Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Outubro 23, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Futebol | Amiense contou com um Ganso inspirado para vencer em Torres Novas (c/fotos e áudio)

CLUBE DESPORTIVO DE TORRES NOVAS 1 – CLUBE DESPORTIVO AMIENSE 2
Campeonato Distrital da AFS – 1ªDivisão
Estádio Municipal Dr. Alves Vieira em Torres Novas
19-09-2021

- Publicidade -

O campeonato distrital da divisão principal da Associação de Futebol de Santarém (AFS) começou sob o signo da surpresa. A jornada inaugural trouxe alguns resultados pouco expectáveis e desde logo entre eles a vitória do Amiense em Torres Novas.

O clube da cidade torrejana não conhecia o sabor da derrota caseira há cerca de dois anos pelo que o feito da equipa liderada por Cabé ganha maior relevo.

- Publicidade -

De Amiais viajou ruidosa claque de apoio.

Com as bancadas bem compostas de adeptos, de Amiais de Baixo viajou uma ruidosa claque que não regateou apoio à sua equipa. Um relvado em excelente estado e atletas motivados, com fome de bola, elevavam as expectativas de se assistir a um bom jogo.

Público assistiu a partida de qualidade.

Com as equipas a aparentarem uma boa saúde física e adiantado estado de preparação o jogo começou a bom ritmo, com a equipa da casa a procurar assenhorar-se do jogo, marcando os tempos de modo a dar ao adversário poucas hipóteses de resposta. Só que do outro lado estava uma equipa com a lição bem estudada e que, com uma pressão em todo o campo, obrigava o portador da bola a decisões nem sempre acertadas.

O primeiro sinal de perigo nasceu aos dois minutos na conversão dum pontapé de canto que Diogo cabeceou de forma acrobática mas ao lado. Estavam as equipas a encaixarem quando Ganso ganhou o esférico no meio campo, tirou adversários do caminho e na cara de Nabais atirou a contar para um golo de belo efeito.

Ganso foi figura de relevo no Amiense.

Um golo “cínico” a colocar os visitantes a ganhar aos 12 minutos no primeiro remate à baliza torrejana.

O golo não trouxe grandes alterações ao jogo para além de roubar tranquilidade à equipa de Pedro Pereira que começou a acusar nervosismo, acumulando erros não forçados.
Disso se aproveitou o Amiense e num excelente momento de contra ataque um cruzamento da direita, para o espaço entre a linha de defesas e o guarda redes, encontrou Ganso sem marcação.

Com um excelente pormenor, só ao alcance dos bons jogadores, tirou Nabais da jogada com um toque subtil. Aos 16 minutos os visitantes ampliavam a diferença com novo golo de Ganso e tornavam ciclópica a tarefa da equipa da casa.

A perder por dois golos muito cedo o Torres Novas tremeu.

Como um azar nunca vem só, Pedro Pereira foi obrigado a mexer no onze por lesão de Vítor Calças aos 20 minutos. Entrou João Alves para o seu lugar. A ordem era para fazer golos e depois de Fábio Dâmaso chegar atrasado na conversão dum canto favorável ao Amiense, o Torres Novas voltou a carregar.

Aos 25 minutos Cláudio Major rematou forte mas o esférico esbarrou num defesa permitindo aos visitantes lançarem o contra golpe. Desta vez Ganso teve a forte oposição de Nabais. O guarda redes esticou-se e com o pé defendeu, impedindo o terceiro do Amiense e de Ganso.

Trabalho de qualidade dos guarda redes.

Após um pequeno “sururu” junto ao banco torrejano que valeu a amostragem do cartão amarelo a Cláudio Major, o Torres Novas beneficiou de alguns ressaltos na área do Amiense para executar sucessivos remates devolvidos pela defensiva. Miguel Miguel em boa posição rematou para defesa de Francisco Silva.

Estávamos com meia hora de jogo e os torrejanos tardavam em encontrar o caminho da baliza e a ansiedade crescia…

Com o tempo a passar aumentava a ansiedade dos torrejanos.

Do outro lado do campo o Amiense defendia com tranquilidade e não enjeitava a possibilidade de voltar a marcar em “venenosos” contra ataques. Numa rápida transição ofensiva Lista ficou cara a cara com Nabais mas atirou sobre o travessão.

Pouco depois, aos 36 minutos, um livre favorável à equipa da casa resultou numa sequência de cantos, inócuos para as redes do Amiense.

Dois minutos volvidos, na sequência dum livre para os da casa, Edgar conseguiu introduzir a bola na baliza de Francisco Silva mas o lance já havia sido anulado por posição irregular. Boa decisão do auxiliar do lado da bancada principal.

Auxílio precioso a Rui Mendes anulou golo irregular.

Aos 41 minutos, com o intervalo no horizonte, o Amiense voltou a estar perto de marcar com Edgar a rematar muito perto da baliza da equipa de Torres Novas. Já nos descontos, depois duma defesa atenta de Nabais, Fábio Dâmaso rematou por cima. Entretanto Rui Mendes mandou toda a gente regressar aos balneários para um merecido descanso.

Aceitava-se o resultado ao intervalo apesar de ser castigo demasiado severo para a equipa torrejana. Havia curiosidade em perceber com Pedro Pereira iria armar a sua equipa para tentar inverter a tendência do marcador.

Resultado pesado ao intervalo para a equipa da casa.

Na verdade o Torres Novas surgiu transfigurado para o tempo complementar, mais atacante. No primeiro minuto do segundo tempo o remate espontâneo de Diogo Rosa criou dificuldades ao guarda redes Francisco Silva.

Aos 50 minutos foi a vez de Messi testar a meia distância e de novo o guarda redes visitante esteve à altura dos acontecimentos. A resposta do Amiense surgiu logo depois pelo incontornável Ganso a rematar de primeira e a bola a passar perto da baliza à guarda de Nabais.

Segundo tempo foi repartido em posse e ocasiões de golo.

Com as equipas a alternarem na construção de lances de ataque o jogo ganhou vivacidade não se traduzindo, no entanto, as ocasiões em golos, quer por acerto defensivo quer por dificuldades na hora de concretizar. Ainda assim, já com uma hora jogada, Diogo Rosa voltou a ter boa iniciativa e o remate de fora da área permitiu nova defesa a Francisco Silva.

No minuto seguinte, um canto favorável à equipa de Amiais obrigou Nabais a antecipar-se a toda a gente e a agarrar a dois tempos. Pouco depois, em consequência de novo pontapé de canto, a bola rondou a baliza do guarda redes da casa, passando a raspar a trave.

Jogou-se muito sobre o meio campo.

Aos 66 minutos o Torres Novas cruzou do lado esquerdo do seu ataque para o segundo poste onde Miguel Miguel recolheu e rematou forte. O remate, prensado num defensor, acabou nas luvas do guarda redes.

Três minutos passados foi a vez da resposta do Amiense. Ganso ganhou a linha de fundo pela esquerda e cruzou de forma perfeita para a cabeça do recém entrado Moleiro. Adivinhando o perigo Nabais antecipou-se e, com uma palmada, afastou o esférico.

O Torres Novas ia insistindo com cruzamentos e remates da meia distância mas sem conseguir marcar. O golo viria surgir aos 76 minutos, de grande penalidade, por rasteira de Diogo Rosa a um atacante. Da marca dos onze metros Miguel Miguel não vacilou e reduziu a expressão do marcador para a diferença mínima.

Miguel Miguel reduziu para os torrejanos de grande penalidade.

Com um quarto de hora, mais descontos, para jogar, a equipa de Pedro Pereira ganhou alento e acreditava poder inverter a situação que continuava desfavorável.

Pressentindo a pressão do adversário o Amiense optou por conservar a bola o maior tempo possível reduzindo as possibilidades da equipa da casa de criar situações atacantes.
A verdade é que o tempo de jogo se esgotou e a equipa de arbitragem concedeu sete minutos a título de compensação.

Muita entrega dos atletas já com bons índices físicos.

Foi precisamente nos descontos, no primeiro minuto, que os torrejanos poderiam ter chegado ao empate. Na cobrança dum canto Edgar cabeceou ao lado. Na resposta Luís Moleiro entrou na área e quando preparava o remate foi desarmado “in extremis”.

A última oportunidade para a equipa da casa foi com o tempo esgotado. O livre levou o esférico para longe e Rui Mendes apitou para o final do encontro.

Boa arbitragem.

Bom jogo de futebol, onde as equipas já apresentaram bons índices físicos e onde o Amiense se adiantou pelo talentoso Ganso. O golo de Miguel Miguel foi insuficiente para chegar ao empate que talvez se ajustasse à forma como as equipas se comportaram.

Arbitragem tranquila de Rui Mendes e auxiliares num jogo entre vizinhos, com apoiantes de ambos no estádio, com momentos de algum “frisson”. Na segunda jornada o Torres Novas viaja até Benavente e o Amiense receberá no Campo da Azenha o Salvaterrense.

Equipas prometem campeonato competitivo.

Ficha do Jogo:

CLUBE DESPORTIVO DE TORRES NOVAS:
Nabais, Fábio Timor, Zé Brites, Tiago Ferreira, Salgueiro (Tozé), Prates, Messi (Afonso), Diogo Rosa, Vítor Calças (Edgar), Cláudio Major e Miguel Miguel.
Suplentes não utilizados: Rui Pereira, Mira, João Alves e Nuno Vieira.
Treinador: Pedro Pereira.

Clube Desportivo de Torres Novas.

CLUBE DESPORTIVO AMIENSE:
Francisco Silva, Rodrigo Lucas, Costinha, Fábio Dâmaso (Luís Moleiro), Fábio Marques (Gonçalo Simões), Ganso, João Cambé (Diogo Pereira), João Rodrigues, João Neto, Lista (Salvador Martinha) e Gabriel Silva.
Suplentes não utilizados: Guilherme Reis, Tomás Parreira e Samuel Duarte.
Treinador: Cabé.

Clube Desportivo Amiense.

GOLOS: Miguel Miguel (T.Novas) e Ganso [2] (Amiense).

EQUIPA DE ARBITRAGEM:
Rui Mendes, Pedro Sousa e Rafael Escudeiro.

Equipa de Arbitragem: Rui Mendes, Pedro Sousa e Rafael Escudeiro com os capitães.

DISCIPLINA
Cartão amarelo: Fábio Gaspar e Zé Brites (T.Novas); João Rodrigues, Fábio Marques, João Neto, João Cambé e Luís Moleiro (Amiense).

Como habitualmente fomos escutar os responsáveis técnicos de ambas as equipas:

PEDRO PEREIRA (Torres Novas)

Pedro Pereira, treinador do Torres Novas.

CABÉ (Amiense)

Cabé, treinador do Amiense.

*Com David Belém Pereira (multimédia).

Nasceu a 30 de Janeiro de 1961 em Lisboa e cresceu no Alentejo, em Santiago do Cacém. Dali partiu em 1980 para ingressar no Exército e no Curso de Enfermagem. Foi colocado em Santa Margarida e por aqui fez carreira acabando por fixar-se no Tramagal em 2000. A sua primeira ligação à Vila "metalúrgica" surge em 1988 como Enfermeiro do TSU. Munido da sua primeira câmera digital, em 2009 e com a passagem à situação de reserva, começou a registar a fauna do Vale do Tejo, a natureza e o património edificado da região, as ruas, as pessoas... Com colaborações regulares em jornais da região e nacionais este autodidata acaba por conseguir o reconhecimento público, materializado em alguns prémios. Foi galardoado na 8ª Gala de Cultura e Desporto de Tramagal na categoria de Artes Plásticas (Fotografia) em 2013.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome