Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Setembro 25, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Futebol | Ouriense vence Estoril com exibição sólida e golo de calcanhar de Flávia Fartaria

ATLÉTICO CLUBE OURIENSE 1 – GRUPO DESPORTIVO ESTORIL PRAIA 0
Liga BPI – Campeonato Nacional da 1ª Divisão Feminino – Série Manutenção – Zona Sul
Campo da Caridade em Ourém
31-01-2021

- Publicidade -

Jogo grande em Ourém, no que à manutenção na Liga BPI, diz respeito. No sintético do Campo da Caridade apresentaram-se duas equipas com história na modalidade e com um percurso imaculado na segunda fase da prova, a das grandes decisões. Aqui se define quem permanece no convívio dos grandes ou quem desce à divisão secundária.

Jogo intenso no Campo da Caridade, em Ourém.

- Publicidade -

Com a repartição dos pontos da época regular ao meio, o Estoril, que por muito pouco não se apurava para a série de apuramento do Campeão, ficou com mais três pontos que as ourienses, distância que se mantinha pois ambos os conjuntos venceram os dois jogos disputados nesta segunda fase.

Encontraram-se duas equipas invictas nesta fase.

Era a oportunidade do Ouriense de, vencendo, igualar pontualmente o seu adversário, ficando em ótima posição para se manter na elite do futebol feminino, apesar de faltaram muitas partidas para disputar já que esta série será disputada em duas “mãos”.

Apresentando uma equipa mais forte em termos físicos que o Estoril, a equipa da casa tirou proveito disso desde o apito inicial. Carol Pretona comandava a sua defensiva não deixando as adversárias por o “pé em ramo verde”.

Seguras defensivamente, as ourienses, tentavam passar o superpovoado meio campo para chegar à baliza de Isabel Peixeiro.

Com as equipas ainda a encaixar, apenas aos seis minutos, a bola rondou uma das balizas. O Estoril rompeu a barreira defensiva e entrou na área da equipa da casa. Ao bom cruzamento sucedeu-se uma falta atacante que inviabilizou o lance.

Grandes duelos ao meio campo.

Aos dez minutos de jogo, o reforço de inverno, Farida Machia, embalou pelo flanco esquerdo, entrou na área e como o apoio tardou em chegar rematou contra uma adversária, ganhando um canto.

Jogava-se muito sobre o meio campo, com muitos duelos individuais e perdas de bola, não conseguindo as equipas aproximarem-se da zona de tiro. À passagem do quarto de hora o Estoril beneficiou dum canto. Pipa Rodrigues apareceu no chão, queixando-se de ter sido agarrada, mas a juíza da partida, Patrícia Coutinho, bem posicionada, nada assinalou.

Estava difícil aos ataques ultrapassarem as bem escalonadas defensivas e a meia distância podia ser opção. Foi o que fez Laura Spenazzatto aos 20 minutos mas o esférico perdeu-se para lá da linha de fundo.

Bolas paradas foram opção.

Outra das opções foram as bolas paradas…
Aos 22 minutos o Ouriense ganhou um livre do lado direito, ainda longe da área, e Anita Santos tocou curto para Spenazzatto que colocou no coração da área onde apareceu Carol Pretona sem conseguir, no entanto, a emenda vitoriosa.

Pouco depois, aos 25 minutos, Juliana Domingues fez todo o corredor direito, cruzou tenso para perto do poste mais próximo e a guarda redes Isabel Peixeiro teve de se aplicar, cedendo canto. A árbitro da partida, num claro equívoco, concedeu pontapé de baliza para as “canarinhas”.

Guarda redes estorilista com tarde de trabalho.

No minuto seguinte, na conversão dum canto para a equipa da casa, Carol Pretona chegou primeiro que a guarda redes e quando a bola se encaminhava para a baliza uma defesa tirou “in extremis” para canto.

Estava melhor o Ouriense nesta fase do jogo mas tinha dificuldade em materializar em golos o poderio territorial e a maior posse de bola. O ataque sistemático ao último reduto da “equipa da Linha” expunha as púpilas de João Gonçalves a “venenosos” contra ataques.

Foi o que sucedeu aos 33 minutos quando um cruzamento vindo da ala esquerda das estorilistas encontrou Patrícia Galrito na área, em boa posição para marcar. Numa excelente receção orientada, rodou sobre uma adversária e rematou contra uma defensora, ganhando um canto. Bom momento do Estoril…

Estoril à procura do contra golpe.

Já com as pernas a pedirem descanso, aos 40 minutos, um cruzamento das estorilistas saiu demasiado largo acabando a bola por sair pela lateral. Patricia Coutinho ainda concedeu dois minutos, a título de compensação, mas pouco ou nada aconteceu de relevante.

Quando o descanso chegou o resultado aceitava-se apesar do sinal mais pertencer à equipa de Ourém. A ineficácia, num jogo muito intenso mas com nota artística baixa, justificava o nulo ao intervalo.

Aceitava-se bem o nulo ao intervalo.

João Gonçalves, técnico do Atlético Ouriense, não estava satisfeito com a produção ofensiva da sua equipa e tirou Maria Baleia, lançando no recomeço a internacional moçambicana Lúcia Leila. Tentava, assim, ganhar “músculo” no ataque, colocando a defensiva contrária “em sentido”.

Logo na jogada de abertura a paraguaia Rosa Miño rematou de muito longe, testando a atenção de Isabel Peixeiro que, adiantada, defendeu com dificuldade.

Ana Beja corta em esforço.

O Ouriense reentrou muito forte e no segundo minuto Flávia Fartaria cruzou para a área onde a guarda redes desentendeu-se com uma defesa mas acabou por defender num momento de enorme “frisson”…

À passagem dos 52 minutos o Ouriense beneficiou dum livre, perto do meio campo, descaído para o lado esquerdo. Num lance bem estudado, Anita Santos simula o cruzamento, lançou Laura Spenazzatto pela ala esquerda até à linha.  Cruzou muito puxado ao primeiro poste, onde a bola embateu.

A defensiva “canarinha” não foi lesta a afastar e a capitã Flávia Fartaria, de calcanhar, acabou por introduzir o esférico na baliza. Um golo “à Madjer” colocava o Ouriense na frente do marcador ainda com muito para jogar.

Golo solitário da capitã Flávia Fartaria voltou a valer a vitória.

Tentou responder a equipa da Linha de Cascais e Beatriz Fonseca, logo a seguir ao golo, no centro da área, obrigou Quézia a defesa para canto. Na cobrança do livre do quarto de círculo a confusão instalou-se na área ouriense resultando em novo canto.

Aos 57 minutos, Tânia Rodrigues tentou da meia distância mas o esférico passou longe da baliza à guarda da brasileira Quézia Proença. Pouco depois o Atlético beneficiou dum livre que, batido para dentro da área, resultou numa falta atacante.

Estoril subiu à procura do empate.

Aos 61 minutos o Estoril Praia aproveitou um livre para testar uma jogada ensaiada. Catarina Carmo rematou contra a defensiva da casa, gorando-se a iniciativa.

No minuto seguinte novo livre, descaído pelo lado esquerdo do ataque estorilista, proporcionou a Pipa Rodrigues novo ensejo para alvejar a baliza de Quézia. A bola, batida com força e muito colocada, proporcionou à guarda redes ouriense a defesa da tarde, num magnífico voo. Grande momento de futebol…

Fantástico voo de Quézia garantiu a vitória.

A meio da segunda parte novo livre para as “canarinhas” deu a Pipa nova oportunidade de bater Quézia. O remate forte ficou na barreira.

Na resposta Farida Machia embalou pelo lado direito, tentou cruzar para corte perfeito da defensiva. Farida não deu o lance como perdido e foi à luta mas o auxiliar já havia levantado a bandeirola assinalando fora de jogo à internacional camaronesa do Atlético Ouriense.

Em cima dos 70 minutos o Ouriense ganhou um livre a meio campo sendo a bola bombeada para a área onde surgiu Rosa Miño a tentar rematar de forma acrobática mas para fora. No lance seguinte Flávia Fartaria caiu na área e pediu-se penalti. A árbitro não atendeu e mandou jogar.

Farida Machia não marcou mas mostrou bons argumentos.

A faltarem 15 minutos para o final do tempo regulamentar Anita Santos encheu o pé, muito longe da baliza, mas o remate não levou a direção desejada.

No minuto seguinte a marcadora de livres do Estoril, Pipa Rodrigues, tentou bater Quézia, de longe sem atinar com a baliza da equipa da casa. Aos 77 minutos Lúcia Leila tentou cruzar do lado esquerdo mas de forma ineficaz. O esférico ganhou velocidade e foi acabar nas luvas de Isabel Peixeiro.

Alguma dureza mas enorme “fair play”.

O jogo aproximava-se do final sem que as equipas, esgotadas, mostrassem potencial para marcar. Com a maior parte das jogadoras a acusarem cansaço, Farida ainda arranjou velocidade para corresponder à solicitação duma colega. A norte americana Chloe Gorman, a jogar com proteção facial, antecipou-se e atrasou de cabeça para a sua guarda redes.

Pouco depois subiu a placa com o algarismo “cinco”, os minutos para jogar a título de compensação. Tempo para Laura Spenazzatto enviar o esférico a rasar o poste na transformação dum livre direto. Pouco depois a juíza do encontro deu o mesmo por terminado.

Liderança repartida destas duas equipas.

O Atlético Ouriense acabara de concretizar a terceira vitória, noutros tantos jogos, batendo o líder e passando para a liderança partilhada com o seu adversário com treze pontos.
Um resultado perfeitamente ajustado à equipa que mais procurou a vitória. O Estoril não teve a sorte do seu lado mas também pouco fez por isso.

Grande golo de Flávia Fartaria e uma enorme defesa de Quézia Proença que continua a manter a sua baliza incólume nesta fase, já com três jogos disputados. Boa arbitragem.

Patrícia Coutinho teve de mostrar muitos amarelos, refreando as jogadoras mais impetuosas.

Ficha do Jogo:

ATLÉTICO CLUBE OURIENSE:
Quézia Proença, Rosa Miño, Juliana Domingues, Laura Spenazzatto, Anita Santos, Ana Beja, Flávia Fartaria (Joana Magalhães), Maria Baleia (Lúcia Leila), Sofia Silva, Farida Machia (Jeka) e Carol Pretona.
Suplentes não utilizadas: Lara Dias, Ana Ferreira, Catarina Rodrigues e Laura Pires.
Treinador: João Gonçalves.

Clube Atlético Ouriense.

GRUPO DESPORTIVO ESTORIL PRAIA:
Isabel Peixeiro, Ana Rita Soares (Jéssica Chaveiro), Catarina Carmo (Mariana Coelho), Chloe Gorman, Ana Rita Viegas, Tânia Rodrigues, Beatriz Fonseca, Pipa Rodrigues, Patrícia Galrito, Filipa Marques e Jocilene Semedo (Débora Esteves).
Suplentes não utilizadas: Bárbara Macedo, Iris Ferreira, Sofia Nunes e Andreia Marques.
Treinador: José Nunes.

Grupo Desportivo Estoril Praia.

GOLO: Flávia Fartaria.

EQUIPA DE ARBITRAGEM: Patrícia Coutinho, Paulo Silva e João Lomba (AF Viana do Castelo)
4ª Árbitro: Marlene Vieira (AF Braga).

Equipa de arbitragem: Patrícia Coutinho, Paulo Silva e João Lomba com as capitãs.

DISCIPLINA
Cartão Amarelo: Anita Santos, Quézia Proença, Ana Beja, Flávia Fartaria e Joana Magalhães (Ouriense); Filipa Rodrigues e Beatriz Fonseca (Estoril).

No final o mediotejo.net ouviu os técnicos das duas equipas.

JOÃO GONÇALVES (Treinador do Ouriense):

João Gonçalves. treinador do Ouriense.

JOSÉ NUNES (Treinador do Estoril Praia):

João Nunes, treinador do Estoril Praia.

*Com David Belém Pereira (multimédia).

Nasceu a 30 de Janeiro de 1961 em Lisboa e cresceu no Alentejo, em Santiago do Cacém. Dali partiu em 1980 para ingressar no Exército e no Curso de Enfermagem. Foi colocado em Santa Margarida e por aqui fez carreira acabando por fixar-se no Tramagal em 2000. A sua primeira ligação à Vila "metalúrgica" surge em 1988 como Enfermeiro do TSU. Munido da sua primeira câmera digital, em 2009 e com a passagem à situação de reserva, começou a registar a fauna do Vale do Tejo, a natureza e o património edificado da região, as ruas, as pessoas... Com colaborações regulares em jornais da região e nacionais este autodidata acaba por conseguir o reconhecimento público, materializado em alguns prémios. Foi galardoado na 8ª Gala de Cultura e Desporto de Tramagal na categoria de Artes Plásticas (Fotografia) em 2013.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome