Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Quinta-feira, Maio 13, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Futebol | União de Santarém empata Alverca num resultado definido por penaltis (C/ÁUDIO)

UNIÃO DESPORTIVA DE SANTARÉM 1 – FUTEBOL CLUBE DE ALVERCA 1
Campeonato de Portugal – Acesso à Liga 3 – Série 6 – 2ª jornada
Campo Chã das Padeiras em Santarém
02-05-2021

- Publicidade -

A União Desportiva de Santarém, com um resultado negativo no último domingo, em sua casa tinha de pontuar frente a uma das equipas mais valiosas do Campeonato de Portugal, o Alverca, para poder sonhar com o acesso à Liga 3.

Duas equipas com a Liga 3 no horizonte.

- Publicidade -

Os alverquenses, uma equipa com bom desempenho, liderada por um “velha raposa” do futebol nacional, Toni Pereira, havia vencido na Marinha Grande por expressivos três golos sem resposta, assumindo desde logo o favoritismo desta série.

Equipa de Toni Pereira venceu folgado na Marinha Grande.

Não era fácil a tarefa dos pupilos de Acácio Santos. A capacidade de superação e compromisso dos valorosos jogadores unionistas deixavam antever um jogo carregado de emoção, jogado num relvado perfeito.

Entraram expectantes, com os visitantes a assumirem as “despesas” do jogo e de facto foram dos alverquenses as primeiras situações de perigo.

Equipa de Alverca entrou bem no jogo.

Aos seis minutos um cruzamento “rasgado” para a área dos escalabitanos, ao qual ninguém deu seguimento, provocou calafrios e funcionou como campainha de aviso.

No minuto seguinte um novo cruzamento do lado esquerdo teleguiado para o colombiano Ángel Torres foi cortado in-extremis por Jairo. o remate de ressaca originou um canto ficando os jogadores do Alverca a reclamar mão na bola.

O árbitro de Leiria, Tiago Pinto, decidiu-se, e bem, por um pontapé do quarto de círculo.

Hidalgo esteve em bom nível.

A resposta da União, à passagem do fatídico minuto 13, foi letal.

Nuno André, em velocidade, esgueirou-se pela ala direita do seu ataque, entrou na área onde foi tocado nas costas de forma faltosa por João Freitas. O árbitro não teve a mais leve dúvida e apontou para a marca dos onze metros.

Aí quem assumiu a responsabilidade pela cobrança foi o jogador que sofreu a falta. Nuno André bateu a meia altura para o lado direito do guarda redes José Costa que se lançou para o lado oposto.

Nuno André abriu a contagem de grande penalidade.

Com um clássico penalti, guarda redes para um lado, bola para o outro, a União saltou para a liderança cedo na partida.

O Alverca ripostou de imediato e na reposição Jorge Bernardo sofreu falta quando se preparava para entrar na área unionista. Do livre resultou boa defesa de Hidalgo, a punhos. A bola sobrou para Ángel Torres que rematou cruzado para uma defesa enorme do guarda redes da casa a negar o golo ao colombiano.

Na cobrança Hidalgo voltou a brilhar afastando a soco o canto superiormente batido por Tiago Morgado.

Alverca a correr atrás do prejuízo.

Aos 25 minutos surgiu a primeira contrariedade para a equipa da casa. Valter Jr. lesionou-se na coxa e foi obrigado a ceder o seu lugar a Flavinho enquanto Toni Pereira tirava o capitão Luís Pinto, que já vinha a acusar dificuldades, e lançou Jonata Bastos.

Com os jogadores a perderem-se em reclamações sucessivas, muito pressionantes sobre a equipa de arbitragem, o jogo estava ao rubro quando um remate “à queima” de Ángel Torres pareceu atingir Jairo no rosto.

Apesar de “apertado” o árbitro não concedeu qualquer livre assinalando pontapé da marca de canto.

Lesão de Valter Jr. obrigou Acácio Santos a mexer na equipa.

Com o jogo em toada de parada e resposta, com um jogo muito agradável de ver, o tempo voava…

Sem grandes lances prometedores de novo golo o jogo pareceu adormecer quando Jonata Bastos acelerou pelo lado esquerdo e cruzou tenso.

Jairo arriscou o “carrinho” e a bola foi ao braço em posição afastada do tronco e o árbitro, sem dúvidas, voltou a assinalar uma grande penalidade, desta vez na área contrária.

Jairo jogou com a mão na área e acabou expulso.

Como um mal nunca vem só o árbitro entendeu que Jairo não se limitou a tentar jogar o esférico mostrou-lhe o cartão…vermelho. Castigo pesado que se aceita. O direito discricionário assiste ao juiz da partida.

Com a União de Santarém em inferioridade numérica, Jonata encarregou-se da cobrança da penalidade e não falhou. Mais uma vez o guarda redes não teve capacidade de adivinhar e lançou-se para o lado errado.

Alverca empatou de grande penalidade.

Com o “placard” a registar nova igualdade e com sete minutos regulamentares no primeiro tempo para jogar, além de todo o complemento, a situação não estava favorável às cores da casa. O intervalo chegou com um aceitável empate e a curiosidade de ver, no segundo tempo, como iria reagir a equipa de Santarém ao assédio dos alverquenses, com mais um elemento.

Quem esperava um massacre cedo tirou o “cavalinho da chuva”…
Os donos da casa, com muita serenidade e segurança defensiva, ainda arranjou engenho para ameaçar o extremo reduto da equipa que tem como diretor desportivo o magnífico guarda redes Artur Moraes que pendurou as chuteiras ao serviço da Chapecoense em 2018, depois de brilhar no Benfica.

Artur, presente na tribuna, viu o seu adversário através do veloz Vasco Matos, entrado ao intervalo, ameaçar as redes de José Costa. A bola acertou num defensor e morreu nas mãos do guarda redes. Aos dois minutos do segundo tempo o aviso estava dado.

Jovens escalabitanos fizeram um excelente jogo.

Com o Alverca a ter dificuldades de construção, por culpa própria e por mérito do adversário, a União ia fazendo pela vida. Espreitava uma ocasião para contra atacar…

Surgiu aos 55 minutos com Flavinho a cruzar do lado esquerdo do seu ataque com Vasco a chegar um tudo nada atrasado. João Costa agarrou com segurança.

O Alverca respondeu aos 58 minutos com um remate fraco e denunciado de Tiago Morgado para defesa fácil de Hidalgo.

Pouco se fez sentir a inferioridade escalabitana.

O Alverca, a querer vencer o jogo, subia as linhas correndo sérios risco no reduto mais recuado.

A velocidade dos atacantes da equipa da casa compensavam a inferioridade numérica e estavam francamente a criar enormes problemas à defesa visitante a não ter “manta” para tapar todo o terreno.

Aos 63 minutos Vasco Lopes cruzou com boa conta para a cabeça de João Monteiro. A cabeçada saiu fácil para o guarda redes.

Segurança defensiva foi chave para conquistar um precioso ponto.

Estávamos a atingir o meio tempo da segunda parte e a verdade é que a equipa da casa foi a que esteve mais perto de marcar.

Mas o Alverca começou a reagir, procedendo Toni Pereira a mexidas no xadrez, corrigindo a postura da sua equipa.

Aos 67 minutos Tiago Gomes, recém-entrado, rematou cruzado, embatendo o esférico num defensor, ganhando um canto. Tiago voltou a ser o foco das atenções ao cruzar rasteiro e tenso sem que nenhum colega conseguisse a emenda.

Alverca não conseguiu impor o seu favoritismo.

O Alverca estava mais em jogo e competia à equipa de Acácio Santos não deitar tudo a perder…
Com uma louvável atitude continuou a mostrar boa ligação entre setores, muita solidariedade entre jogadores ia levando a “água ao seu moinho”.

Aos 73 minutos Felipe Ryan rematou fraco, não criando problemas a Hidalgo. No minuto seguinte foi Jorge Bernardo o autor dum perigoso cruzamento. Ryan ganhou novo canto.

Jogo com bom ritmo.

A reação à pressão alverquense teve resposta aos 81 minutos. Nuno André ganhou a frente ao marcador direto, em velocidade e ao entrar na área tentou “ganhar” uma penalidade. O árbitro do encontro mostrou estar atento e exibiu o cartão amarelo ao atleta escalabitano.

Os minutos finais foram de muito trabalho para a equipa da casa. Aos 85 minutos Hidalgo voltou a estar em bom nível ao socar uma bola muito perigosa.

Ryan atirou ao poste.

Hidalgo parecia realmente intransponível e com outra defesa de elevado grau de dificuldade magnífica estética negou o golo a Felipe Ryan. A recarga do mesmo Ryan foi à base do poste e perdeu-se para lá da linha final. A sorte dá muito trabalho…!!!

Em cima do tempo regulamentar, antes dos quatro minutos de compensação, Pedro Venaque enjeitou a última grande ocasião de poder dar a vitória aos visitantes, atirando para longe.

Árbitro acompanhou de perto os lances e acertou maioria das decisões apesar de muita pressão.

Com o apito final de Tiago Pinto caiu o pano num bom jogo, com a União de Santarém a dar uma grande resposta às dificuldades criadas por uma equipa muito bem apetrechada que jogou 52 minutos com mais uma unidade.

Empate, que com as condicionantes, soube a vitória e deixou água na boca. Esta equipa de Santarém promete. Desloca-se à Marinha Grande com o Alverca a receber o Condeixa, equipas que também empataram nesta segunda jornada.

Ficha do Jogo:

UNIÃO DESPORTIVA DE SANTARÉM:
Nuno Hidalgo, Cláudio Tavares, Jairo, Kiki Ballack, Allan Peixoto, André Tavares, Diogo Pires (Francisco Pacheco), Nuno André (Gustavo Filipe), João Fernandes (Vasco Lopes), João Monteiro (Dontaye Whittaker) e Valter Jr. (Flavinho).
Suplentes não utilizados: Titinho e Iuri Gomes.
Treinador: Acácio Santos.

União Desportiva de Santarém. Foto: Arquivo mediotejo.net

FUTEBOL CLUBE DE ALVERCA:
José Costa, Jorge Bernardo, João Freitas, Léo Bolgado, David Dinamite (Tiago Gomes), Eurico Lima, Filipe Ryan, Tiago Morgado (Pedro Venaque), Ángel Torres (Jefferson Nem), Sérgio Santos (Jonata Bastos).
Suplentes não utilizados: Joel Dias, Carlitos e Hugo Ventosa.
Treinador: Toni Pereira.

Futebol Clube de Alverca.

GOLOS:
Nuno André [g.p.] (Santarém) e Jonata Bastos [g.p.] (Alverca).

EQUIPA DE ARBITRAGEM:
Tiago Pinto, Gracindo Vieira e Eduardo Gaspar.
4º árbitro: Diogo Martinho (AF Leiria)

Equipa de Arbitragem: Tiago Pinto, Gracindo Vieira e Eduardo Gaspar com os caitães.

DISCIPLINA
Cartão amarelo: André Tavares, Nuno André e João Fernandes (Santarém); João Freitas, Léo Bolgado, David Dinamite e Ángel Torres (Alverca).
Cartão vermelho: Jairo (U.Santarém).

No final fomos ouvir os responsáveis técnicos das equipas.
Do lado do Alverca compareceu no “flash interviu” o treinador-adjunto de Toni Pereira, Tiago Mota.

ACÁCIO SANTOS (Santarém)

Acácio Santos, treinador do União de Santarém. Foto: mediotejo.net

TONI PEREIRA (Alverca)
Áudio de Tiago Mota

Toni Pereira, treinador do Alverca.

*Com David Belém Pereira (multimédia).

Nasceu a 30 de Janeiro de 1961 em Lisboa e cresceu no Alentejo, em Santiago do Cacém. Dali partiu em 1980 para ingressar no Exército e no Curso de Enfermagem. Foi colocado em Santa Margarida e por aqui fez carreira acabando por fixar-se no Tramagal em 2000. A sua primeira ligação à Vila "metalúrgica" surge em 1988 como Enfermeiro do TSU. Munido da sua primeira câmera digital, em 2009 e com a passagem à situação de reserva, começou a registar a fauna do Vale do Tejo, a natureza e o património edificado da região, as ruas, as pessoas... Com colaborações regulares em jornais da região e nacionais este autodidata acaba por conseguir o reconhecimento público, materializado em alguns prémios. Foi galardoado na 8ª Gala de Cultura e Desporto de Tramagal na categoria de Artes Plásticas (Fotografia) em 2013.

- Publicidade -
- Publicidade -

COMENTÁRIOS

Please enter your comment!
O seu nome