- Publicidade -

Futsal | Eléctrico com derrota caseira contra o Fundão num regresso muito difícil à competição (c/ÁUDIO)

ELÉCTRICO FUTEBOL CLUBE 3 – ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA DO FUNDÃO 6
Campeonato Nacional da 1ª Divisão – Liga Placard – 21ªjornada
Pavilhão Gimnodesportivo de Ponte de Sor
10-02-2021

- Publicidade -

Está a ser muito difícil este regresso do Eléctrico à competição após novo confinamento sanitário devido a novos casos de covid-19 no seio do plantel. Disse-o o treinador Kitó Ferreira na antevisão da partida e os acontecimentos vieram a confirmá-lo.

Pavilhão Gimnodesportivo de Ponte de Sor.

- Publicidade -

Perante um Fundão a fazer um campeonato ao nível que nos habituou, a “morder os calcanhares” aos crónicos candidatos Benfica e Sporting e após duas derrotas consecutivas no regresso, este jogo seria o ideal para o Eléctrico iniciar a retoma, apesar da qualidade do adversário com quem, na primeira volta, havia empatado a duas bolas, no Fundão.

Duas boas equipas subiram ao Municipal pontessorense.

Com o Eléctrico a apresentar os reforços de inverno e com Nuno Couto a ter dificuldade em “desenhar” a equipa do Fundão (dos cinco jogadores no banco dois eram guarda redes) o jogo começou em toada de equilíbrio com as equipas a tentarem perceber as estratégias adversárias.

Era claro desde o apito inicial que o guarda redes brasileiro, naturalizado arménio, Luan, iria jogar muito adiantado, fora da baliza, descansando a equipa em posse de bola, criando superioridade, obrigando a equipa de Kitó Ferreira a defender num 5X4.

Guarda redes Luan passou grande parte do jogo muito adiantado.

Sem estranheza o primeiro sinal de perigo apenas surgiu com quatro minutos jogados na conversão dum canto. Mário Freitas tentou assistir Jair, ao segundo poste, mas Diogo Basílio esticou o pé e afastou o esférico.

Dois minutos depois, aos seis, Renan Fuzo, tentando organizar o seu ataque, viu sair-lhe ao caminho dois adversários. Sem espaço para a progressão serviu Rodriguinho na ala direita. Este encheu o pé e, de ângulo difícil, bateu Luan, inaugurando o marcador.

Rodriguinho abriu o marcador aos seis minutos.

Responderam de imediato os serranos e Guilherme Meira subiu pela ala, rematou forte para defesa atenta de Basílio com os pés. Com o Fundão a jogar com Luan muito subido, respondia o Eléctrico pressionando alto, na primeira linha de construção da equipa da Capital da Cereja.

Célio Coque rematou muito perto e Rodriguinho obrigou Luan a defesa para canto. Aos 12 minutos Dudu subiu pela ala direita e ensaiou um forte remate que atingiu os ferros da baliza “onde dorme o mocho”, ou seja, no ângulo formado pela trave e o poste. Grande oportunidade para o Eléctrico aumentar a vantagem.

Equilíbrio foi a tónica da primeira parte.

No minuto seguinte uma falta dura de Renan Fuzo levou à amostragem da cartolina amarela. Na conversão do livre Dudu saiu da barreira e sofreu a mesma sanção.

Com os visitantes a insistirem em jogar com o guarda redes muito subido, os pontessorenses iam espreitando uma oportunidade para surpreender. Aos 17 minutos Renan atirou para a baliza deserta. Valeu o capitão Mário Freitas que esconjurou o perigo.

Com o Eléctrico a dispor de mais e melhores oportunidades, a sua agressividade defensiva levou a ser-lhe assinalada a quinta falta ainda com dois minutos para jogar.

Fundão teve entrada muito forte no segundo tempo

A equipa beirã aproveitou o tempo disponível para tentar inverter a tendência do marcador dispondo de boas ocasiões. Guilherme Meira acorreu a um bom cruzamento e rematou à saída de Basílio. O guarda redes”encheu” a baliza e com uma grande defesa resolveu.

Após Renan Fuzo rematar ao lado, Jair rematou forte para nova defesa de Basílio. Nota alta para o jovem guarda redes pontessorense.

Kitó Ferreira apontava o caminho ao seu Eléctrico.

Nos segundos finais Dudu obrigou Luan a defesa atenta e no contra golpe Mário Freitas ganhou um canto. O sinal sonoro soou e com ele chegou o período descanso.
O resultado, favorável à equipa da casa pela margem mínima, ajustava-se ao futsal produzido por ambas as equipas.

Golo de Rodriguinho fazia toda a diferença ao intervalo.

O segundo tempo trouxe um Fundão apostado em inverter a tendência do jogo e teve uma entrada demolidora. Logo no minuto inicial, numa boa jogada de entendimento, Nem serviu Jair que rematou de primeira. A defesa da casa cortou o lance enviando a bola para a cobertura do Pavilhão, obrigando a reposição para o Fundão. O capitão Mário Freitas rematou ao lado.

Com dois minutos no segundo tempo a equipa de arbitragem descortinou uma mão na bola de Renan Fuzo e mandou executar o respetivo livre. Guilherme Meira rematou forte batendo André Correia, agora na baliza da casa, de forma inglória, por baixo das pernas.

Remate de Meira passou sob André e Fundão chegou ao empate.

Empatava o Fundão e embalava para uma exibição que lhe valeu a vitória. No minuto seguinte, novo livre de Meira obrigou Fuzo a ceder canto. Na conversão o esférico Meira fez a bola rondar a baliza de André.

Num momento de grande sufoco o Fundão teve uma boa combinação entre Mário Freitas que assistiu Nem, tendo aproveitado a oportunidade para colocar a sua equipa na liderança do marcador.

Perante o desnorte dos pupilos de Kitó Ferreira, um roubo de bola de Mário Freitas permitiu nova assistência para golo, concretizado por David Gomes. Estava feito o 1-3.

Entrada fortíssima do Fundão no segundo tempo valeu três golos.

Em apenas três minutos o Fundão marcou por três vezes, numa remontada épica, perante um Eléctrico surpreendido e incapaz de parar a “avalanche” que veio da Serra da Estrela.

À equipa da casa restava correr atrás do prejuízo, serenando e impondo a qualidade do seu jogo. Dudu, com um forte remate, obrigou Luan a defesa apertada, e logo a seguir Jair Pereira teve um gesto pouco bonito, atingindo Graça com uma cotovelada e vendo o cartão amarelo que até poderia ter sido de outra cor…
Na conversão do livre Rodriguinho disparou por cima, longe da baliza.

Eléctrico acreditou até ao fim.

Entrava-se numa toada de parada e resposta, conseguindo a equipa da casa equilibrar a contenda com muito esforço e sacrifício pessoal dos seus jogadores. À passagem dos 25 minutos Graça testou a meia distância para defesa de Luan. Na resposta Mário Freitas obrigou André Correia a defesa atenta.

Carregava o Eléctrico e o Fundão remetia-se a defesa porfiada de tão preciosa vantagem.
Luan, guarda redes do Fundão, continuava a integrar-se nas manobras ofensivas da sua equipa. Com uma boa iniciativa descobriu Jair Pereira que marcou o quarto golo da sua equipa à passagem da meia hora.

Luan , dono de bons pés, foi mais um jogador de campo.

Mas o adiantamento de Luan tem o lado negativo. Num roubo de bola, Graça alvejou a baliza deserta, falhando por muito pouco.

Aos 32 minutos Luiz Souza, a procurar o seu primeiro golo ao serviço do Eléctrico, rematou forte sendo a bola desviada para a linha lateral. Na reposição Rodriguinho rematou de forma indefensável para Luan e reduziu a vantagem dos serranos para dois golos.

Kaique, tal como os restantes reforços, deixou boa imagem.

Com oito minutos para jogar, a equipa de Kitó Ferreira não admitia atirar a toalha ao chão, apesar de se notar alguns atletas com baixo índice físico e com as equipas, perigosamente, a registar cinco faltas cada uma. Mas o Fundão queria consolidar a vantagem e Nem obrigou André a defesa com o peito, por instinto.

Pouco depois Jair isolou-se e na cara de André Correia rematou para fora. A resposta dos alentejanos veio em forma de 5X4 com o capitão Renan Fuzo a vestir a camiseta de guarda redes.

Lutou-se muito pelos pontos.

Com quatro minutos para jogar e com o Eléctrico em ataque continuado um toque demasiado longo foi ter às mãos de Luan que colocou a bola no solo alvejando a baliza deserta da equipa da casa. Valeu a atenção e colocação de Graça que evitou novo golo em cima da linha fatal.

O mesmo Graça que em rápida transição chegou ao golo, reduzindo o marcador à mínima expressão e relançando o encontro com alguns minutos para o final.

O golon de Graça trouxe alguma esperança às hostes pontessorenses.

O Eléctrico acreditou, carregou sobre o adversário mas uma perda de bola permitiu a Luan servir Jair que assistiu Mário Freitas para um oportuno golo.

A faltar um minuto as hostes pontessorenses pediram grande penalidade por suposta mão na área defensiva dos beirões. O árbitro considerou casual e mandou seguir.
Com o cronómetro a assinalar 37 segundos para o “término” da partida Mário Freitas retribuiu a excelente assistência de Jair no seu golo. Recebeu e endossou com boa conta e Jair aproveitou para bisar no encontro e fechar as contas do marcador em 3-6.

Mário Freitas, com três assistências e um golo foi o “Homem do Jogo”.

Pouco depois caiu o pano sobre mais um competitivo jogo da Liga Placard entre duas equipa com muito valor a atravessarem ambas algumas fragilidades.

Vencedor justo. O Fundão veio transfigurado, para muito melhor, do descanso, e com três golos de rajada “matou” a partida. Nítidas dificuldades da equipa da Ponte de Sor cujo regresso à competição está a ser um “parto difícil”…

Arbitragem desta equipa com insígnias FIFA sem problemas de maior e sem influência no resultado final.

Boa arbitragem.

O Fundão está logo atrás dos “grandes” num magnífico terceiro lugar e o Eléctrico caiu para o oitavo posto com dois jogos em atraso que o podem catapultar para o quinto lugar em caso de vitória. O Fundão vai ao Minho bater-se com o Sporting de Braga enquanto os alentejanos se deslocam à capital para a difícil tarefa chamada Sport Lisboa e Benfica, a liderar a Liga em parceria com o Sporting Clube de Portugal.

Ficha do Jogo:

ELÉCTRICO FUTEBOL CLUBE:
Diogo Basílio, Renan Fuzo, Rodriguinho, Luiz Fernando e Dudu.
Suplentes: André Correia, Diogo Mateus, Célio Coque, Gustavo Rodrigues, Miguel Pegacha, Kaique, Bruno Graça, Henrique Vicente.
Treinador: Kitó Ferreira.

Eléctrico Futebol Clube.

ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA DO FUNDÃO:
Luan, Nem, Jair, Mário Freitas e Guilherme Meira.
Suplentes: Tiago Couto, Wilson Cabral, Costinha, Rui Moreira, David Gomes .
Treinador: Nuno Couto.

Associação Desportiva do Fundão.

GOLOS:
Rodriguinho [2] e Bruno Graça (Eléctrico); Guilherme Meira, Nem, Jair [2], David Gomes e Mário Freitas (Fundão).

EQUIPA DE ARBITRAGEM:
Rúben Santos e Cristiano Santos (AF Porto)
Conometrista: José Moreira (AF Porto)

Equipa de Arbitragem: Rúben Santos e Cristiano Santos com os capitães de equipa.

No final fomos ouvir ps técnicos de ambos os conjuntos:

KITÓ FERREIRA (Treinador do Eléctrico):

Kitó Ferreira, treinador do Futsal do Eléctrico Futebol Clube.

NUNO COUTO (Treinador do Fundão):

Nuno Couto-Treinador do Fundão.

*Com David Belém Pereira (multimédia).

Nasceu a 30 de Janeiro de 1961 em Lisboa e cresceu no Alentejo, em Santiago do Cacém. Dali partiu em 1980 para ingressar no Exército e no Curso de Enfermagem. Foi colocado em Santa Margarida e por aqui fez carreira acabando por fixar-se no Tramagal em 2000. A sua primeira ligação à Vila "metalúrgica" surge em 1988 como Enfermeiro do TSU. Munido da sua primeira câmera digital, em 2009 e com a passagem à situação de reserva, começou a registar a fauna do Vale do Tejo, a natureza e o património edificado da região, as ruas, as pessoas... Com colaborações regulares em jornais da região e nacionais este autodidata acaba por conseguir o reconhecimento público, materializado em alguns prémios. Foi galardoado na 8ª Gala de Cultura e Desporto de Tramagal na categoria de Artes Plásticas (Fotografia) em 2013.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).