Futebol/Inatel | Equipas do Rossio e de Vale das Mós em desaceleração justificam o nulo (C/fotos e audio)

Liga Inatel de Santarém – 2ª fase – Grupo A2 – 4ª jornada
Campo nº 3 do Complexo Desportivo de Abrantes
Rossio ao Sul do Tejo
16-02-2019

PUB

Campo nº3 do Complexo Desportivo de Abrantes-Rossio ao Sul do Tejo.

Numa tarde de sol no Rossio, com um relvado em excelentes condições, encontraram-se duas equipas em nítida desaceleração porquanto ocupam os últimos lugares do Grupo A2 numa Liga Inatel pouco conseguida por ambos os conjuntos. Nem o facto de haver a Feira de São Matias logo ao lado afastou os adeptos que compareceram em número razoável.

PUB

Disputa de capitães.

Com a questão classificativa arrumada cabia às equipas apresentarem o seu melhor futebol e tentarem ganhar a partida. Entraram melhor os rossienses e logo no primeiro minuto Renato Mendes ameaçou a baliza de João Silva. O remate saiu por alto.

Aos quatro minutos o Rossiense voltou a criar perigo com Renato Mendes a cruzar com boa conta para Leandro Morais. Em posição privilegiada para marcar deixou-se antecipar por um defensor. No minuto seguinte João Santos, no coração da área, falhou o alvo por pouco.

Rossiense começou bem o jogo.

Empurrada para a sua zona defensiva, a equipa de Vale das Mós tinha de reagir e aos seis minutos Nuno Neves rematou ao lado. Este lance teve o condão de roubar discernimento à equipa de Carlos Francisco e passou a assistir-se a um “deserto de ideias”. Passes falhados, dificuldade de progressão e ausência de hipóteses de golo pautaram a meia hora seguinte.

Muitas dificuldades em ter bola.

Apenas aos 36 minutos se voltou a ver uma boa jogada, da parte do Vale das Mós, com Jorge Ricardo na área a obrigar o guarda redes Cláudio Duque a uma enorme defesa para canto. Na conversão do canto Rui Fernandes enviou o esférico ao poste, saindo pela linha de fundo. Com o intervalo a chegar foi esta a melhor ocasião de golo em todo o meio tempo. O nulo ao intervalo era justificado.

Ao intervalo o nulo era justificado.

Para levar de vencida este encontro as equipas teriam de fazer algo mais. O Rossiense voltou a entrar mais forte. Tentou ter bola, fazê-la circular e espreitar uma oportunidade para rematar. Aos 44 minutos João Santos tentou surpreender o guarda redes visitante. O remate saiu por cima. Foi necessário esperar pelos 51 minutos para o inconformado capitão rossiense Hugo Rodrigues, a jogar muito subido, ensaiar um forte remate de longe que o guarda redes João Silva defendeu com dificuldade, à segunda.

Rossiense voltou a entrar melhor após o descanso.

À passagem do quarto de hora da segunda parte o União ganhou um livre e Anderson cabeceou por cima. Cinco minutos depois, também na transformação de um livre, Hugo Rodrigues imitou-o e o esférico perdeu-se para lá da linha de fundo. Aos 68 minutos Tiago Garrido, de livre, fez a bola embater na barreira e chegar ao guarda redes de Vale das Mós.

Rossiense tentou de bola parada por várias vezes.

Responderam os visitantes, também de livre, através de Bruno Machado, mais uma vez, ao lado. A equipa que viajou de Vale das Mós estava mais atrevida e Rui Fernandes tentou surpreender, de longe, o guarda redes da casa. A bola voltou a passar por cima. No minuto seguinte Pedro Oliveira, recém entrado na UDR, ensaiou um bom remate de meia distância para defesa atenta de João Silva.

Com o tempo a esgotar-se as equipas faziam um último esforço para chegar ao golo.
Aos 77 minutos, João Santos, na transformação de um livre, enviou a bola à barreira, ganhando um canto. Respondeu o Vale das Mós, no minuto seguinte, com Velez a criar embaraços ao guarda redes Cláudio Duque que largou para executar uma magnífica defesa ao remate de recarga.

Claudio Duque fechou a sua baliza.

Em cima do tempo regulamentar Pedro Silva obrigou Cláudio Duque a defender para canto.
Talisca, no lance seguinte, voltou a pôr à prova o guarda redes rossiense. Num final alucinante Hugo Rodrigues conseguiu isolar-se. O remate passou muito perto do poste.
Com o tempo de compensação a esgotar-se, na transformação de um livre, João Santos isolou-se e na cara do guarda redes rematou por cima.

Faltou discernimento.

Resultado acertado, penalizando a fraca produtividade das equipas, arredadas dos lugares de topo e em nítida desaceleração. Boa arbitragem de Hugo Silva, coadjuvado por dois veteranos, nomes grados do Inatel, José Neves e Bandeira Martins.

FICHA DO JOGO:

UNIÃO DESPORTIVA ROSSIENSE:
Cláudio Duque, Jorge Ferreira, Marco Mateus, Anderson, Leandro, Hugo Rodrigues, Tiago Garrido, Renato Mendes (Pedro Oliveira), Leandro Morais, João Santos e Lúcio (Dário Alfaiate).
Suplentes não utilizados: Nuno António e Hugo Machado.
Treinador: Carlos Francisco.

União Desportiva Rossiense.

CLUBE CULTURAL E RECREATIVO DO VALE DAS MÓS:
João Silva, Sérgio Gonçalves, Luís Simões, Bruno Machado, Ricardo Guerreiro, Esteves, Talisca, Leitão (Diogo Guerreiro), Nuno Neves (Pedro Silva), Rui Fernandes (Cláudio Marques) e Jorge Ricardo (Velez).
Treinador: Cláudio Simões.

Clube Cultural e Recreativo do Vale das Mós.

EQUIPA DE ARBITRAGEM:
Hugo Silva, Bandeira Martins e José Neves.

Equipa de Arbitragem: Hugo Silva, Bandeira Martins e José Neves com os capitães.

No final fomos ouvir os responsáveis técnicos:

Carlos Francisco-Treinador da União Desportiva Rossiense.

Cláudio Simões-Treinador do Vale das Mós.

*Com David Belém Pereira (fotos).

PUB
PUB
Jorge Santiago
Nasceu a 30 de Janeiro de 1961 em Lisboa e cresceu no Alentejo, em Santiago do Cacém. Dali partiu em 1980 para ingressar no Exército e no Curso de Enfermagem. Foi colocado em Santa Margarida e por aqui fez carreira acabando por fixar-se no Tramagal em 2000. A sua primeira ligação à Vila "metalúrgica" surge em 1988 como Enfermeiro do TSU. Munido da sua primeira câmera digital, em 2009 e com a passagem à situação de reserva, começou a registar a fauna do Vale do Tejo, a natureza e o património edificado da região, as ruas, as pessoas... Com colaborações regulares em jornais da região e nacionais este autodidata acaba por conseguir o reconhecimento público, materializado em alguns prémios. Foi galardoado na 8ª Gala de Cultura e Desporto de Tramagal na categoria de Artes Plásticas (Fotografia) em 2013.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).