- Publicidade -

Segunda-feira, Janeiro 24, 2022
- Publicidade -

Futebol | União de Tomar mostrou credenciais e goleou o Abrantes e Benfica (c/ÁUDIO e FOTOS)

UNIÃO FUTEBOL COMÉRCIO E INDÚSTRIA DE TOMAR 5 – SPORT ABRANTES E BENFICA 1
Campeonato Distrital da AFS – 1ªDivisão – 14ªjornada
Estádio Municipal de Tomar António Fortes (Totói)
12-12-2021

- Publicidade -

O União de Tomar, líder incontestado do Campeonato Distrital da 1ª Divisão, entrou no Municipal que ostenta o nome duma das lendas do clube, Totói, apenas com uma derrota e um empate nas treze jornadas já disputadas.

Estádio Municipal António Fortes “Totói”.

O seu adversário entrou muito bem na competição mas por várias razões tem vindo a perder fulgor. A jogar em casa, os “rubro-negros” tinham , claramente o favoritismo.

- Publicidade -

Ciente das dificuldades, Paulo Séninho, técnico das “águias” de Abrantes, agravadas com ausências de peso no seu onze, teve de estudar uma estratégia que lhe permitisse sair de Tomar com um bom resultado.

Abrantes e Benfica defendeu bem.

Privilegiando a defesa, recuando linhas, procurando ter a equipa ligada, o Abrantes e Benfica conseguiu criar muitas dificuldades de progressão aos nabantinos. As suas jogadas atacantes, bem desenhadas, esbarravam numa muralha defensiva muito coesa e o melhor que conseguiram foi uma sequência de cantos.

- Publicidade -

Na primeira oportunidade do Abrantes, aos seis minutos, uma bola longa para as costas da defesa colocou João Marchão na cara do guarda redes Ivo Cristo. O avançado abrantino, com um chapéu bem medido, colocou a sua equipa na liderança do marcador e calava a bancada, composta, do Municipal tomarense.

João Marchão, à moda de Pizzi, festejou connosco.

A perder de forma inesperada competia à equipa de Filipe Pinto lutar contra algo que não lhe é familiar: estar por baixo na sua própria casa.

Dois minutos depois do golo, Anderson introduziu o esférico na baliza de João Rosa mas o lance já estava inviabilizado por Roxana Dobie, a juíza da partida, por posição irregular do brasileiro. A ganhar, a equipa de Abrantes defendia a parca vantagem com “unhas e dentes” e espreitava o contra golpe.

Aos 11 minutos João Marchão, tirando partido da sua velocidade, ganhou a linha de fundo, pelo lado esquerdo, serviu Elísio Menezes mas a defensiva da casa foi lesta a afastar.

Marchão foi importante na manobra dos abrantinos.

O minuto 13 foi aziago para Pedro Damas. O médio abrantino, lesionado, cedeu o seu lugar a Diogo Barrocas que Paulo Séninho tinha a descansar no banco.

Logo no minuto seguinte Tiago Vieira, com um excelente trabalho na área, proporcionou uma enorme defesa a João Rosa. O União de Tomar empurrava os abrantinos para o seu último reduto mas sem tradução prática no marcador. Só aos 25 minutos dispôs duma soberana oportunidade.

Wemerson recebeu de costas, na área, rodou e rematou forte. Passou perto do poste da baliza dos visitantes.

Wemerson deu muito trabalho à defensiva de Abrantes.

À meia hora, com o jogo em sentido único, o União de Tomar dispôs dum canto. Na conversão pediu-se mão dum defensor “encarnado” mas Roxana Dobie entendeu não ter havido ação faltosa e assinalou novo canto. Uma falta atacante inviabilizou a as intenções dos nabantinos.

Aos 34 minutos um remate traiçoeiro de Leandro obrigou João Rosa a defesa de recurso para canto. Na conversão Chrystian Pedroso subiu mais alto que os restantes e cabeceou para o fundo das redes, repondo a igualdade no marcador.

Chrystian Pedroso empatou de cabeça.

Com o empate pouco se alterou no aspeto do jogo, num resultado que continuava a agradar aos abrantinos. Aos 36 minutos, o guarda redes tomarense facilitou, não foi lesto a despachar a bola e permitiu a intromissão de João Marchão. A bola rematada contra Marchão não deu golo aos abrantinos mas permitiu uma rápida transição dos donos da casa.

Rui Sousa quis parar o contra golpe e a falta a meio campo valeu-lhe a amostragem do cartão amarelo. Protestou o banco dos abrantinos e o treinador adjunto Luís Macieira foi “convidado” a abandonar o banco por Roxana Dobie.

Roxana Dobie não permitiu excessos.

Aos 41 minutos Chrystian Pedroso, com João Rosa batido, rematou contra a muralha defensiva e a bola saiu pela linha lateral. Com o tempo esgotado na primeira parte Leandro cruzou para a área mas João Rosa, atento, amarrou.

Com o apito para o descanso os protagonistas regressaram aos balneários com alguma justiça no resultado. Se o União de Tomar saísse na frente não seria estranho porque foi a melhor equipa no primeiro tempo.

Muito atacou o União de Tomar.

Para o segundo tempo ambos os técnicos procederam a alterações. Na equipa da casa já não regressou Leandro, surgindo no seu lugar Pedro Pires, e Séninho trocou Elísio Menezes por Bruno Gonçalves.

Logo no recomeço o União entrou a todo gás e Wemerson caiu na disputa com João Rosa.
Roxana Dobie não descortinou nenhuma ação faltosa e mandou bater o pontapé de baliza.
Aos 53 minutos um cruzamento do lado esquerdo do Tomar encontrou Wemerson em boa posição na área mas a defesa abrantina voltou a superiorizar-se.

Tal como na primeira parte a defesa do Benfica esteve impecável até à hora de jogo.

Na resposta, do outro lado do campo, Marchão não conseguiu dar sequência ao cruzamento de Barrocas e o esférico perdeu-se pela linha de fundo.

Aos 55 minutos Marchão voltou a ter uma soberana ocasião para marcar. Na cara do guarda redes Ivo Cristo rematou ao lado.

Responderam os tomarenses com Wemerson a assistir o jovem Guilherme Nunes para corte atento da defensiva visitante.

Este menino, Gui Nunes, “partiu a loiça toda”!!!

Emergia nos nabantinos um jovem da “cantera”, entrado aos 28 minutos para o lugar de Anderson, Guilherme Nunes. Aos 58 minutos entrou na área com muito perigo. Valeu a experiência de Mateus que, com um desarme limpo, esconjurou o perigo.

A equipa visitante pareceu cair fisicamente à passagem da hora de jogo. Gui Nunes serviu Wemerson que da entrada da área tirou um adversário da frente e “escolheu” o sítio onde entrou a “redondinha”…

Consumada a remontada o União de Tomar “ganhou asas” e logo na reposição recuperou a bola e Wemerson devolveu ao seu jovem colega a boa assistência. Gui Nunes imitou o veterano companheiro e disparou um remate indefensável para João Rosa.

Wemerson dilatou a vantagem.

Em dois minutos apenas os tomarenses aceleravam para uma confortável vantagem de dois golos. A alguns excessos Roxana ia respondendo com autoridade e quer Wemerson quer o “capitão” Mateus viram a cartolina amarela.

Na sequência de uma falta dura de Mateus, aos 70 minutos, resultou um livre carregado de perigo para as redes dos visitantes. Na conversão um pequeno toque deixou para Wemerson que colocou na área num passe “adocicado” para a cabeçada vitoriosa de Henrique Santos.

Henrique Santos marcou o quarto da sua equipa.

O resultado começava a avolumar-se perante a incapacidade dos visitantes em reagir.
Com a equipa abrantina a “ver jogar”, Pedro Pires tirou mal as medidas ao chapéu a João Rosa e Gui Nunes, já de ângulo apertado, atirou por cima.

Aos 81 minutos João Rosa evitou que o forte remate de Pedro Pires tivesse sucesso, cedendo canto. Na conversão Chrystian Pedroso cabeceou à trave. Numa segunda vaga Henrique Santos obrigou o guarda redes abrantino a ceder novo canto.

Filipe Pinto refrescou a sua equipa e Diogo Pereira, acabado de entrar, trabalhou bem na área e rematou cruzado estabelecendo o 5-1 final aos 85 minutos.

Golo com dedicatória.

Em cima do tempo regulamentar Pedro Pires rematou contra Barrocas e já nos descontos João Marchão obrigou Ivo Cristo a defesa apertada para canto.

Quando Roxana Dobie apitou pela última vez já o sol se escondia na bonita cidade de Tomar e o resultado espelhava o que sucedeu no relvado do Municipal.

Ganhou a equipa mais forte que virou um resultado desfavorável para uma goleada.
O Benfica de Abrantes voltará a mostrar argumentos quando conseguir recuperar os habituais titulares.

União de Tomar com dinâmica de campeão.

Uma palavra de incentivo para a juíza da partida. Roxana Dobie cresceu, ganhou qualidade e a sua postura calma e proativa é, sem dúvida, uma mais valia. Uma árbitra a ter em atenção no futuro já que é uma aposta ganha da Comissão de Arbitragem da Associação de Futebol de Santarém. Muito bem auxiliada resultou numa exibição imaculada.

Jovem juíza esteve em grande nível.

Ficha do Jogo:

UNIÃO FUTEBOL COMÉRCIO E INDÚSTRIA DE TOMAR:
Ivo Cristo, David Pedroso (Fábio Luzio), Luís Caetano, Filipe Cotovio, Guilherme Graça, Henrique Santos, Tiago Vieira, Leandro (Pedro Pires), Anderson (Guilherme Nunes), Chrystian Pedroso (Diogo Pereira) e Wemerson (Douglas Pissona).
Suplentes não utilizados: Francisco Esteves e Siaka Bamba.
Treinador: Filipe Pinto.

União Futebol Comércio e Indústria de Tomar.

SPORT ABRANTES E BENFICA:
João Rosa, Miguel Catarino, Diogo Mateus, Manuel Vítor, Rui Sousa (Diogo Rocha), Pedro Damas (Fábio Barrocas), João Reis, Salgueiro (Hugo Costa), Francisco Pereira (Pedro Gonçalves), João Marchão e Elísio Menezes (Bruno Gonçalves).
Suplentes não utilizados: Ricardo Canais e Pedro Lopes.
Treinador: Paulo Séninho.

Sport Abrantes e Benfica.

GOLOS:
Chrystian Pedroso, Wemerson, Guilherme Nunes, Henrique Santos e Diogo Pereira (U.Tomar); João Marchão (Abrantes).

EQUIPA DE ARBITRAGEM:
Roxana Dobie, Carlos Covão e Francisco Pereira.

Equipa de Arbitragem: Roxana Dobie, Carlos Covão e Francisco Pereira com os capitães.

No final fomos ouvir os técnicos das equipas:

FILIPE PINTO (U.Tomar)

Filipe Pinto, treinador do União de Tomar. Foto: mediotejo.net

PAULO SÉNINHO (Abrantes)

Paulo “Seninho”, treinador do Sport Abrantes e Benfica.

FOTOGALERIA:

 

*Com David Belém Pereira (multimédia).

Nasceu a 30 de Janeiro de 1961 em Lisboa e cresceu no Alentejo, em Santiago do Cacém. Dali partiu em 1980 para ingressar no Exército e no Curso de Enfermagem. Foi colocado em Santa Margarida e por aqui fez carreira acabando por fixar-se no Tramagal em 2000. A sua primeira ligação à Vila "metalúrgica" surge em 1988 como Enfermeiro do TSU. Munido da sua primeira câmera digital, em 2009 e com a passagem à situação de reserva, começou a registar a fauna do Vale do Tejo, a natureza e o património edificado da região, as ruas, as pessoas... Com colaborações regulares em jornais da região e nacionais este autodidata acaba por conseguir o reconhecimento público, materializado em alguns prémios. Foi galardoado na 8ª Gala de Cultura e Desporto de Tramagal na categoria de Artes Plásticas (Fotografia) em 2013.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome