Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Outubro 23, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Futebol | Aldeiense e Tramagal empatam e comprometem apuramento para “play off” da subida

ASSOCIAÇÂO CULTURAL E DESPORTIVA ALDEIENSE 1 – TRAMAGAL SPORT UNIÃO 1
Campeonato Distrital da AFS – 2ªDivisão – Série A – 9ªjornada
Campo Municipal de Constância, Montalvo
20-12-2020

- Publicidade -

Não foi um bom jogo o que o “público” em número considerável assistiu em Montalvo.
O Campo Municipal de Constância, pela sua morfologia, permite que se observe o jogo a partir do exterior e foram muitos os que se deslocaram da Aldeia de Santa Margarida da Coutada e da Vila de Tramagal, alguns trajados a rigor, para vibrarem com os respetivos emblemas.

Campo Municipal de Constância em Montalvo.

- Publicidade -

Apesar do apoio dos adeptos, os jogadores preocuparam-se demasiado com atitudes que não fazem parte dos manuais do futebol, tratando menos bem a “redondinha”.

Com os dois clubes a virem de vitórias e com a rivalidade imposta pela proximidade geográfica esperava-se um jogo atrativo.

Grandes penalidades fixaram o resultado.

Com dois técnicos jovens e ambiciosos as equipas apresentaram-se dispostas a arrecadarem os pontos que necessitavam para manter viva a ambição de estarem no grupo de equipas que irão discutir o apuramento do Campeão e da subida ao escalão maior do futebol distrital.

O conhecimento mútuo é total e as equipas rapidamente encaixaram nos respetivos esquemas, jogando-se muito a meio campo, procurando soluções para invadir as áreas adversárias.

Treinadores que se conhecem bem.

O primeiro sinal de perigo pertenceu aos visitantes já para lá do minuto oito. O capitão Gonçalo Fernandes testou a meia distância obrigando o guarda redes Luiz Vasconcellos a defesa atenta.

Dois minutos depois Zé Garcia fez falta no ataque e a juíza da partida, Roxana Dobie, fez um “aviso à navegação”. Mostrando o cartão amarelo, sem aviso prévio, deu a entender que não iria contemporizar com indisciplina.

Zé Garcia viu o cartão muito cedo num critério que não se manteve.

Aos 12 minutos os donos da casa beneficiaram dum livre perigoso que o guarda redes João Félix não agarrou, sendo assinalada falta a favorecer os “metalúrgicos”.

Com os jovens brasileiros da equipa de Wilson Leite a tentarem mostrar serviço, eram os veteranos do Tramagal a tentarem carregar a equipa. Os jogadores mais adiantados dos visitantes não tinham as melhores decisões partindo para duelos corpo a corpo quando os adversários eram mais fortes. Deveriam ter tirado partido da velocidade o que raramente aconteceu.

Dificuldade de progressão dos alas visitantes.

Ainda assim, aos 18 minutos, Gonçalo Grilo sofreu falta dura por trás, o cartão ficou no bolso, e David Nunes atirou ao lado.

Aos 24 minutos, um livre do outro lado do campo foi batido por Thiago Mello para o segundo poste onde os colegas chegaram atrasados. No minuto seguinte, a equipa de Santa Margarida desenhou uma boa jogada, com a bola a rodar por vários jogadores e com o remate a sair muito perto do poste da baliza à guarda de João Félix.

Jogadores brasileiros do Aldeiense tentaram fazer a diferença.

Nesta fase do jogo o Tramagal parecia algo apático e o Aldeiense tomava conta da partida.
Aos 27 minutos um livre, tipo canto mais curto, obrigou a defensiva tramagalense a trabalho suplementar.

Na resposta, os atacantes dos “azuis”, a jogarem de branco, engrenaram a velocidade e Zé Garcia procurou servir Gonçalo Grilo na área. A defensiva da casa resolveu a contento.
Um livre, em zona frontal, favorável ao Aldeiense, levou Thiago Mello a tentar combinar com os colega mas a linha mais recuada dos adversários não o permitiu.

Muita luta no meio campo.

Com as equipas a repartirem, de novo, a posse de bola e as parcas ocasiões de algum perigo, chegou-se ao minuto 35, fatídico para o guarda redes Luiz Vasconcellos que se lesionou na mão direita e teve de ser rendido na baliza por Bernardo Amaro. Ainda antes do intervalo Wilson Leite foi obrigado a mexer na sua equipa sem que o desenho tático se alterasse.

Entretanto os jogadores iam-se esquecendo de jogar futebol e entravam por caminhos pouco dignificantes. Junto ao banco do Aldeiense estalou um “sururu” sendo o lateral visitante André Miguel acusado de agressão.

A equipa de arbitragem, numa decisão salomónica habitual nestes casos, mostrou o amarelo a jogadores das duas equipas. Estava-se no 41º minuto.

Luiz Vasconcellos lesionou-se ao minuto 35 e foi rendido por Bernardo Amaro.

Sanada a confusão voltou o futebol e Gonçalo Fernandes solicitou a velocidade de Zé Garcia mas o guarda redes chegou primeiro. Já em tempo de compensação a defensiva tramagalense cometeu falta mesmo sobre a linha de área, chegando a ser gritado penalti.

Thiago Mello, o habitual cobrador de bolas paradas do Aldeiense, atirou por cima.
Três minutos para lá do tempo regulamentar um remate cruzado do jogador brasileiro obrigou João Félix a defesa de qualidade, cedendo canto. Na cobrança André Milagaia cabeceou ao lado no lance que encerrou a primeira parte.

Nulo aceitável ao intervalo, justificado pela falta de eficácia atacante de ambos os conjuntos.

Pouca eficácia penalizou ambos os conjuntos.

O técnicos não podiam estar satisfeitos e urgia fazerem algo para modificar o figurino do jogo. Wilson Leite lançou David Martins no lugar de Tiago Dias mantendo o esquema tático.
Já Júlio Batista foi mais longe e tirou o jovem atacante Zé Garcia, já “amarelado”, e trouxe para o jogo Bernardo Barreiras passando o Tramagal a jogar com três defesas, com Nalha a jogar a médio recuado. Passou a haver um meio campo superpovoado.

Meio campo com muitas unidades.

Dois minuto após o recomeço, Geovani rematou fraco e ao lado da baliza de Félix. Na resposta Bernardo Barreiros rematou forte, não incomodando Amaro já que o esférico passou por cima do travessão.

Após estes lances o jogo voltou a “adormecer” e só o remate forte de Tiago Roma à entrada da área, aos 55 minutos, fez vibrar os presentes. Bernardo Amaro respondeu com uma defesa enorme, mantendo inviolada a sua baliza.

Público do lado de fora foi motivador.

Com as alas bem abertas o jogo dos visitantes convidava à velocidade. Pisco embalou e rematou cruzado com a bola a anichar-se nas malhas laterais, mas pelo lado de fora.

Jogava-se há 18 minutos no segundo tempo e pouco depois, aos 67 minutos, um cruzamento bem medido da ala esquerda do Aldeiense encontrou Fábio Leite isolado na área. Cabeceou por cima.

Muita disputa entre duas boas equipas.

Aos 69 minutos uma bola bombeada para o intermediária dos tramagalenses, aparentemente inócua, levou Nalha a cabecear para trás. João Félix levou demasiado tempo a reagir e quando o fez foi batido por Zé Charles que ficou com a baliza escancarada. João Baião ainda tentou o desarme mas derrubou o brasileiro. Penalti indiscutível.

Já o cartão vermelho, mostrado ao tramagalense, pareceu exagerado pelo preceituado na Lei 12, página 108 do International Board. A falta foi provocada na disputa da bola sem uso de violência. Aceitava-se a advertência com a exibição do cartão amarelo evitando a famigerada “tripla penalização”.

João Félix não conseguiu parar a penalidade de Geovani.

Na conversão do castigo máximo Geovani atirou para o lado direito do guarda redes João Felix, não lhe dando qualquer hipótese de defesa. O Aldeiense passava a liderar no marcador.

Aos 73 minutos Charles teve nos pés uma boa ocasião para ampliar a vantagem. O remate saiu pela linha de fundo, por alto.

No minuto seguinte Pisco entrou em velocidade na área contrária e foi rasteirado por Thiago Mello que não sofreu qualquer sansão disciplinar. David Nunes, da marca dos onze metros, não vacilou e repôs a igualdade ainda com um quarto de hora para jogar.

David Nunes empatou de penalti.

Com as equipas a darem mostras de ansiedade, os visitantes melhoraram a qualidade do seu futebol e tornaram-se mais perigosos, com Singéis, entrado à hora de jogo, a ser a referência na área adversária.

Aos 77 minutos Thiago Mello rasteirou Nalha por detrás e viu o cartão amarelo. Só aos 82 minutos se voltou a gritar golo no Municipal em Montalvo. O remate cruzado de Pisco, de muito longe, enganou alguns mas saiu ao lado ainda que muito perto.

David Nunes apelava à clarividência dos companheiros.

A resposta do Aldeiense chegou por Thiago Mello mas o remate saiu fraco e ao lado.
A faltarem seis minutos para o tempo regulamentar O Tramagal beneficiou dum livre e Gonçalo Fernandes obrigou a defensiva contrária a ceder canto.

Pouco depois Singéis teve um bom gesto técnico, assistindo Pisco, já no coração da área. O guarda redes Bernardo Amaro foi mais rápido e recolheu o esférico.

Capitão Gonçalo Fernandes conduz o ataque dos “metalúrgicos”.

Entretanto a árbitro Roxana Dobie mandou que se jogasse mais quatro minutos a título de compensação. No primeiro deles Félix foi lesto a resolver uma enorme confusão na sua área que podia levar perigo à suas redes.

No minuto seguinte Carlos Silva isolou-se mas permitiu que a defensiva tramagalense resolvesse e Geovani rematou sem direção saindo a bola pela linha de fundo.

Com o tempo esgotado Tiago Dias subiu até à área dos visitantes e armou um forte remate sem oposição. Saiu ao lado e o apito soou dando o jogo por terminado.

Remate de Tiago Dias ao lado foi o último suspiro do encontro.

Jogo típico de campeonato, com as equipas de olhos postos nos três pontos. O que sobrou em emotividade faltou em discernimento. Resultado correto penalizando a falta de eficácia de ambos os conjuntos que com as vitórias dos primeiros classificados terão hipotecado as hipóteses de disputar a subida de divisão.

Arbitragem de Roxana Dobie globalmente correta, no aspeto técnico, mas deixou muito a desejar na aplicação da disciplina. É jovem, tem valor para, limadas algumas carências, ser um bom árbitro.

Expulsão de João Baião pareceu exagerada.

Ficha do Jogo:

ASSOCIAÇÂO CULTURAL E DESPORTIVA ALDEIENSE:

Luiz Vasconcellos (Bernardo Amaro), Luís Mateus, Tiago Dias, Marco Lino, André Milagaia, Zé Charles, Geovani, Tiago Dias (David Martins), Thiago Mello (José Oliveira), Fábio Leite (Luís Félix) e João Oliveira (Carlos Silva).
Suplentes não utilizados: TóZé e Rúben Jorge.
Treinador: Wilson Leite.

Associação Cultural e Desportiva Aldeiense.

TRAMAGAL SPORT UNIÃO:

João Félix, André Miguel (Singéis), Pedro Alves, João Baião, Nalha, Gonçalo Fernandes, David Nunes, Tiago Roma, Gonçalo Grilo, Pisco e Zé Garcia (Bernardo Barreiras).
Suplentes não utilizados: João Serafim, Leal, Monteirinho, Pedro Bráz e Luís Espadinha.
Treinador: Júlio Batista.

Tramagal Sport União

GOLOS:
Geovani [g.p.] (Aldeiense) e David Nunes [g.p.] (Tramagal).

EQUIPA DE ARBITRAGEM:
Roxana Dobie, Matilde Maia e Fábio Lima.

Equipa de Arbitragem: Roxana Dobie, Matilde Maia e Fábio Lima.

No final do jogo fomos escutar os responsáveis técnicos de ambas as equipas:

Wilson Leite, treinador do Aldeiense.

 

Júlio Batista-Treinador do Tramagal Sport União.

*Com David Belém Pereira (multimédia).

Nasceu a 30 de Janeiro de 1961 em Lisboa e cresceu no Alentejo, em Santiago do Cacém. Dali partiu em 1980 para ingressar no Exército e no Curso de Enfermagem. Foi colocado em Santa Margarida e por aqui fez carreira acabando por fixar-se no Tramagal em 2000. A sua primeira ligação à Vila "metalúrgica" surge em 1988 como Enfermeiro do TSU. Munido da sua primeira câmera digital, em 2009 e com a passagem à situação de reserva, começou a registar a fauna do Vale do Tejo, a natureza e o património edificado da região, as ruas, as pessoas... Com colaborações regulares em jornais da região e nacionais este autodidata acaba por conseguir o reconhecimento público, materializado em alguns prémios. Foi galardoado na 8ª Gala de Cultura e Desporto de Tramagal na categoria de Artes Plásticas (Fotografia) em 2013.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome