Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sexta-feira, Setembro 17, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Futebol | Utilização de jogador do União de Almeirim no jogo em Abrantes levanta dúvidas

A utilização de um jogador do União de Almeirim (UFCA SAD) no jogo de domingo com o Sport Abrantes e Benfica (SAB) na 1ª jornada do campeonato da 1ª divisão distrital está a levantar dúvidas quando à sua legalidade processual, tendo em conta que o jogador em questão havia sido expulso no jogo da Taça de Portugal e tem três jogos de castigo para cumprir. A questão é: cumpre os jogos de castigo este ano no campeonato distrital ou apenas na próxima época na Taça de Portugal? O Conselho de Disciplina da Associação de Futebol de Santarém já se pronunciou.

- Publicidade -

O jogador em questão é Jeferson Tomaz, e o União de Almeirim fez alinhar em Abrantes o jogador que tinha sido expulso na Taça de Portugal na semana anterior perante o União de Santarém (2-3). Tendo a equipa de Almeirim sido afastada da Taça de Portugal nesse desafio e Jeferson visto o cartão vermelho, o jogador, segundo a interpretação das leis pela direção do clube de Abrantes, teria de cumprir os três jogos de castigo no escalão a que está habilitado e em competição, ou seja, no campeonato da 1ª divisão distrital de Santarém, o que não sucedeu.

Contactado pelo mediotejo.net, o presidente da direção do SAB disse que o clube “está atento” à situação e que está a “diligenciar junto das entidades competentes no sentido de averiguar o que se passou”.

- Publicidade -

O clube presidido por Paulo Neto quer “saber das entidades competentes se o jogador atuou de forma legal e qual a efetiva interpretação do artigo 40.2 do Regulamento Disciplinar da FPF”, tendo o dirigente desportivo afirmado que o clube vai “atuar em conformidade”, tendo já efetuado um “pedido de esclarecimento junto da Associação de Futebol de Santarém e da Federação Portuguesa de Futebol”.

Entendimento diferente tem a direção do União de Almeirim SAD. Contactada pelo mediotejo.net, fonte da direção disse estar “tranquila em relação à interpretação da lei”, tendo assegurado ter “cumprido com o regulamento”.

Segundo a mesma fonte da direção do Almeirim, o castigo de três jogos ao jogador em causa “deverão ser cumpridos em próximos jogos da Taça de Portugal que o jogador dispute”, numa futura época desportiva, “ou no Campeonato de Portugal, na aproxima época, se o clube subir este ano de divisão”, rejeitando a interpretação que o Jeferson teria de cumprir o castigo no distrital de Santarém.

União de Almeirim venceu por 0-2 em Abrantes na 1ª jornada da 1ª divisão distrital da AF Santarém. Foto: mediotejo.net

O jogador em causa foi castigado com três jogos no CO nº142 da FPF, datado de 13-09-2019, situação disciplinar que, conjugada com o artigo nº40.2 do Regulamento Disciplinar da FPF, obrigaria ao cumprimento do castigo no escalão para o qual está habilitado, ou seja, o campeonato distrital, entende o SAB.

Se a interpretação da Lei por parte das autoridades competentes na matéria vier a confirmar a ilegalidade da utilização do jogador, o clube de Almeirim poderia ser sancionado com derrota e a perda dos três pontos conquistados no Estádio Municipal de Abrantes.

Entretanto, o Conselho de Disciplina da Associação de Futebol de Santarém já se pronunciou, dando como correta a utilização do jogador do União de Almeirim.

“Face ao disposto no Artigo 40º do Regulamento Disciplinar da Federação Portuguesa de Futebol, o atleta em causa terá sempre de cumprir o castigo em provas oficiais organizadas pela Federação Portuguesa de Futebol. Deste modo, o jogador está apto, se outro castigo não ocorra, a disputar jogos em provas de âmbito distrital. Assim, foi legal a sua participação no jogo Sport Abrantes e Benfica / União Futebol Clube de Almeirim, SAD”, pode ler-se no Despacho do Conselho de Disciplina da AF Santarém.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome