Futsal | Eléctrico da Ponte de Sôr vendeu cara a derrota contra o Benfica (C/fotos e audio)

Os jogos iniciais da primeira eliminatória do play-off da Liga Sport Zone arrancam este fim de semana e o Eléctrico Futebol Clube - Futsal vai enfrentar o Sport Lisboa e Benfica, numa partida que terá transmissão em directo na RTP 1, no domingo às 14h20. Foto arquivo: mediotejo.net

ELÉCTRICO FUTEBOL CLUBE 2 – SPORT LISBOA E BENFICA 3
Liga Sport Zone
Pavilhão Municipal
Ponte de Sor
30-09-2018

PUB
Bruno Coelho encara Bocum.

Este sábado a festa do futsal deslocou-se para a cidade alentejana de Ponte de Sor.
Num pavilhão repleto, com cerca de 800 ruidosos adeptos de ambas as equipas, encontraram-se o eterno candidato Benfica e o primodivisionário Eléctrico.

A equipa da casa entrou a encarar o adversário de frente e pertenceu-lhe a primeira oportunidade do jogo. Na sequência dum livre Nem assistiu para Bocum falhar na cara de Roncaglio. Logo a seguir surgiu a primeira contrariedade para a equipa de Joel Rocha. Miguel Ângelo pisou a bola e teve de sair lesionado.

PUB

No segundo minuto de jogo Fernandinho lançou a velocidade de Bruno Coelho que, à saída de Paulo Vitor, atirou para a baliza deserta onde ainda apareceu Bocum a tentar o impossível. O Benfica ficava cedo na frente do marcador.

Benfica marcou primeiro na Ponte de Sor.

O Eléctrico não desistiu de procurar o golo e Pina, Wendel e Bocum testaram a forma de Roncaglio. O jogo entrou numa fase de acalmia, muito tático, com as equipas a privilegiarem a segurança defensiva espreitando uma “chance” de acelerarem o jogo, chegando perto da baliza contrária.

PUB

Após uma pausa técnica os comandados de José Feijão têm a melhor ocasião no jogo, aos oito minutos, com Marinho a falhar o duelo com o guarda redes das “águias”.

Marinho desarma Fernandinho.

O forte calor que se sentia no pavilhão obrigou os técnicos a rotações constantes levando Joel Rocha a jogar com duas equipas, apenas mantendo o guarda redes. Nesta fase, José Feijão, mais conservador, ia rodando os seus jogadores sem alterações muito radicais.

O minuto 13 poderia ter sido de azar para o Benfica. O guarda redes da equipa da casa, Paulo Vitor, subiu na quadra e serviu Ruizinho que rematou ao lado, muito perto, da baliza do Benfica.

De imediato Joel Rocha pediu uma pausa técnica e no recomeço Bocum quase marca.
O Eléctrico já justificava o empate e mostrava futsal de alta qualidade. Com a equipa alentejana com quatro faltas o Benfica procurou a posse de bola na expectativa de “cavar” a quinta falta.

Só dava Eléctrico nesta fase do jogo e a defesa benfiquista começava a dar sinais de intranquilidade. Um duplo atraso deu origem a livre perigoso defendido por Roncaglio. Pouco seria Nem a desperdiçar.

Momento de assédio à baliza do Benfica.

Aos 16 minutos a equipa da casa ficou a reclamar um penalti inexistente e o rapidíssimo Rafael Henmi correu muitos metros e rematou para defesa esforçada do guarda redes Paulo Vitor.

Em ataques e contra ataques as equipas tentavam chegar ao golo. Após uma bola no poste da equipa da casa, esta sacudiu a pressão obrigando Roncaglio a agarrar e a lançar rápido ataque que culminou com excelente golo de Fábio Cecílio. O Benfica era premiado pela eficácia.

Com o Eléctrico “tapado” com faltas, a 14 segundos da buzina para o descanso, Chico tem uma entrada intempestiva quando o Benfica atacava. O apito do árbitro levou a bola para a marca dos dez metros. Daí o capitão Bruno Coelho arrancou forte remate parado por Paulo Vitor com classe.

Bruno Coelho, dos dez metros, permitiu enorme defesa a Paulo Vitor.

O intervalo chegou com o Benfica com uma vantagem de dois golos mas com o Eléctrico a dar boa réplica e a justificar algo mais que o nulo.

Chaguinha em luta com dois pontessorenses.

O Benfica regressou do descanso disposto a resolver o jogo a seu favor com a maior brevidade. Com Roncaglio a jogar muito subido, incluído no ataque, exerceu uma pressão muito alta empurrando o Eléctrico para junto da sua baliza.

No segundo minuto, na sequência de um canto cobrado por Bruno Coelho, Fernandinho obrigou Paulo Vitor a enorme defesa. Na recarga, o mesmo Fernandinho rematou para a baliza desguarnecida onde apareceu Bocum a tirar de cabeça.

Os “encarnados” estavam melhor nesta fase do jogo e uma figura começava a emergir: o guarda redes Paulo Vitor que com uma mão cheia de defesas corajosas ia-se cotando como um dos melhores na quadra.

Aos dez minutos do complemento o internacional brasileiro Fernandinho, após uma recuperação, tem um remate que “tirou tinta” ao poste da equipa da casa. No minuto seguinte André Coelho testou a meia distância e Paulo Vitor executou uma defesa que empolgou o pavilhão.

Uma sequência de remates de Roncaglio, Chaguinha e Fits deixaram a certeza de estarmos perante um guarda redes com muita classe.

Defesa enorme de Paulo Vitor.

O Benfica estava melhor, com maior tempo de posse de bola e os remates sucediam-se sem resultados práticos. Como quem não marca, sofre… o Eléctrico chegou ao golo por Wendell aos 33 minutos, numa rápida transição.

Com as bancadas ao rubro, em apoio incondicional a ambos os conjuntos, a equipa pontessorense chegou ao empate no minuto seguinte, por Ruizinho, aproveitando o desequilíbrio defensivo das “águias”.

O jogo ganhou contornos de dramatismo acreditando-se no pavilhão que qualquer resultado podia ser possível. Rafael Henmi quis ficar na história do jogo e obteve um golo de belo efeito ao minuto 35.

Remate bem colocado de Henmi bateu Paulo Vitor.

A equipa da casa, inconformada, nunca se entregou e ainda iria ver o remate de Rafa Lopes “beijar” a trave da baliza de Roncaglio. A três minutos do final a pausa técnica não trouxe novidades. O Eléctrico apenas subiu o guarda redes Paulo Vitor que passou a actuar como jogador de campo.

O tempo útil de jogo esgotou-se sem que o marcador sofresse qualquer alteração. O Benfica acabou por justificar o resultado positivo. O Eléctrico da Ponte de Sôr mereceria mais e deixou uma imagem muito positiva.
Arbitragem ao nível do jogo. Positivo.

O golo de Rafael Henmi decidiu o jogo.

FICHA DO JOGO

ELÉCTRICO FUTEBOL CLUBE:
Paulo Vitor, Bocum, Wendell, Nem e Ilídio Pina.
Suplentes: Diogo Basílio, Ruizinho, Rafa Lopes, Marinho, Filipe Pereiro, Renan Fuzo, Chico e Xandinho.
Treinador: José Feijão.

Eléctrico Futebol Clube.

SPORT LISBOA E BENFICA:
Roncaglio, André Coelho, Bruno Coelho, Miguel Ângelo e Fernandinho.
Suplentes: Cristiano, Chaguinha, Fábio Cecílio, Rafael Henmi, Afonso Jesus, Fits e Raúl Campos.
Treinador: Joel Rocha.

Sport Lisboa e Benfica

GOLOS:
Wendell e Ruizinho (Eléctrico); Bruno Coelho, Fábio Cecílio e Rafael Henmi (Benfica).

Árbitros: Wilson Soares, Ruben Guerreiro e Ricardo Luz (cronometrista).

Equipa de arbitragem: Wilson Soares e Ruben Guerreiro com os capitães.

Na “flash interview” os treinadores foram muito sintéticos:

José Feijão-Treinador do Elétrico da P.Sor.

 

Joel Rocha-Treinador do SL Benfica.

*Com David Belém Pereira (fotos).

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here