Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Julho 24, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Futebol: Erro individual estraga tarde de sonho do Alcanenense (com áudio)

Alcanena, 16 de outubro de 2016, 15 horas

- Publicidade -

Taça de Portugal – 3ª Eliminatória

Clube Atlético Alcanenense 1 – Clube Desportivo Feirense 2

- Publicidade -

Crónica por Francisco Henriques

Em Alcanena defrontavam-se duas equipas de realidades bem distintas. De um lado uma equipa do Campeonato de Portugal (terceiro escalão do futebol português) e do outro uma que milita na alta roda do futebol nacional. Quem foi ao Joaquim Maria Baptista para ver um ritmo diferente de jogar, rotinas fora do habitual e pormenores de levar gente aos estádios por parte dos forasteiros, deu por perdido o seu tempo. Muito por culpa dos homens de Alcanena que desde cedo deixaram claro que estavam para discutir a passagem à 4ª eliminatória da prova rainha do futebol em Portugal.

José Torcato, treinador dos auri-negros, na primeira vez que uma equipa do primeiro escalão visitava Alcanena, manteve-se igual a si próprio e não foi por estar a jogar frente a um primodivisionário que procedeu a alterações. Luís Tavares manteve-se como homem mais avançado, sendo municiado por Ragner e Patrick. Por seu turno, José Mota procedeu a algumas alterações no esquema habitual da sua equipa e trouxe um Feirense expectante, com poucas ideias, apostado na circulação de bola para aproveitar algum erro do adversário.

O mote do jogo foi dado por Ragner que colocou em sentido a defesa contrária, mas aquele que viria a ser a figura do jogo, Vaná, defendeu a intenção do brasileiro. Ao minuto 26 acontece o lance que marca a eliminatória. Max ao receber um atraso de um colega, receciona o esférico com demasiada força que o coloca à disposição de Platiny e na sequência do movimentos dos dois jogadores acontece o choque entre os dois. Dá a sensação de o contacto ser fora da área, mas o árbitro da partida, peremptório apontou a marca de onze metros. Fabinho atira para o meio da baliza e faz o 1-0. Com um inconformado Alcanenense se atinge o intervalo com um lisonjeiro 1-0 para os fogaceiros.

Fabinho faz o primeiro do jogo. Foto ACA
Fabinho faz o primeiro do jogo. Foto ACA

Na etapa complementar e pondo em pratica o descontentamento com o resultado, os homens da “Capital da Pele” chegam ao empate ao minuto 57. Luís Tavares recupera uma bola no meio campo e de pronto lança Patrick, o jovem avançado do Alcanenense corre vários metros e ao entrar na área contrária, perante a saída de Vaná, faz um golo de classe. Com o empate restabelecido pairava a justiça sobre o Municipal de Alcanena.

Foi altura do Feirense puxar dos galões e mostrar porque joga na Primeira Liga. José Mota procede a algumas alterações e os fogaceiros tomaram conta das operações e imprimiu ritmo diferente ao jogo, colocando dificuldades aos visitados que até ai não tinham conseguido. O Alcanenense passa a jogar mais em contra-ataque. A treze minutos do final (77 de partida) Jean Sony tira cruzamento longo da direita e o nigeriano Etebo cabeceia para o fundo das malhas de Max.

Na reta final do encontro os alcanenenses empurrados pelas quatro centenas de pessoas presentes, encheram o peito de ar e foram em busca da felicidade. Voltaram a pegar no jogo e já nos descontos, Patrick aparece na frente de Vaná, mas desta vez o guarda-redes do Feirense levou a melhor, terminando com o sonho do Alcanenense de chegar pelo menos ao merecido prolongamento.

Em Alcanena imperou a “lei do mais forte”, mas o Feirense passou um mau bocado, hoje frente ao Alcanenense.

Saudação das equipas ao muito público no Joaquim Maria Baptista. Foto ACA
Saudação das equipas ao muito público no Joaquim Maria Baptista. Foto ACA

Ficha do jogo

Estádio Municipal Joaquim Maria Baptista

Árbitro: Gonçalo Martins (Conselho de Arbitragem da AF Vila Real)

Árbitros Assistentes: Sérgio Jesus e João Bessa Silva

4º árbitro: André Silva

AC Alcanenense

Max, Merih (Peu), Sandro, Luís Oliveira, Ito, Faia, Elton (João Rosário), Patrick, Bruno Santos (Bruno Ferreira), Ragner e Tavares.

Suplentes: Francisco, Simão, Peu, Edy, Bruno Ferreira, Miguel Miguel e João Rosário

Treinador: José Torcato

CD Feirense

Vaná, Jean Sony, Paulo Monteiro, Luís Rocha, Vítor Bruno, Ricardo Dias, Tchami (Karamanos), Cris, Fabinho (Luís Aurélio), Etebo e Platiny (Semedo)

Suplentes: Peçanha, Barge, Icardo, Semedo, Karamanos, Tchaumeni e Luís Aurélio

Treinador: José Mota

Cartão amarelo: Elton (45′) e Ragner (88′) ; Platiny (25′) e Vitor Bruno (48′)

Marcadores: Patrick (57′) ; Fabinho (26′) e Etebo (77′)

A opinião do treinador:

José Torcato (Alcanenense)

Tem 41 anos e uma profissão que tudo tem que ver com jornalismo e informação... Engenheiro Eletrotécnico. O gosto pela informação desportiva ganhou-o ainda criança com o pai e a mãe na rádio. A informação escrita é uma nova aventura. Acredita que o desporto é fator de promoção e desenvolvimento regional e de aproximação "das gentes", pelo que noticiá-lo é um imperativo. Praticou várias modalidades, foi treinador e árbitro de basquetebol. É casado e tem uma filha que o obriga a correr. Colabora na Antena Desportiva da rádio Antena Livre, sendo a rádio uma das suas maiores paixões.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here