Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Outubro 23, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Futebol | ‘Golaço’ de Marchão ao cair do pano evitou derrota dos abrantinos frente ao Alcanenense

SPORT ABRANTES E BENFICA 1 – ATLÉTICO CLUBE ALCANENENSE 1
Campeonato Distrital da AFS – 1ªDivisão – 4ª jornada (jogo em atraso).
Campo Nº1 do Estádio Municipal de Abrantes.
23-12-2020

- Publicidade -

Numa hora pouco habitual, 20 horas e 30 minutos, de quarta feira, dia 23 de dezembro, o renovado relvado do Estádio Municipal de Abrantes iluminou-se para se disputar a partida em atraso da 4ª jornada, adiada pela presença de casos de Covid na equipa de Alcanena.

Estádio Municipal de Abrantes.

- Publicidade -

Com a torre de telecomunicações da Cidade de Abrantes iluminada e o frio próprio desta quadra, foi em ar natalício que se iniciou a partida. Ambos os conjuntos vinham de resultados pouco abonatórios. O Benfica abrantino empatou em casa com o Entroncamento no passado domingo, enquanto à mesma hora o Alcanenense perdia em Mação por 3-0.

Ambas as equipas vinham de resultados negativos.

O técnico benfiquista, Paulo Seninho, viu o jogo longe do seu banco por questões disciplinares e não terá gostado do que viu. Os últimos resultados intranquilizaram a equipa. Com algumas ausências de peso no onze, houve ensejo de ver em ação jovens promissores como o guarda redes Canais ou Rodrigo Carraceno.

A equipa de Pedro Gil, recheada de jovens com valor, tem nos veteranos Faia e Peu o contraponto.

Com jogadores velozes na frente de ataque, a equipa visitante tentou surpreender e a primeira intervenção coube a Canais, a defender um remate de António Sanca ainda o relógio marcava o primeiro minuto da partida.

Sanca fez o primeiro remate do encontro.

A equipa da casa parecia algo desatenta e os visitantes iam assentando o seu jogo e construindo situações embaraçosas para o extremo reduto abrantino. À passagem do quinto minuto valeu a atenção do capitão Toni a “desfazer” um perigoso cruzamento vindo do lado direito do ataque alcanenense.

Logo após este lance, o desafortunado Inocent foi obrigado a abandonar o jogo, por lesão, dando o lugar a Djau. Aos nove minutos surgiu a esperada reação dos da casa. João Marchão, de pé quente, com um forte remate deu a Francisco Esteves motivo para valorosa defesa.

Equipa de Abrantes tardou a “entrar” no jogo.

O minuto 13 poderia ter sido fatídico para as aspirações dos “encarnados”. Um penalti descortinado por Rúben Pinheiro, chefe da equipa de arbitragem, levou Celso para a marca dos onze metros e com a pontaria bem afinada enviou o esférico à base do poste esquerdo da baliza de Canais.

O nulo mantinha-se e a equipa da casa começou a “entrar” no jogo” equilibrando o tempo de posse de bola e dividindo os lances de perigo.

No penalti Celso acertou no poste.

Aos 18 minutos um livre batido para o “coração” da área dos visitantes sofreu um desvio de cabeça e passou muito perto da baliza de Esteves. Na resposta, uma rápida transição obrigou o guarda redes das “águias”, Canais, a ter de sair da sua área e antecipar-se, evitando males maiores.

Aos 21 minutos, Marchão arrancou um centro remate muito perigoso para Francisco Esteves. Por via das dúvidas, optou por, com uma “sapatada”, enviar o esférico pela linha lateral.

Guarda redes com muito trabalho.

Aos 26 minuto Sanca aprontava-se para ficar isolado mas o auxiliar do lado do peão invalidou o lance provocando um coro de protestos do banco dos visitantes. Na resposta Damas resiste à pressão dos adversários, foi até à zona de tiro mas o remate saiu ao lado mas muito perto da baliza.

Aos 28 minutos um bom cruzamento do lado direito do ataque abrantino proporcionou uma cabeçada de Manuel Vitor que a defensiva afastou para uma zona onde estava Marchão que encheu o pé e atirou ao lado.

Rematou-se muito nem sempre bem.

Já com meia hora de jogo e com o jogo num impasse, o Benfica de Abrantes ganhou um canto e Diogo Mateus com forte cabeçada poderia ter “desatado o nó”. A defensiva cedeu novo canto e foi o central Faia a “arrumar a casa”.

Já com o intervalo no horizonte, depois dum quarto de hora menos bem jogado, com muito equilíbrio a meio campo e sem situações de perigo junto das balizas, o Alcanenense ganhou um canto que os abrantinos afastaram. A segunda bola apanhou os defesas na viagem gorando-se a oportunidade. Pouco depois Rúben Pinheiro mandava toda a gente para o descanso.

Nulo ao intervalo era o resultado mais justo.

O nulo registado ao intervalo, ainda que justo, não podia agradar a ninguém e para o segundo tempo havia a curiosidade de saber o que poderiam as equipas fazer para pender o resultado para o seu lado.

Com as equipas com figurinos idênticos, o segundo tempo teve a primeira grande oportunidade foi aos 50 minutos quando João Marchão testou a segurança de Francisco Esteves com um forte pontapé do “meio da rua”.

O guarda redes defendeu para canto que, batido para a entrada da área, lhe permitiu mais duas defesas de elevado grau de dificuldade.

Miguel Seninho tenta ganhar a linha de fundo.

Aos 55 minutos Um cruzamento muito bem medido permitiu o remate de Rafa para um defesa enorme de Esteves.

Logo a seguir foi Diogo Barrocas a testar a meia distância com resposta positiva do guarda redes. No lance seguinte, o banco da equipa da casa reclamou grande penalidade. O remate, na área do Alcanenense, apanhou, a curta distância, um defensor visitante na cabeça. Decidiu bem o árbitro da partida.

À passagem do quarto de hora um livre, favorável ao Atlético, levou perigo à baliza de Canais. A velocidade viria a ser a grande arma dos forasteiros.

Uma “cavalgada” pelo lado direito culminou com uma assistência para António Sanca encostar para golo.

Sanca encostou para o golo do Alcanenense.

O Atlético Alcanenense passava para a liderança aos 64 minutos, no melhor período da equipa do Benfica de Abrantes que acusou o golo e voltou a “cair” no jogo. Não parecia possível, nem física (jogaram no domingo e o relvado estava muito pesado), nem animicamente que os pupilos de Seninho conseguissem inverter a tendência do jogo.

Mas no futebol até “ao lavar dos cestos é vindima” e é um desporto fértil em surpresas.
Logo após o golo, no reatamento, Miguel Seninho disparou forte para nova intervenção de Esteves, a revelar segurança.

Pouco tempo restava à equipa da casa para inverter o resultado.

Foi preciso esperar pelos 80 minutos para ver a bola rondar uma das balizas. Canais aplicou-se para agarrar o esférico num perigoso cruzamento. O árbitro entendeu que o guarda redes foi tocado na zona de proteção e anulou o lance.

A faltarem seis minutos para o tempo regulamentar Marchão assistiu João Marques, entrado há pouco tempo, mas este permitiu o corte. Na resposta, um rápido contra ataque do Alcanenense apanhou Sanca em boa posição na área mas um pouco atrasado. A bola perdeu-se pela linha de fundo.

Jovens alcanenenses são “osso” duro de roer.

Mesmo em cima dos 90 minutos, Marchão, que tanto rematou sem sucesso, tentou uma vez mais.

Desta vez a bola rematada de muito longe não deu a Esteves a mínima hipótese de defesa.
Com um grande golo de Marchão o Benfica abrantino empatava a partida, minimizando os estragos de mais um resultado negativo no seu reduto.

Forte remate de João Marchão só parou nas redes de Esteves.

O árbitro concedeu quatro minutos de compensação.

Tempo ainda para Seninho “fazer” todo o lado esquerdo e servir Marchão na área. O remate deu para Esteves fazer mais um brilharete.

Com o tempo esgotado um livre favorável ao Alcanenense “morreu” na barreira naquele que foi o último lance do encontro.

Nem sempre bem jogado acabou por ser um jogo agradável de seguir.

Foi um jogo interessante, nem sempre bem jogado mas intenso. O empate afigura-se como o resultado acertado atendendo à produção de ambas as equipas.

No final do jogo, o guarda redes do Abrantes e Benfica foi expulso por palavras dirigidas ao árbitro. Canais e Joel, os dois guarda-redes estão assim castigados e não poderão dar o seu contributo à equipa no próximo desafio.

Com este ponto conquistado, o Sport Abrantes e Benfica segue no 2º lugar da tabela classificativa, com 20 pontos, a quatro pontos do líder Coruchense, equipa que vai defrontar no próximo domingo. O Alcanenense, com 15 pontos, segue no 6º lugar da tabela.

A equipa de arbitragem, chefiada por Rúben Pinheiro, sofreu queixas das duas equipas mas foi globalmente acertada. Sem influência no resultado terá de ser considerada positiva.

Jovem árbitro com nota positiva apesar das reclamações.

Ficha do jogo:

SPORT ABRANTES E BENFICA:

Ricardo Canais, Miguel Catarino, Toni, Manuel Vitor, Rodrigo Carraceno, Diogo Mateus, Diogo Barrocas (Marcos Patrício), Miguel Seninho, Rafa (João Marques), João Marchão e Damas (Fábio Rodrigues).
Suplentes não utilizados: Elisbão, Diogo Rocha, Cardoso e Guilherme Bispo).
Treinador: Paulo Seninho.

Sport Abrantes e Benfica.

ATLÉTICO CLUBE ALCANENENSE:

Francisco Esteves, Salgueiro (Sentieiro), Abulai Sanhá, Peu, Faia, Adilson, Ben Adamou (Baldé), António Sanca (Eduardo), Inocent (Djau), Romero e Celso.
Suplentes não utilizados: Coutinho, João Afonso e Rodrigo.
Treinador: Pedro Gil.

Atlético Clube Alcanenense.

GOLOS:
João Marchão (Abrantes) e António Sanca (Alcanenense).

EQUIPA DE ARBITRAGEM:
Rúben Pinheiro, Tiago Carvalho e Afonso Silva.

Equipa de Arbitragem: Rúben Pinheiro, Tiago Carvalho e Afonso Silva.

No final fomos escutar ambos os treinadores:

Paulo “Seninho”, treinador do Sport Abrantes e Benfica. Arquivo mediotejo.net

 

Pedro Gil-Treinador do Alcanenense.Arquivo mediotejo.net

*Com David Belém Pereira (multimédia).

Nasceu a 30 de Janeiro de 1961 em Lisboa e cresceu no Alentejo, em Santiago do Cacém. Dali partiu em 1980 para ingressar no Exército e no Curso de Enfermagem. Foi colocado em Santa Margarida e por aqui fez carreira acabando por fixar-se no Tramagal em 2000. A sua primeira ligação à Vila "metalúrgica" surge em 1988 como Enfermeiro do TSU. Munido da sua primeira câmera digital, em 2009 e com a passagem à situação de reserva, começou a registar a fauna do Vale do Tejo, a natureza e o património edificado da região, as ruas, as pessoas... Com colaborações regulares em jornais da região e nacionais este autodidata acaba por conseguir o reconhecimento público, materializado em alguns prémios. Foi galardoado na 8ª Gala de Cultura e Desporto de Tramagal na categoria de Artes Plásticas (Fotografia) em 2013.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome