Futebol | Imbatível Abrantes e Benfica vence Torres Novas e segue na frente do Campeonato (c/áudio e fotos)

SPORT ABRANTES E BENFICA 3 – CLUBE DESPORTIVO DE TORRES NOVAS 0
Campeonato Distrital da AFS – 1ªDivisão – 6ªjornada
Estádio Municipal de Abrantes – Campo nº2
08-11-2020

PUB

Com as equipas em lugares diametralmente opostos na tabela classificativa – o Abrantes e Benfica ocupava o topo e o seu adversário os lugares de descida -, a expectativa era de saber se a equipa de Paulo Seninho, com várias ausências por lesões e castigo, seria capaz de lidar com a enorme experiência da equipa torrejana que tarda em encontrar o caminho das vitórias.

Campo nº2 do Estádio Municipal de Abrantes.

PUB

Apesar de tudo, os abrantinos eram favoritos pese o “handicap” de jogarem no relvado sintético do Campo nº2 por se estar a proceder a melhoramentos no relvado natural do campo principal.

Devido a obras de melhoramento no relvado principal o jogo foi disputado no campo nº2.

PUB

Ainda as equipas se estudavam e já os torrejanos beneficiavam dml livre descaído pelo seu lado direito, já perto da área. João Magalhães bateu enquadrado com a baliza mas Joel defendeu.

O Torres Novas tentava surpreender e a equipa de Paulo Seninho via a sua defesa tardar em entrar no jogo. As ausências do capitão Toni e do lateral Miguel Seninho não eram fáceis de colmatar…

Aos quatro minutos, um cruzamento carregado de “veneno”, arrancado do lado esquerdo do ataque dos “amarelos”, saiu pela linha de fundo, pertíssimo dos ferros da baliza à guarda de Joel.

Torres Novas entrou a tentar surpreender o seu adversário.

Aos sete minutos o Abrantes deu o primeiro sinal de perigo. Zé Pedro, possante, entrou na área, acabou no chão a queixar-se de ter sido rasteirado. O árbitro fez “ouvidos de Mercador” e decidiu-se por um pontapé do quarto de círculo.

O minuto treze podia ter sido aziago para a equipa de Abrantes. Prates rematou de longe, forte e colocado, Joel confiou no na sua intuição e nem se mexeu, acabando o esférico por passar a rasar o poste.

Quando as equipas encaixaram passou a jogar-se mais a meio campo.

Entretanto as equipa tinham encaixado e começou-se a jogar muito a meio campo, zona superpovoada, com muita dificuldade de progressão levando à proliferação de faltas num futebol algo “trapalhão”.

Ainda assim, Lista foi muito bem assistido na zona do ponta de lança. Quando armava o disparo tropeçou e enviou a bola para lá da linha de fundo, gorando-se excelente oportunidade.

Pouco depois, aos 24 minutos, João Marchão, encostado à linha lateral pela ala direita, ganhou um ressalto, progrediu até à linha de fundo e cruzou como mandam os manuais. A defesa torrejana não foi lesta a afastar e Zé Pedro não se fez rogado encostando para o primeiro golo da partida.

Zé Pedro abriu a contagem.

Aos 26 minutos Prates fez falta feia à entrada da sua área e viu mesmo o primeiro amarelo da tarde. Encarregue da marcação do respetivo livre João Marchão atirou contra a barreira.
Após o golo, sentido negativamente pelos forasteiros, a equipa abrantina empolgou-se e assumiu as rédeas do jogo.

À passagem do 28º minuto de jogo Pedro Damas entrou na área do Torres Novas com a bola controlada e acabou derrubado. O árbitro foi perentório e apontou a marca dos onze metros. Daí o “capitão” Diogo Barrocas” não vacilou e colocou os “encarnados” a vencer por duas bolas de vantagem.

Da marca dos onze metros o capitão Barrocas aumentou a vantagem dos “encarnados”.

Vida difícil a de Pedro Pereira, técnico torrejano, a ver a vantagem dos abrantino aumentar ainda antes da meia hora de jogo. Precisamente aos 30 minutos a sua equipa arrancou um excelente cruzamento a que respondeu Lista de cabeça mas de forma a que a defesa da casa resolvesse com facilidade.

Aos 37 minutos João Marchão resolveu testar a meia distância. O forte remate não levou o azimute desejado e a bola saiu pela linha de fundo.

João Marchão tudo fez para ficar na história do jogo.

Dois minutos depois o mesmo Marchão viu ser-lhe assinalado um fora de jogo que apesar de deixar algumas dúvidas não foi motivo de grandes reclamações. O jovem jogador queria muito ficar na história do jogo e aos 40 minutos entrou veloz na área e, apesar de carregado, ensaiou o remate que saiu torto, para fora.

No minuto seguinte um lance semelhante, mas na outra área, levou Prates a tentar o chapéu a Joel, ficando a queixar-se de ter sido carregado. O último sinal de perigo no primeiro tempo surgiu através dum pontapé de canto muito chegado à baliza de Joel, obrigando o guarda redes das “águias” a afastar com uma “sapatada”…

O intervalo chegou com um resultado aceitável a premiar a equipa mais eficaz. Boa réplica dos visitantes.

Resultado justo ao intervalo da equipa mais eficáz.

A equipa abrantina queria consolidar a vitória e colocar-se a salvo de alguma surpresa já que o seu adversário apresentava valor suficiente para criar embaraços.

Entrou forte para o segundo tempo e logo aos 52 minutos Pedro Damas ensaiou um remate à entrada da área para uma boa defesa de Carlos.

Pouco depois André Vieira teve uma entrada à margem das leis que lhe valeu o amarelo e um livre perigoso para os benfiquistas. Na sequência da cobrança Zé Pedro cabeceou para nova defesa do guarda redes Carlos.

Aos 55 minutos um cruzamento bem medido, executado do lado direito, encontro Rui Sousa em boa posição ao segundo poste. Encostou para o terceiro golo da equipa da casa.

Rui Sousa encostou para o terceiro golo da sua equipa.

Três minutos passados Menezes ensaiou a meia distância a testar a atenção do guarda redes torrejano. Foi necessário esperar pelo 68º minuto para os torrejanos colocarem Joel à prova. Um “venenoso” cruzamento parou nas luvas do guarda redes, bem lá nas alturas.

O árbitro correu para o banco dos torrejanos e o cartão amarelo saltou do bolso. Desta vez foi o Delegado a ser admoestado.

Aos 77 minutos Diogo Barrocas foi imprudente. Uma falta a meio campo levou à amostragem do cartão amarelo. Na marcação do livre Dani tentou surpreender Joel mas o esférico passou ao lado.

Elísio Menezes ensaiou a meia distância.

Havia na equipa visitante quem não se conformasse com o resultado. Um forte remate de Miguel Miguel obrigou Joel à defesa da tarde. Esteve enorme o “keeper” abrantino.Com o tempo regulamentar a esgotar-se, aos 87 minutos, Rui Sousa, na cobrança dum livre, atirou com estrondo à trave. Zé Pedro, de cabeça, errou o alvo na recarga.

Já corria um minuto para lá dos 90 quando Rafa, entrado no segundo tempo, isolou-se e à saída do guarda redes Carlos, atirou fora do alcance deste, rente ao poste, mas por fora…

Paulo Seninho viu a sua equipa averbar mais três pontos.

Pouco depois João Veríssimo apitou pela última vez na partida e deu permissão para o regresso aos balneários.

Foi uma partida interessante de seguir com um justo vencedor. A boa réplica do Torres Novas deixou a promessa de rapidamente sair da cauda da classificação. É uma equipa com bons valores.

O Sport Abrantes e Benfica lidera, contando por vitórias os quatro jogos disputados em igualdade pontual com o Coruchense, sendo que os abrantinos têm menos um jogo.

A arbitragem de João Veríssimo sofreu alguma contestação mas não teve influência na divisão dos pontos em compita. Saúda-se o regresso do auxiliar Nuno Martins após missão no Afeganistão, onde foi louvado pelo Exército norte-americano conforme noticiou o mediotejo,net.

João Veríssimo não teve uma tarde tranquila e teve de puxar dos cartões várias vezes.

Ficha do jogo

SPORT ABRANTES E BENFICA:
Joel, Miguel Catarino, Manuel Vitor, Diogo Mateus, Diogo Rocha, Diogo Barrocas, Rui Sousa (Rafa), Pedro Damas, Zé Pedro, João Marchão (João Marques) e Elísio Menezes (Bispo).
Suplentes não utilizados: Ricardo Canais, Miguel Silva, Rodrigo Carraceno e David Silva.
Treinador Paulo Seninho.

Sport Abrantes e Benfica.

CLUBE DESPORTIVO DE TORRES NOVAS:
Carlos, Dani, João Alves, Prates (Nuno Cunha), André Vieira, Lista, João Magalhães, Tiago Ferreira, Zé Brites, Mira (Ricardo Major) e Miguel Miguel.
Suplentes não utilizados: Filipe Pereira, João Ferreira, João Rodrigues e Gonçalo.
Treinador: Pedro Pereira.

Clube Desportivo de Torres Novas.

GOLOS: Zé Pedro, Barrocas e Rui Sousa (Abrantes e Benfica).

EQUIPA DE ARBITRAGEM:
João Veríssimo, Nuno Martins e Vasco Pinhão.

Equipa de Arbitragem: João Veríssimo, Nuno Martins e Vasco Pinhão.

Após o final do encontro fomos escutar os treinadores de ambas as equipas:

Paulo Seninho, treinador do Sport Abrantes e Benfica. Foto: mediotejo.net

 

Pedro Pereira, treinador do CD Torres Novas.

*Com David Belém Pereira (multimédia).

PUB
Jorge Santiago
Nasceu a 30 de Janeiro de 1961 em Lisboa e cresceu no Alentejo, em Santiago do Cacém. Dali partiu em 1980 para ingressar no Exército e no Curso de Enfermagem. Foi colocado em Santa Margarida e por aqui fez carreira acabando por fixar-se no Tramagal em 2000. A sua primeira ligação à Vila "metalúrgica" surge em 1988 como Enfermeiro do TSU. Munido da sua primeira câmera digital, em 2009 e com a passagem à situação de reserva, começou a registar a fauna do Vale do Tejo, a natureza e o património edificado da região, as ruas, as pessoas... Com colaborações regulares em jornais da região e nacionais este autodidata acaba por conseguir o reconhecimento público, materializado em alguns prémios. Foi galardoado na 8ª Gala de Cultura e Desporto de Tramagal na categoria de Artes Plásticas (Fotografia) em 2013.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).