Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Segunda-feira, Setembro 20, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

FUTEBOL: As alterações às leis do jogo – Parte IV

Por Jorge Beirão

- Publicidade -

Como já foi notado pelos apaixonados do futebol, o IFAB – International Football Association Boar, aprovou no passado mês de março, alterações às leis do jogo.

Tendo como objectivo, ajudar todos os interessados a conhecer e compreender o jogo de futebol, quanto às suas leis e em particular no que respeita às novas alterações, continuamos hoje a nossa abordagem às alterações do IFABoard às leis do jogo.

- Publicidade -

Antes de entrarmos no tema desta semana, vamos indicar a resposta correta à pergunta que colocámos em “Teste os seus conhecimentos”. A pergunta e as possíveis respostas foram as seguintes:

Com o jogo a decorrer, entra outra bola dentro do campo. Como deve proceder o árbitro?

A – Interrompe imediatamente o jogo e recomeça-o com bola ao solo no local onde a bola se encontrava.

B – Interrompe o jogo se houver interferência e recomeça com bola ao solo no local da interferência.

C – Interrompe o jogo se houver interferência e recomeça com bola ao solo no local onde a bola do jogo se encontrava.

D – Deixar prosseguir o jogo a não ser que as bolas toquem uma na outra.

Resposta:

C – Interrompe o jogo se houver interferência e recomeça com bola ao solo no local onde a bola do jogo se encontrava.

Abordamos hoje as alterações das leis sobre a equipa de arbitragem.

 

Lei 5 – O Árbitro

5.1 – Decisões do Árbitro – opinião e poder discricionário

Texto adicional

As decisões são tomadas o melhor possível pelo árbitro de acordo com as Leis do Jogo e o “espírito do jogo” e são baseadas na opinião do árbitro que tem poder discricionário para tomar as medidas adequadas no quadro das Leis do Jogo.

Explicação

Ao longo das Leis existe a referência a “na opinião do árbitro” e “à discrição do árbitro”, assim esta frase elimina a necessidade de usar regularmente “na opinião de” ou “à discrição de”. O conceito do “espírito do jogo” aparece agora nas Leis.

.

5.2 – Decisões do árbitro – quando as decisões não podem ser alteradas

Texto antigo Novo texto
O árbitro só pode revogar uma decisão se ele verifica ser incorreta ou se o entender necessário, por indicação do árbitro assistente ou do 4.º árbitro, desde que o jogo ainda não tenha recomeçado ou terminado. O árbitro não pode alterar uma decisão se verificar que a mesma é incorreta ou a conselho de outro elemento da equipa de arbitragem, se o jogo já tiver recomeçado ou se o árbitro tiver assinalado o final da primeira ou da segunda parte (incluindo prolongamento) e tiver deixado o terreno de jogo ou terminado o jogo.

Explicação

Uma vez que o árbitro assinala o final de uma das partes do jogo e deixa o terreno, a decisão não pode ser alterada mesmo se a informação surgir por exemplo durante o intervalo.

.

5.3 – Várias infrações cometidas simultaneamente

Texto antigo Novo texto
·         deve sancionar a infração mais grave quando um jogador (os jogadores da mesma equipa) cometa mais que uma infração ao mesmo tempo

·         cometidas por jogadores das duas equipas: o árbitro deve interromper o jogo e recomeçá-lo com um lançamento de bola ao solo

 

·         deve punir a infração mais grave, em termos de sanção, recomeço, dureza física e impacto tático, quando ocorrerem mais do que uma infração ao mesmo tempo

 

Explicação

Não deve ter importância se se trata de um ou vários jogadores ou de que equipa são, já que deve ser penalizada a infração mais grave. Mesma alteração incluída na Lei 14.

.

5.4 – Autoridade para aplicar sanções disciplinares a partir da inspeção do terreno antes do jogo.

Texto antigo Novo texto
O árbitro tem autoridade para aplicar sanções disciplinares, desde o momento que entra no terreno de jogo até que saia após o apito final.  

·         tem autoridade para aplicar sanções disciplinares, desde o momento que entra no terreno de jogo para a inspeção antes do jogo até que saia após o final do jogo (incluindo marcação de pontapés de penálti). Se, antes de entrar no terreno de jogo no início do jogo, um jogador cometer uma infração passível de expulsão, o árbitro tem autoridade para impedir que o jogador participe no jogo; o árbitro deve reportar qualquer outro comportamento incorreto.

Explicação

A nova redação identifica exatamente o momento em que se inicia a autoridade do árbitro para aplicar sanções. A redação atual da Lei 12 diz respeito ao momento em que não foi feito o aquecimento antes do jogo, as equipas não entraram no terreno juntas, etc. É lógico que, se por exemplo 2 jogadores lutarem no túnel ou no aquecimento antes do jogo, os mesmos não podem ser autorizados a jogar, já que tal poria em risco o controlo do jogo e não seria bom para a imagem do jogo.

Durante a inspeção do terreno de jogo, o árbitro pode decidir mudar as marcações, etc., assim, é lógico que este é o momento a partir do qual se inicia a sua autoridade para “expulsar” um jogador. As infrações não passíveis de expulsão serão reportadas, sendo que os cartões amarelos não podem ser exibidos antes do jogo nem podem transitar para o jogo.

.

5.5 – Autoridade para exibir cartões vermelhos e amarelos

Texto antigo Novo texto
O árbitro tem autoridade para exibir cartões amarelos ou vermelhos durante o intervalo ou depois do final do jogo, assim como durante os prolongamentos e pontapés da marca de penálti, porque o jogo continua, nesses momentos, debaixo da sua jurisdição. ·         tem autoridade para exibir cartões amarelos ou vermelhos desde que entra no terreno de jogo no início do jogo até depois de o jogo terminar, inclusive durante o intervalo, prolongamento e pontapés da marca de penálti

Explicação

Esclarece (à luz do ponto 5.4) que o árbitro só pode usar cartões vermelho ou amarelo a partir do momento em que entra no terreno para o começo do jogo.

.

5.6 – Jogador pode ser avaliado e assistido rapidamente no terreno após infração sancionada com cartão amarelo ou vermelho

Texto antigo Novo texto
O árbitro deve (…) parar o jogo se, no seu entender, um jogador está seriamente lesionado e tomar medidas para ser transportado para fora do terreno de jogo. O jogador lesionado só poderá regressar ao terreno de jogo após o jogo ter recomeçado (…)

As exceções a estas regras só são admitidas quando:

• um guarda-redes se lesione

• um guarda-redes e um jogador de campo choquem, necessitando de cuidados imediatos

• jogadores da mesma equipa choquem, necessitando de cuidados imediatos

• uma lesão grave ocorra

Texto adicional

  • um jogador que se lesiona em resultado de uma falta com contacto físico pela qual o adversário é advertido ou expulso (por exemplo: falta grosseira ou conduta violenta), se a avaliação ou assistência tiver lugar rapidamente.

Explicação

É normalmente considerado injusto que um jogador que se lesiona devido a uma falta grave, entrando no terreno o treinador ou médico, tenha de deixar o terreno dando vantagem numérica à equipa infratora.

.

5.7 – Impacto de elemento estranho tocar na bola quando esta se dirige para a baliza

Texto antigo Novo texto
uma segunda bola, um outro objeto ou um animal entrarem no terreno de jogo, o árbitro: – só deve interromper a partida no caso de interferirem no jogo. O jogo deve ser recomeçado com um lançamento de bola ao solo no local se uma segunda bola, um outro objeto ou um animal entrar no terreno de jogo o árbitro deve:

·         interromper o jogo (e recomeçá-lo com um lançamento de bola ao solo) apenas se interferir no jogo, a menos que a bola se dirija para a baliza e se a interferência não impedir que um defesa jogue a bola, o golo deve ser validado se a bola entrar na baliza (mesmo que o contacto tenha sido com a bola), exceto se a bola entrar na baliza adversária

Explicação

Isto torna a Lei 5 coerente com a alteração na Lei 3

.

5.8 – Equipamento do árbitro

Texto adicional

Equipamento obrigatório:

  • Apito(s)
  • Relógio(s)
  • Cartões vermelho e amarelo
  • Bloco de notas (ou outro meio de registar as informações relativas ao jogo)

Outro equipamento

Os árbitros podem ser autorizados a usar:

  • Equipamento para comunicar com os outros elementos da equipa de arbitragem –

dispositivos de vibração e bandeiras com sinal sonoro, auscultadores etc.

  • Sistemas eletrónicos de desempenho e monitorização ou outro equipamento de

monotorização de desempenho.

Os árbitros e os outros elementos da equipa de arbitragem estão proibidos de usar joias ou qualquer outro equipamento eletrónico.

Explicação

Transferida da Lei 4; a redação esclarece o equipamento que um árbitro está ou não autorizado a usar.

.

LEI  6 – Os Outros Elementos da Equipa de Arbitragem

6.1 – Alteração do título

Título anterior

Os Árbitros Assistentes

Explicação

Os deveres de todo os outros elementos da equipa de arbitragem (árbitros assistentes, quarto árbitro, árbitros assistentes adicionais e árbitro assistente de reserva) estão agora incluídos nesta Lei.

.

6.2 – Autoridade do árbitro sobre os outros elementos da equipa de arbitragem

Texto adicional

Os elementos da equipa de arbitragem atuam sob a direção do árbitro.

Explicação

Realça o papel de liderança do árbitro.

.

6.3 – Assistência prestada ao árbitro pelos outros elementos da equipa de arbitragem

Texto adicional

Os elementos da equipa de arbitragem ajudam o árbitro a inspecionar o terreno de jogo, as bolas e o equipamento dos jogadores (inclusive nas situações em que foram resolvidos problemas) e a fazer o registo do tempo, golos, comportamento incorreto, etc.

Explicação

A indicação na parte inicial da Lei da assistência normalmente prestada ao árbitro evita

repetições nas secções de cada elemento da equipa de arbitragem.

.

6.4 – Procedimento se um elemento da equipa de arbitragem estiver impossibilitado de arbitrar

Texto antigo Novo texto
O organizador deve indicar claramente antes do início da competição qual de entre o quarto árbitro e o árbitro assistente mais qualificado substitui o árbitro designado no caso de indisponibilidade do último. Se for o árbitro assistente, o quarto árbitro torna-se então árbitro assistente. O regulamento da competição deve indicar claramente quem é que substitui um árbitro que está impossibilitado de começar ou continuar o jogo e as alterações que a substituição implica. O regulamento deve, em especial, indicar claramente se, no caso de o árbitro estar impossibilitado de continuar, deve ser o quarto árbitro ou o árbitro assistente mais qualificado ou o árbitro assistente adicional mais qualificado a assumir o controlo do jogo.

Explicação

Esta redação simplifica, de modo que não é necessário elencar cada cenário.

.

6.5 – Deveres do quarto árbitro

Texto adicional

O quarto árbitro (…) ajuda o árbitro em todo o momento a:

  • verificar o equipamento de um jogador ou suplente
  • indicar o tempo de jogo adicional mínimo que o árbitro pretende conceder no final de cada parte (incluindo prolongamento)

Explicação

Foram acrescentadas tarefas normalmente desempenhadas pelo quarto árbitro.

.

– Teste os seus conhecimentos:

1ª – Qual dos seguintes deveres não corresponde especificamente ao árbitro-assistente na altura em que se executam os pontapés da marca de grande penalidade?

A – Comprovar se a bola ultrapassou a linha de golo.

B – Assinalar se o executante do pontapé de penálti cometeu uma infração.

C – Assinalar quando se marca golo.

D – Assinalar se o guarda-redes se adianta antes de o pontapé de penálti ser executado.

.

2ª – Não existe infração ao fora de jogo quando um jogador recebe a bola diretamente:

A – De um pontapé de baliza ou pontapé de penálti.

B – De um pontapé de baliza, lançamento lateral, ou pontapé de canto.

C – De um pontapé de baliza, pontapé de penálti ou pontapé de canto.

D – Pontapé livre indireto, pontapé de baliza ou lançamento bola ao solo.

 

jorge-beirao-3
Jorge Beirão

(Jorge Beirão é licenciado em Educação Física pela Faculdade de Motricidade Humana. No futebol foi jogador, tendo sido campeão distrital nos escalões de formação. Foi treinador de seniores, mas foi na formação que conquistou três títulos distritais e várias permanências em campeonatos nacionais. Foi árbitro durante dez anos, entre as décadas de 70 e 80. Chegou a árbitro da primeira categoria distrital e fui durante seis épocas árbitro assistente da primeira divisão nacional)

Tem 41 anos e uma profissão que tudo tem que ver com jornalismo e informação... Engenheiro Eletrotécnico. O gosto pela informação desportiva ganhou-o ainda criança com o pai e a mãe na rádio. A informação escrita é uma nova aventura. Acredita que o desporto é fator de promoção e desenvolvimento regional e de aproximação "das gentes", pelo que noticiá-lo é um imperativo. Praticou várias modalidades, foi treinador e árbitro de basquetebol. É casado e tem uma filha que o obriga a correr. Colabora na Antena Desportiva da rádio Antena Livre, sendo a rádio uma das suas maiores paixões.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome