Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Terça-feira, Novembro 30, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Futebol | Torres Novas vence em Abrantes com exibição segura (com fotos e audio)

UNIÃO DESPORTIVA ABRANTINA 1 – CLUBE DESPORTIVO DE TORRES NOVAS 3
Campeonato Distrital de Santarém da 1ª Divisão
Estádio Municipal
Abrantes
22-10-2017

- Publicidade -

Minuto de silêncio em homenagem às vítimas dos incêndios.

No bonito Estádio Municipal de Abrantes apresentaram-se duas boas equipas com um início de campeonato bem diferente. A Abrantina, ainda sem pontos, procurava rectificar um início pouco conseguido. O Torres Novas que se estreou com duas vitórias, tendo sucumbido no Alves Vieira às mãos do Ouriense na última jornada, a querer provar que o percalço estava ultrapassado.

- Publicidade -

Tarde de sol, algum vento, relva bem aparada, regada e duas equipas com valor. Uma boa panóplia de razões para atrair o público abrantino que teima em não aderir e a comparecer em reduzido número. Antes do início da contenda respeitou-se um minuto de silêncio em memória das vítimas dos incêndios que assolaram o País.

O jogo começou com as equipas a respeitarem-se e em estudo mútuo. Apesar das cautelas o Torres Novas ganhou um livre logo aos dois minutos e aproveitou para testar a defesa da casa. O lance foi anulado por posição irregular dum jogador torrejano.

Abrantina nunca deixou de tentar o ataque.

Os amarelos começavam a tentar meter velocidade no jogo e João Magalhães cruzou, aos seis minutos, para Timor que falhou por pouco ao primeiro poste. Na resposta a Abrantina conquistou um canto que a defesa torrejana afastou e permitiu a Fábio
Rodrigues um bom pontapé de ressaca que no entanto passou ao lado.

À passagem do minuto onze José Pedro, um quebra-cabeças para os três centrais forasteiros, ganhou em velocidade e com um adversário pela frente, sem linhas de passe, optou pelo remate que saiu fraco mas ao bater no defesa traiu Galrinho. Estava
inaugurado o marcador no Municipal de Abrantes.

José Pedro marcou o golo da Abrantina.

O Torres Novas reagiu à adversidade e começou a ter algum ascendente. Aos 16 minutos, a culminar uma sequência de cantos Ivan cabeceou levando a bola a passar muito perto da baliza abrantina. Devido à entrega dos jogadores e a alguma excessiva dureza o jogo teve momentos menos bonitos. José Pedro respondendo com destempero a uma entrada mais ríspida cometeu falta passível de acção disciplinar. Pediu-se o vermelho no banco torrejano
mas o árbitro Mário Vieira ficou-se pelo amarelo e a marcação dum livre perigoso, à entrada da área, descaido pela esquerda.

A bola batida com boa conta caiu na cabeça do gigante Sudesh que fez o que melhor sabe fazer. Subiu mais alto que toda a gente, cabeceou e a bola anichou-se nas redes de Daniel Marques. Estava reposta a igualdade aos 20 minutos da partida. A única onde havia golos. Por esta altura todos os outros jogos estavam em branco.

Sudesh já cabeceou para o primeiro golo do T.Novas.

Assistiu-se então a uma boa reação da equipa de Abrantes. Aos 29 minutos Luis Ferreira, em centro-remate, levou a bola a embater na trave de Rui Galrinho. Pouco depois, aos 33 minutos, a Abrantina beneficia dum livre, descaido pela esquerda, próximo da área.

A bola embateu com violência na barreira permitindo recarga do capitão Toni que passou por cima. Aos 40 minutos a equipa da casa ganhou dois cantos mas o segundo seria anulado por falta atacante de José Pedro. O intervalo haveria de chegar sem alterações no marcador num resultado de todo aceitável.

Em jogo correto destempero de José Pedro valeu amarelo e livre perigoso.

As equipas regressaram do intervalo disposta a fazerem algo para desiquilibrar o jogo a seu favor. Aos 48 minutos os torrejanos viram ser anulado um golo de Ivan por ter sido obtido em posição irregular. As equipas adoptavam estratégias diferentes. Os da casa, com boa circulação de bola e transições ofensivas seguras esbarravam na bem escalonada defesa de Torres Novas que, entregando a iniciativa ao adversário, espreitava uma oportunidade de lançar bolas nas costas da defesa contrária. Com isto criou-se algum equilíbrio no jogo.

Aos 57 minutos a defensiva forasteira permite um roubo de bola e a Abrantina lançou Hélio Ocante que rematou contra a defensiva e ganhou um canto. Na conversão Diogo Barrocas rematou por cima. O jogo aquecia e as perdidas sucediam-se.

Diogo Barrocas tenta servir Ocante com a oposição dos gémeos Iuri e Ivan.

Aos 61 minutos Rafael Silva ensaiou um forte remate de longe. Saiu por cima.
Na resposta João Magalhães, usando a sua velocidade e beneficiando da estratégia jizada por Nando Costa, isolou-se e quis fazer um “bonito”… Rematou em jeito para fora.

Na reposição Barrocas é apanhado em boa posição para marcar mas acertou no experiente Galrinho. Nesta fase de futebol vistoso, repartido pelos dois meios-campo, o golo poderia surgir a todo momento.

O histórico massagista da UDA, Manuel João, assiste Luís Ferreira.

E foi no minuto 64 que os visitantes ganharam um livre, descaido pelo lado esquerdo. A bola passou por meio mundo até aparecer na área de acção de Ricardo Major que não enjeitou a oportunidade para virar o jogo a favor da sua equipa. Pareceu acusar o golo a equipa de Abrantes. Na reposição o Torres Novas rapidamente recuperou a bola e lançou mais uma vez

João Magalhães em velocidade. Melhor a assistir do que a marcar voltou a falhar na cara de Daniel Marques. O remate em arco proporcionou vistosa defesa ao guarda redes da casa.

Abrantina tenta chegar à área adversária por José Pedro.

O jogo voltou a sossegar e só voltou a ter alguma emoção quando André Miguel, recentemente entrado, executou um corte com a mão valendo o amarelo e um livre perigoso à entrada da área descaido pela esquerda. Daniel Marques resolveu.

A Abrantina, com forças escassas, colocou a carne toda no assador. Subiu linhas e procurou a sorte. Com isso expôs-se aos rápidos contrataque do Torres Novas.

Barrocas tenta parar Ivan .

Aos 83 minutos João Magalhães tem uma fulgurante arrancada pela direita, em cima da linha de meio campo, ganhou posição e assistiu Soma, que o acompanhava pelo centro do terreno. Soma, com o guarda redes pela frente, não perdoou e “matou” o jogo fazendo o resultado final.

Bom jogo com vitória justa da equipa mais madura. A Abrantina, com a qualidade que apresenta, ainda poderá rectificar o nulo que apresenta em termos pontuais.
A equipa de arbitragem teve decisões difíceis, muito contestadas por ambos os bancos mas não teve influência no resultado. Quando assim é…

Miguel Catarino, em acção de ataque, cruza com a oposição de Iuri.

FICHA DE JOGO

UNIÃO DESPORTIVA ABRANTINA:
Daniel Marques, Miguel Catarino (André Miguel), Toni, Duarte Basílio, Luís Ferreira, Diogo Mateus, Fábio Rodrigues (José Carlos), Diogo Barrocas, José Pedro, Rafael Silva (Luís Estriga) e Hélio Ocante.
Suplentes não utilizados: João Felix, João Rodrigues, Manuel Vitor e João Rui.
Treinador: Seninho.

União Desportiva Abrantina.

CLUBE DESPORTIVO DE TORRES NOVAS:
Rui Galrinho, Fábio Timor, Dani, Iuri, Tiago Vieira (Dias), Marco Carvalho, Ivan, José Brites, João Magalhães (Micael), Ricardo Major (Soma) e Sudesh.
Suplentes não utilizados: Quaresma, Paz Miguel e Chiquinho.
Treinador: Nando Costa.

Clube Desportivo de Torres Novas.

GOLOS: José Pedro (UDA); Sudesh, Ricardo Major e Soma (T.Novas).

EQUIPA DE ARBITRAGEM:
Mário Vieira, Miguel Marques e Hugo Parente

Equipa de arbitragem: Mário Vieira, Miguel Marques e Hugo Parente com os capitães de equipa.

ACÇÃO DISCIPLINAR
Cartão amarelo: José Pedro e André Miguel (UDA); Soma (T.Novas).

No final ouvimos os Treinadores:

Seninho-Treinador da UDA.

Nando Costa-Treinador do Torres Novas.

*Com David Pereira (fotos).

Nasceu a 30 de Janeiro de 1961 em Lisboa e cresceu no Alentejo, em Santiago do Cacém. Dali partiu em 1980 para ingressar no Exército e no Curso de Enfermagem. Foi colocado em Santa Margarida e por aqui fez carreira acabando por fixar-se no Tramagal em 2000. A sua primeira ligação à Vila "metalúrgica" surge em 1988 como Enfermeiro do TSU. Munido da sua primeira câmera digital, em 2009 e com a passagem à situação de reserva, começou a registar a fauna do Vale do Tejo, a natureza e o património edificado da região, as ruas, as pessoas... Com colaborações regulares em jornais da região e nacionais este autodidata acaba por conseguir o reconhecimento público, materializado em alguns prémios. Foi galardoado na 8ª Gala de Cultura e Desporto de Tramagal na categoria de Artes Plásticas (Fotografia) em 2013.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome