Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Outubro 16, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Futebol/Iniciados | Pragmatismo da Ac de Santarém aproveita erros do CADE (C/FOTOS e AUDIO)

Os iniciados do CADE perderam frente em casa frente à Académica de Santarém por 0-2 para o Nacional da categoria, 2º Fase, Zona Centro, de apuramento de campeão, e ocupa assim a última posição da tabela, depois de um arranque de campeonato muito positivo, perante adversários de grande valia. Já a equipa forasteira mantém um registo positivo com quatro vitórias consecutivas e sobe à liderança.

- Publicidade -

O Complexo Desportivo do Bonito acolheu a jornada 11 que teve em campo duas equipas com argumentos diferentes. A equipa da casa que vinha de uma série de três derrotas seguidas e procurava encontrar os três pontos para subir na tabela classificativa. Pequenos erros da equipa da casa custaram-lhe os três pontos em disputa, apesar de uma segunda parte mais conseguida, mas sem conseguir concretizar.

O seu opositor, pelo contrário, veio para este jogo com três vitórias seguidas e sem qualquer golo sofrido nestes últimos três desafios, ocupando a segunda posição com 17 pontos, menos dois pontos em relação ao líder, a Académica de Coimbra. Foi mais pragmática, jogou com mais tranquilidade, e aproveitou os erros dos adversários para vencer o desafio.

- Publicidade -

Num relvado natural, a bola começou a rolar com muitos olhares dentro das quatro linhas, as equipas apresentaram um 4x3x3 em losango e foi a equipa de Santarém que começou a entrar melhor no jogo, a tentar procurar profundidade pelo meio interior aproveitando a velocidade do ponta-de-lança Guilherme Nunes. Tinham consigo mais posse de bola ocupando a maior parte do tempo o meio campo adversário, mostrando-se a defesa do CADE estava bastante consistente.

A nível ofensivo a equipa da cidade do Entroncamento, tinha muitas dificuldades na sua primeira construção, realizavam maus passes e não conseguiram utilizar a sua ideia de jogo. Muitas bolas disputadas e ao mesmo tempo muito faltosas as jovens equipas, perdendo algum ritmo de jogo.

O CADE foi uma equipa muito forte nos lances de bola parada e daí resultou a primeira oportunidade do jogo. Depois de um livre batido, abrindo o espaço no corredor direito, o jovem jogador do CADE colocou o esférico para a pequena área e após cabeceamento a bola embateu no travessão. Ainda surgiu a recarga, com o guarda-redes da Ac. Santarém praticamente batido, e foi o defesa central quem tirou o golo mesmo em cima da linha de baliza.

Na resposta, a Ac. Santarém mostrou a sua eficácia. Pedro Ferreira ultrapassou a defesa do CADE pelo corredor interior e frente ao guardião João Cascão só teve que encostar, com um remate rasteiro com o pé direito. Ao minuto 16 o marcador já mexia e mostrava a realidade do encontro, com uma primeira parte superior da equipa forasteira.

Depois do golo, o jogo ficou muito aceso, muita agressividade em ambas as partes e por consequência ao minuto 19, David Pedrogam viu um cartão amarelo por entrada dura sobre o adversário e isso levou muitos protestos no banco suplentes da Ac. Santarém que originou intervenção do árbitro Luís Tavares.

A equipa da capital do distrito chegava com mais perigo à baliza de João Cascão, e foi numa jogada de profundidade de transição ofensiva que Guilherme Nunes arrancou uma grande penalidade. Rafael Alcobia conseguiu converter, enganando o guardião do CADE, bola para um lado guarda-redes para outro. Notava-se a superioridade e o resultado mostrava isso mesmo.

O final da primeira parte, constatou uma pequena inferioridade da equipa do CADE para o Ac. Santarém, os da cidade ferroviária não entraram muito bem no jogo, e a sua construção ofensiva não era eficaz devido ao bom posicionamento do meio campo adversário que não permitia veleidade no explorar dos poucos espaços vazios.

Ao entrar para a segunda metade do encontro, ambos os técnicos realizaram alterações, no caso do CADE, Fábio Pereira colocou Francisco Branco, João Dias e Jaime Rodrigues para as saídas de João Maranga, Frederico Bento e Eduardo Anacleto, respectivamente, para sobretudo refrescar a equipa, dar oportunidade ao jovens e, principalmente, tentar mudar o rumo dos acontecimentos.

A Ac. Santarém realizou só duas substituições, entradas de Tomás Nunes e Afonso Silva para as saídas de Tiago Rodrigues e Guilherme Nunes, com o objectivo de aguentar o resultado.

A segunda parte foi totalmente diferente, o CADE quis ir para cima do jogo, subindo as suas linhas defensivas e aproveitando as bolas paradas. A equipa da casa teve mais bola mas não conseguia aproveitar o espaço, muito jogo corrido pelo corredor esquerdo, mas não aproveitando os espaços no corredor direito. Como resultado muitas perdas de bola, notou-se a falta do segundo homem para a construção do meio campo e para o apoio ao ponta-de-lança.

As bancadas não paravam de apoiar a equipa da casa, mas o jogo ia perdendo ritmo, pois a Ac. Santarém baixou bastante o seu bloco defensivo, não permitido que o CADE chegasse perto da baliza. Os da casa bem tentaram desequilibrar e reduzir a diferença no marcador mas sem resultados concretos.

O CADE pôs Manuel Cebolais no lugar de Daniel Souza no minuto 47 e Fernando Santos respondeu com a entrada de Bernardo Cabaço com a saída de João Rato.

O defesa Central Rafael Alcobia ainda teve uma acção disciplinar com uma amostragem de cartão amarelo, devido a uma disputa de bola e que carregou nas costas do adversário.

Neste tempo, só se viu um remate à baliza, e mais uma vez de bola parada por parte dos jovens da casa. Livre batido à esquerda para a grande área e através de uma segunda bola o camisola 4 remata for cima da baliza de Rodrigo Neves.

Perto do final do encontro, mais duas alterações para cada equipa, para o CADE, entrou Guilherme Barreto para a saída de Rodrigo Ramos e substituição da Ac. Santarém com a saída de Rafael Alcobia, que já tinha visto um cartão amarelo, para a entrada do seu companheiro Tomás Batista.

O jogo estava muito partido, sem ligações aos sectores, passes mal efectuados e o tempo ia passando, e mesmo perto do final da partida, Tomás Oliveira recebe um cartão amarelo por uma falta no meio campo adversário.

Luís Tavares, apitou para o final da partida, perante um resultado justo. Com este desfecho o CADE coloca-se numa posição muito difícil, com 9 pontos conquistados, e somando assim a quarta derrota consecutiva. A Ac. Santarém sobe ao primeiro lugar pois a Académica perdeu com o Avanca por 2-1. Com esta vitória soma assim 21 pontos, faltando duas jornadas para o final desta que é a 2º Fase do Nacional de Iniciados.

A equipa de Santarém tem todas as condições para seguir à 3º fase ( Apuramento de Campeão Nacional), caso não perca pontos nos dois últimos jogos. Os jovens do CADE só têm motivos para estarem orgulhosos do seu esforço, sendo que o valor do seu conjunto é inquestionável e com alguns atletas a revelarem qualidades técnicas e táticas muito elevadas.

Constituição das equipas:

CADE:

João Cascão, Eduardo Anacleto (Jaime Rodrigues), João Maranga (Francisco Branco), David Pedrogam, Ricardo Tomé, Daniel Souza (Manuel Cebolais), Rodrigo Ramos (Guilherme Barreto), Frederico Bento (João Dias), Tomás Oliveira, Eduardo Gonçalves, Tomás Gomes.

Suplentes não utilizados: Afonso Mateus, Diogo Castanheiro.

Treinador: Fábio Pereira

Académica de Santarém:

Rodrigo Neves, Rafael Alcobia (Tomás Batista), João Guedes, João Rato (Bernardo Cabaça), Bernardo Sousa, Afonso Jarego, Duarte Mendes, Hugo Tavares, Guilherme Nunes (Tomás Nunes), Pedro Ferreira, Tiago Rodrigues (Afonso Silva). Suplentes não utilizados: João Madeira, Marco Pires, Diogo Mantas.

Treinador: Fernando Santos

Equipa da Arbitragem: Luís Tavares, Manuel Azeitona e Paulo Paiva.

No final ouvimos os técnicos de ambas as equipas:

Fábio Pereira, treinador do CADE:

O treinador delegou as declarações no adjunto da Académica de Santarém:

Texto e Fotos: Tiago Soares

*C/ Vinicius Alevato

Vinicius Alevato, 30 anos, estudante de comunicação, está a aprender a
observar uma região com o olhar atento aos factos. Acredita no
jornalismo de proximidade e na importância de servir as pessoas através
da boa informação.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome