Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quinta-feira, Agosto 5, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Futebol: Fátima peca na finalização e fica pelo caminho na Taça de Portugal (com áudio)

Fátima, 15 de outubro de 2016, 16 horas

- Publicidade -

Taça de Portugal – 3ª Eliminatória

Centro Desportivo de Fátima 1 – Sporting Clube Olhanense 2

- Publicidade -

Crónica de Jorge Beirão

Estádio Municipal em Fátima, tarde de sábado um tanto ou quanto farrusca mas com temperatura agradável de outono, “tapete verde” bem tratado e em excelentes condições para a prática do futebol.

Frente a frente para a terceira eliminatória da prova rainha do futebol português, o Centro Desportiva de Fátima que se encontra a disputar o Campeonato de Portugal (terceiro escalão nacional) e o Sporting Clube Olhanense, da 2ª Liga profissional. Entrou melhor no jogo a equipa da casa que logo ao minuto quatro poderia ter aberto o marcador por Dzhamal, mas frente ao guarda-redes Evtimov permitiu que este brilhasse. Como é pródigo no futebol, quem não marca sofre, assim aconteceu mais uma vez, na marcação de um livre de canto, que o Olhanense beneficiou por mais uma arrancada rápida de contra ataque, sendo desta forma que a equipa do Algarve planeou as suas jogadas ofensivas, contrariamente ao CD de Fátima que optava em utilizar o ataque planeado a toda a largura do terreno. Ora é na marcação desse livre de canto, quando decorridos seis minutos de jogo, que Dzhamal salta ao primeiro poste para evitar o cabeceamento de Salim Cissé e na antecipação tem a infelicidade de desviar para a sua baliza, inaugurando assim o marcador para o Olhanense. Curiosamente não acertou na baliza adversária, como referenciámos, para o fazer inadvertidamente na sua.

Dzhamal não consegue bater o guarda-redes búlgaro dos algarvios
Dzhamal não consegue bater o guarda-redes búlgaro dos algarvios

Mas, contrariamente ao que é hábito assistir-se em situações destas, a equipa de Fátima não “tremeu” e continuou a porfiar no ataque e por mais duas vezes poderia ter obtido a igualdade, mas no capítulo da finalização era evidente que o ataque da equipa de João Henriques estava em dia não. Aos vinte e dois minutos de jogo, mais uma recuperação de bola na defensiva de Olhão e partida rápida para o contra ataque, bola nos pés de Tiago Duque que envia para a corrida na meia esquerda de Virga, que por sua vez entrega no corredor direito a Gonzalez, tabela com Gerevini e remata rasteiro já dentro da área, fora do alcance de Valério Vimercati. Estava feito o dois zero, para o Olhanense com que terminou a primeira parte.

Resultado enganador pelo que as duas equipas apresentaram no primeiro período de jogo, mas por outro lado teremos que dizer que se aceita, porque no futebol ganha a equipa que comete menos erros, e no capitulo da finalização o ataque do Clube Desportivo de Fátima cometeu erros porque tirando a primeira ocasião logo no início do jogo em que o mérito é do guardião do Sporting Olhanense, nas outras ocasiões o demérito é dos homens da casa que fizeram o mais difícil, falhar o golo, nomeadamente Dzhamal e José Miguel, o primeiro por duas vezes.

Um defesa forasteiro evita o golo em cima da linha fatal
Um defesa forasteiro evita o golo em cima da linha fatal

No regresso para a segunda parte, voltamos a assistir ao mesmo querer e aplicação da equipa da casa perante a equipa da segunda liga, que começou a não acertar as marcações e a perder “gás” no confronto direto, em termos de velocidade sobre o esférico e começam a surgir as faltas “cirúrgicas”, com o senhor Bruno Vieira, que viajou de Beja a condescender no aspeto disciplinar.

Aos cinquenta e cinco minutos por entrava violenta de Aldair dentro da sua área, sobre o jogador de Fátma, Bruno Vieira exibe o cartão vermelho ao jogador Olhanense e assinala um penalti contra os algarvios. Na cobrança Laranjeiro não dá hipótese ao guarda-redes Olhanense e reduz para 1 – 2.

Laranjeiro de penalti reduz a desvantagem dos homens de Fátima
Laranjeiro de penalti reduz a desvantagem dos homens de Fátima

Cinco minutos após a obtenção do golo da sua equipa, José Miguel, mais uma vez a perder soberana ocasião, na circunstância dentro da pequena área junto ao poste direito de Evtimov.

Parece incrível mas José Miguel não consegue colocar a bola na baliza do Olhanense. Seria o empate

Tudo somado a equipa do Sporting Clube Olhanense começou a errar com frequência em termos de defensivos e na organização ofensiva recorrendo sistematicamente à falta e às interrupções de jogo por lesões dos seus jogadores. Recordamos uma situação caricata em que um dos elementos oficiais do banco de responsáveis do Olhanense aproveita ter acompanhado os jogadores para o respectivo aquecimento e vai até junto da baliza do guarda redes Evtimov, e depois de trocar algumas palavras com o referido guardião, este passado alguns momentos senta-se chamando à atenção do árbitro da partida para receber assistência, logo após o mesmo ter acontecido com um seu colega.

Os técnicos das equipas procederam a algumas alterações, com João Henriques alargando a frente de ataque e Cristiano Bacci reforçando a sua defesa. Mas o jogo não sofreu alterações em termos de resultado, na nossa perspetiva devido às sistemáticas interrupções provocadas pelo anti jogo da equipa de Olhão.

Quanto ao trabalho da equipa de arbitragem que viajou de Beja, diremos que em termos técnicos esteve muito bem, mas em termos disciplinares, deverá fazer uma revisão sobre a matéria, para corresponder com muito mais acerto em futuras arbitragens. Condescendeu muito com as atitudes anti-desportivas de alguns jogadores, nomeadamente Gerevini que sistematicamente no duelo com o adversário gritava simulando entradas violentas, principalmente na primeira parte, nunca foi advertido. Por seu turno aos vinte e três minutos do primeiro tempo foi peremptório em considerar simulação de falta por parte de José Miguel, exibindo o cartão amarelo ao jogador de Fátima. Deu mais seis minutos de jogo como compensação, mas a gestão foi “bem feita” pelos Olhanenses.

img_0023
Onzes iniciais e trio de arbitragem apresentam-se o público presente no Municipal de Fátima

Ficha do jogo

Estádio Municipal de Fátima

Árbitro: Bruno Vieira (Conselho de Arbitragem da AF Beja)

Árbitros Assistentes: Valter e Luís Diogo

Trio de arbitragem que viajou de Beja
Trio de arbitragem que viajou de Beja

CD Fátima

Valério, Mauro Pereira, André Sousa, Bruno Simão, Fábio Coça, Jorge Neves, José Miguel, Tiago Rosa, Laranjeiro, Caleb e Dzhamal

Suplentes: Hélio Santos, Pedro Henriques, João Martins, Miguel Neves, Hamza, Rodrigo Dantas e Ivan

Treinador: João Henriques

SC Olhanense

Evtimov, Pedro Eira, Redolfi, Gonzalez, Edgar Abreu, Aldair, Carlos, Virga, Tiago Duque, Gerevini e Salim Cissé

Suplentes: Ricci, Galassi, Doudou, Aquilar, Mané, Coubronne e Tiago Barros

Treinador: Cristiano Bacci

Cartão amarelo: André Sousa ; Salim Cissé

Cartão vermelho: Aldair

Marcadores: Laranjeiro (55′) ; Dzhamal (auto-golo 6′) e Gonzalez (22′)

A opinião dos treinadores:

João Henriques (Fátima)

Cristiano Bacci (Olhanense)

Tem 41 anos e uma profissão que tudo tem que ver com jornalismo e informação... Engenheiro Eletrotécnico. O gosto pela informação desportiva ganhou-o ainda criança com o pai e a mãe na rádio. A informação escrita é uma nova aventura. Acredita que o desporto é fator de promoção e desenvolvimento regional e de aproximação "das gentes", pelo que noticiá-lo é um imperativo. Praticou várias modalidades, foi treinador e árbitro de basquetebol. É casado e tem uma filha que o obriga a correr. Colabora na Antena Desportiva da rádio Antena Livre, sendo a rádio uma das suas maiores paixões.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome