Fits.
Treinador: Joel Rocha.

Sport Lisboa e Benfica.

GOLOS:
Nem (2) e Renan Fuzo (Eléctrico), Fábio Cecílio (2) e Miguel Ângelo (Benfica).

EQUIPA DE ARBITRAGEM:
Ruben Santos (AF Porto) José Moreira (AF Porto). Cronometrista: David Martins (AF Viseu)

Equipa de Arbitragem: Ruben Santos e José Moreira (AF Porto) com os capitães.

DISCIPLINA:
Cartão amarelo: Renan Fuzo (5′) André Maluko (17′); Afonso Jesus (9′), André Coelho (21′)

No final os treinadores falaram, em exclusivo, para o mediotejo.net:

Kitó Ferreira-Treinador do Eléctrico.

 

Joel Rocha-Treinador do SL Benfica.

Com David Belém Pereira (fotos e áudio)

Nasceu a 30 de Janeiro de 1961 em Lisboa e cresceu no Alentejo, em Santiago do Cacém. Dali partiu em 1980 para ingressar no Exército e no Curso de Enfermagem. Foi colocado em Santa Margarida e por aqui fez carreira acabando por fixar-se no Tramagal em 2000. A sua primeira ligação à Vila "metalúrgica" surge em 1988 como Enfermeiro do TSU. Munido da sua primeira câmera digital, em 2009 e com a passagem à situação de reserva, começou a registar a fauna do Vale do Tejo, a natureza e o património edificado da região, as ruas, as pessoas... Com colaborações regulares em jornais da região e nacionais este autodidata acaba por conseguir o reconhecimento público, materializado em alguns prémios. Foi galardoado na 8ª Gala de Cultura e Desporto de Tramagal na categoria de Artes Plásticas (Fotografia) em 2013.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome