Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quarta-feira, Julho 28, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Futebol | Brindes para os gémeos Alves valeram derrota do Pego frente ao Torres Novas (C/fotos e áudio)

CASA DO POVO DO PEGO 1 – CLUBE DESPORTIVO DE TORRES NOVAS 2
Campeonato Distrital da AFS – 1ªDivisão – 18ª jornada
Campo de Jogos do Pego
09-02-2020

- Publicidade -

Mesmo com as nuvens carregadas a ameaçarem chuva a temperatura no Pego à hora do jogo estava bastante agradável.

Campo de Jogos do Pego.

- Publicidade -

O público acorreu em bom número a um jogo onde o tranquilo Torres Novas, situado a meio da tabela, podia ser a equipa ideal para a recuperação pegacha já que os últimas quatro equipas tinham jogos de grau de dificuldade elevada (perderam todas) e ao Pego competia-lhe vencer este jogo em casa.

Tanto mais que o treinador Afonso Alves que viu o jogo da bancada por castigo da Associação, apresentava uma equipa amputada de algumas das suas referências por lesões mais ou menos demoradas e até o jovem Lista sofreu um acidente de viação na véspera do jogo, impedindo-o de dar o contributo à equipa. Do lado do Pego a ausência de vulto era mesmo a do central Pedro Alves também por lesão. O treinador Renato Dias procedeu ainda a algumas alterações em relação ao jogo da Taça do Ribatejo no fim de semana transacto.

mbos os conjuntos com ausências e jogadores limitados.

O jogo começou com as equipas a tentarem perceber o que tinham pela frente e pareceram surpreendidas pelos desenhos táticos apresentados, diferentes do habitual, com alterações no xadrez, em função das características dos atletas disponíveis. Ainda assim havia muito jogador adaptado em lugares menos habituais. Demoraram a encaixar e a fluidez do jogo tardou a surgir.

Aos dez minutos o capitão pegacho Fábio Santos, possante, ganhou a posição ao seu marcador direto e entrou na área. Serviu Flávio Calado que fez falta atacante sobre um defesa, terminando o lance de forma inglória. Responderam os homens da cidade almondina obrigando o guarda redes João Rosa a defesa para canto. Da sequência do mesmo nada resultou.

Cedo se percebeu que João Rosa iria ter tarde trabalhosa.

Já para lá do quarto de hora João Alves, com um remate cruzado, colocou à prova o guarda redes da casa que, arrojando-se ao solo, defendeu com classe. No minuto seguinte foi a vez de Ivan Alves testar a meia distância e com um “bico” cheio de intenção criou problemas a João Rosa que, com uma boa defesa, tirou para canto.

Estavam melhor os torrejanos, com mais bola e com maior acutilância ofensiva. O Pego, inteligentemente, aplicava-se nos processos defensivos e espiava uma oportunidade para o contragolpe. Com as equipas algo expectantes os lances de golo escassearam com as defesas a superiorizarem-se aos ataques.

Bom jogo no Pego.

Só à meia hora de jogo o público se voltou a agitar com uma subida da equipa da casa. O cruzamento do lado esquerdo obrigou Nabais, guarda redes da equipa de Torres Novas, a defesa de recurso, a punhos.

Na resposta, no minuto seguinte, os torrejanos responderam, por João Alves que, embalado na área, ultrapassou João Rosa e rematou ao segundo poste. Um defensor pegacho tirou de forma incompleta e Ivan Alves, numa segunda vaga, rematou ao lado.

Torres Novas com mais iniciativa atacante.

Aos 34 minutos o Torres Novas beneficiou dum livre e Ivan bateu longo, para o segundo poste. João Rosa, seguro, amarrou nas alturas. Pouco depois foi a vez do brasileiro ao serviço da coletividade do Pego a testar a meia distância. O remate, à entrada da área, saiu fácil para o guarda redes Nabais.

O Pego tentava contrariar o domínio torrejano e o capitão Fábio Santos cruzou largo do lado esquerdo do seu ataque para o coração da área. Kleber bem se esticou mas a bola vinha muito alta e perdeu-se. No contra ataque que se seguiu o portador da bola chocou com João Rosa tendo o guarda redes ficado , por momentos, incapacitado e o jogo interrompido. Já em tempo de compensação a bola chegou a ser introduzida na baliza do Pego mas o árbitro Ricardo Bico já havia anulado o lance por posição irregular dum atacante torrejano.

Pouco depois apitou pela última vez no primeiro período e as equipas recolheram aos balneários com o empate a zero a saber a pouco e a deixar promessas de emoção para o segundo tempo.

Empate sem golos ao intervalo sabia a pouco…

Ambos os técnicos não podiam estar satisfeitos com o rendimento das equipas. Ainda que tivessem vontade de alterar algo, a falta de “matéria-prima” nos bancos obrigou a terem atitudes mais conservadoras mantendo as linhas que saíram para o descanso.

A toada do primeiro tempo manteve-se e as ocasiões de golo tardaram em chegar. Aos 52 minutos o Torres Novas beneficiou dum canto que foi batido rente à relva para a entrada da área onde surgiu Daniel a encher o pé mas o esférico ganhou altura e perdeu-se para lá da linha de fundo.

Daniel voltaria a estar em foco aos 56 minutos quando viu um cruzamento seu, dirigido a Miguel Miguel, ser cortado “in extremis” por João Rosa que se arrojou aos pés do adversário.

João Rosa com defesa arrojada.

Aos 57 minutos Bernardo Barreiros cortou junto à linha de fundo um cruzamento largo dos torrejanos. Fê-lo de forma infeliz para os pés de Ivan Alves que com um remate certeiro bateu João Rosa e adiantou o Torres Novas no marcador. Um verdadeiro brinde dava vantagem aos visitantes.

Quando se esperava que o golo influenciasse o comportamento dos pegachos de forma negativa acabou por ser o tónico que catapultou a equipa para o melhor período, perante um Torres Novas estranhamente apático. À hora de jogo, na sequência da marcação dum canto, Willyam cabeceou ao lado, muito perto do poste da baliza de Nabais.

Nabais esteve a bom nível quando chamado a intervir.

Com o Pego “a fazer pela vida” os amarelos de Torres Novas só esporadicamente se abeiravam da baliza de João Rosa. Aos 61 minutos o cruzamento de Bernardo Gomes ao primeiro poste obrigou o guarda redes a defesa atenta.

Depois de largos minutos de interesse reduzido aos 72 minutos Miguel Jesus, que havia entrado para o lugar do capitão Fábio Santos com o intuito de ganhar mobilidade, tirou “um coelho da cartola”. Com uma receção perfeita, rodou sobre Iuri Alves e rematou ao ângulo, fazendo um golo de belo efeito, sem hipóteses de defesa para Nabais.

Bons duelos em jogo de resultado incerto.

As equipas pareciam acomodadas e o “pontito” parecia servir os intentos de ambos os conjuntos. Mas não iria ficar assim.

Novo brinde, numa perda de bola, iria dar a Iuri Alves, gémeo do marcador do primeiro golo, a possibilidade de bater João Rosa pela segunda vez e de fechar as contas do encontro no que a golos dizia respeito. Com 78 minutos de jogo e a moral abalada, a tarefa dos pupilos de Renato Dias tornou-se ciclópica.

Iuri Alves beneficiou do brinde adversário para selar a contagem.

No tempo que faltava jogar nenhuma das equipas encontrou o caminho das redes e a vitória do Torres Novas aceita-se porque teve em maior parte do tempo o sinal mais na partida. Resultado que penaliza o Pego, infeliz, com espírito natalício, e que desperdiçou uma excelente ocasião para pontuar. Deixou bons apontamentos e mostrou que é uma equipa que está ali para lutar pela permanência.

Arbitragem sem problemas de maior. Ninguém quis complicar e o trio de arbitragem também não complicou.

Arbitragem sem problemas.

FICHA DO JOGO:

CASA DO POVO DO PEGO:
João Rosa, Wesley, André Batista, Nathan, Flávio Calado, Bernardo Barreiros (João Ruivo), Fábio Santos (Miguel Jesus), Diogo Rosado (PP), Tiago Marchante, Kleber e Willyam.
Suplentes não utilizados: Mário Lopes e Gil e Gil.
Treinador: Renato Dias.

Casa do Povo do Pego.

CLUBE DESPORTIVO DE TORRES NOVAS:
Nabais, Ricardo Cerqueira (André Pedro), Dias, Christian Sousa, Iuri Alves, Luís André, Daniel (José Brites), João Alves, Bernardo Gomes, Ivan Alves, Miguel Miguel.
Suplentes não utilizados: Christian Santos, Ricardo e Mira.
Treinador: Afonso Alves.

Clube Desportivo de Torres Novas.

GOLOS:
Miguel Jesus (Pego), Iuri Alves e Ivan Alves (T.Novas)

EQUIPA DE ARBITRAGEM:
Ricardo Bico, João Ferreira e João Cruz.

Equipa de Arbitragem: Ricardo Bico, João Ferreira e João Cruz com os capitães.

No final os técnicos fizeram a leitura do jogo e deixaram alguns temas para reflexão:

Renato Dias-Treinador do Pego.

Afonso Alves, Treinador do Clube Desportivo de Torres Novas.

*Com David Belém Pereira (fotos e áudio).

Nasceu a 30 de Janeiro de 1961 em Lisboa e cresceu no Alentejo, em Santiago do Cacém. Dali partiu em 1980 para ingressar no Exército e no Curso de Enfermagem. Foi colocado em Santa Margarida e por aqui fez carreira acabando por fixar-se no Tramagal em 2000. A sua primeira ligação à Vila "metalúrgica" surge em 1988 como Enfermeiro do TSU. Munido da sua primeira câmera digital, em 2009 e com a passagem à situação de reserva, começou a registar a fauna do Vale do Tejo, a natureza e o património edificado da região, as ruas, as pessoas... Com colaborações regulares em jornais da região e nacionais este autodidata acaba por conseguir o reconhecimento público, materializado em alguns prémios. Foi galardoado na 8ª Gala de Cultura e Desporto de Tramagal na categoria de Artes Plásticas (Fotografia) em 2013.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here