Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Julho 24, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Futebol: Abrantina – Alferrrarede, um derbi cheio…de nada (com áudio)

Abrantes, 23 de outubro de 2016, 15 horas

- Publicidade -

Campeonato Distrital de Seniores da 2ª Divisão da AFS

Série A – 3ª Jornada

- Publicidade -

União Desportiva Abrantina 0 – Clube Desportivo e Recreativo de Alferrarede “Os Dragões” 0

Crónica de Jorge Beirão

Estádio Municipal em Abrantes, tarde com céu cerrado de nuvens escuras, relvado natural com um tapete verde homogéneo mas irregular, dificultando o rolar da bola. Duas equipas com objectivos definidos e bem diferenciados, em que a equipa de Alferrarede neste jogo mais se aproximou da sua realidade, como tentar surpreender e disputar jogo a jogo de forma a aproveitar a irreverência da juventude da sua equipa e consequentemente a sua ambição natural. Por sua vez a União Desportiva Abrantina, não conseguiu corresponder como equipa e em jogo jogado ao que se espera de um candidato à subida de divisão. Como equipa porque não conseguiu ultrapassar as dificuldades apresentadas com entrosamento e rotinas que constitui a sua melhor “arma”. Em jogo jogado porque na fase de finalização, os jogadores que tiveram oportunidade para a concretização não tiveram, ou demonstraram não ter, confiança nas suas capacidades, o que deverá preocupar a equipa técnica chefiada por Paulo Fernando (Séninho).

Bruno Morais de cabeça não consegue enviar a bola com a direção que desejava
Bruno Morais de cabeça não consegue enviar a bola com a direção que desejava

Ficou-nos a sensação que com a perda por lesão, por parte da equipa anfitriã, do avançado Tavares, tudo seria mais complicado para a UDA e confirmou-se! Foi desde o início da partida um quebra cabeças para o Nuno Mateus e para a defesa de “Os Dragões”. Para o Nuno porque sistematicamente corrigia a prestação dos seus jogadores mais recuados, uma vez que a mobilidade de Tavares aliada à sua velocidade, aplicada às ações ofensivas complicavam muito.

Foi numa jogada de ataque da UDA em que Tavares recebe a bola enviada por Diogo Barrocas, na ala esquerda, e quando se isolava fugindo à marcação de Condeixa, sofre um toque por trás do capitão da equipa de Alferrarede, vindo a ficar impossibilitado de prosseguir no jogo, quando se disputavam os cinco minutos finais da primeira parte.

uda-ao-ataque-foi-a-constante-da-segunda-parte-aqui-e-joao-reis-a-tentar-desfazer-o-empate
O assédio à baliza de Anselmo foi uma constante

O segundo tempo, pese embora as alterações operadas pelos treinadores, apenas veio desequilibrar mais o sentido de jogo, ou seja, se na primeira parte a equipa do Grupo Desportivo e Recreativo de Alferrarede, ainda conseguiu por vezes importunar o guarda-redes André Pereira, na segunda parte só recordamos um livre direto já no declinar da partida, que causou alguma dificuldade ao referido guardião.

Em conclusão, assistimos a um jogo de sentido único, em que os jogadores da Abrantina não conseguiram superar as suas incapacidades de concentração e execução, com falhas incríveis na finalização, em que por duas vezes o mais difícil era falhar e assim aconteceu, ou será que Anselmo lhes impôs algum respeito? Também pode ser provável, porque o guarda-redes de “Os Dragões” inspirou sempre confiança aos seus colegas, demonstrando que poderiam contar com ele.

Luís Rodrigues envia a bola à barra bem próximo do apito final

Num fraco jogo de futebol, consideramos que o empate se ajusta ao que se passou no tapete verde do Estádio Municipal, premiando a humildade e aplicação desinibida da equipa visitante, castigando a inoperância e pouca ambição dos jogadores da equipa da casa.

Quanto ao árbitro e seus pares, realizou um trabalho sóbrio e bem conseguido e os assistentes a merecerem nota bastante positiva também. Sem grandes exuberâncias o árbitro teve sempre o jogo controlado, com a ação disciplinar a surgir por os jogadores infringirem sistematicamente as leis do jogo, sendo apenas um dos quatro cartões a ter que ser exibido por atitude extemporânea dirigida ao árbitro, por parte do jogador de Alferrarede.

Ficha de jogo

Estádio Municipal de Abrantes

Árbitro: Rui Bernardo

Árbitros Assistentes: Daniel Sousa e Ricardo Marrucho

equipsa-de-arbitragem-e-os-capitaes
Trio de arbitragem (Ricardo Marrucho, Rui Bernardo e Daniel Sousa) com os capitães de equipa

UD Abrantina

André Pereira, Miguel Catarino (Moita), Toni, Bruno Morais (Topa), Gonçalo (Rafa), Diogo Mateus, Diogo Barrocas, José Pedro, João Reis, Tavares e Luís Vieira (Luís Rodrigues)

Suplentes: Mário Lopes, Rafa, Romero, João Rodrigues, Luís Rodrigues, Topa e Bruno Moita

Treinador: Séninho

UD Abrantina
UD Abrantina

CDRA “Os Dragões”

Anselmo, Júlio, Condeixa, Bruno Alves, André Marques, Nuno Josué, Pedro Barralé (Filipe Bandarra), Ricardo Amaral, Luís Loureiro (Tiago Matos), Fábio Gomes e João Pipoca (Douglas)

Suplentes: João Ferreira, Filipe Bandarra, Delgado, Tiago Matos, Ruben Batista, David Mata e Douglas

Treinador: Nuno Mateus

CDR Alferrarede "Os Dragões"
CDR Alferrarede “Os Dragões”

Cartão amarelo: Diogo Barrocas (48′) ; Luís Loureiro (42′), Condeixa (44′), Pedro Barralé (59′) e Douglas (85′)

A opinião dos treinadores:

Seninho (Abrantina)

Nuno Mateus (Alferrarede)

Tem 41 anos e uma profissão que tudo tem que ver com jornalismo e informação... Engenheiro Eletrotécnico. O gosto pela informação desportiva ganhou-o ainda criança com o pai e a mãe na rádio. A informação escrita é uma nova aventura. Acredita que o desporto é fator de promoção e desenvolvimento regional e de aproximação "das gentes", pelo que noticiá-lo é um imperativo. Praticou várias modalidades, foi treinador e árbitro de basquetebol. É casado e tem uma filha que o obriga a correr. Colabora na Antena Desportiva da rádio Antena Livre, sendo a rádio uma das suas maiores paixões.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here