Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Sábado, Maio 8, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Futebol | ACD Aldeiense é 3º clube a anunciar desistência da II divisão distrital (c/áudio)

A direção da Associação Cultural e Desportiva Aldeiense – Futebol, de Santa Margarida da Coutada, anunciou a desistência da equipa sénior da série A da II divisão distrital de futebol de Santarém. O clube do concelho de Constância junta-se assim à Liga Regional de Melhoramentos de Ortiga e ao Tramagal Sport União, que também já anunciaram que não vão participar na retoma da época desportiva agendada para 9 de maio.

- Publicidade -

Em declarações ao mediotejo.net, o presidente da direção do Aldeiense, Luís Varino, disse que a decisão assenta em critérios financeiros, mas também de saúde pública e da saúde dos próprios atletas. “Depois de uma paragem de mais de três meses, superior aquela que se verifica no interregno do Verão, tendo em conta a situação que ainda vivemos no nosso país e na nossa zona em especifico, visto termos concelhos com medidas apertadas de vigilância, a hipótese de nova interrupção não pode nem deve ser posta de parte, o que faria deitar por terra todos os custos e trabalho que a retoma obriga”, deu conta o clube.

ÁUDIO: LUÍS VARINO, PRESIDENTE DA ACD ALDEIENSE:

- Publicidade -

Em comunicado, a direção do Aldeiense anunciou a decisão e explicou aos sócios e adeptos os motivos da desistência da equipa sénior do campeonato distrital da presente época desportiva, sendo que a equipa de juniores já começou a treinar e vai disputar o torneio que está a ser organizado pela Associação de Futebol de Santarém (AFS).

“Tendo em conta a decisão da AFS na retoma dos campeonatos de futebol distrital, onde o nosso clube está inscrito na série A da 2ª Divisão Distrital, depois de consultarmos a equipa técnica, decidiu a Direção da ACDA em não retomar nesta época à prova facultativa em que estava inscrita na AFS, da equipa Sénior”, pode ler-se, destacando a longa paragem que se verifica no campeonato, desde janeiro deste ano, e as possíveis consequências da retoma.

“Esta paragem obriga aos atletas a cumprir uma nova pré-epoca, não existindo tempo suficiente para isso, tendo em conta o reinicio previsto para 09/05, existindo um perigo acrescido de eventuais lesões, habituais num inicio de época, que levam, para além dos custos financeiros que isso implica, a lesões nos próprios atletas amadores”, pode ler-se.

Por outro lado, acrescenta, “também, e pelo que tem sido transmitido pelo Governo, a presença de público nos campos não será, muito certamente, uma realidade, não fazendo por isso qualquer sentido que, um desporto que é do povo e para o povo, lhe esteja vedado e que não possamos com essas pessoas partilhar a nossa atividade, pessoas essas que são um dos garantes da parte financeira necessária a qualquer atividade”.

Equipa sénior do Aldeiense vai manter o treinador Wilson Leite na próxima época desportiva. Foto. Facebook7ACD Aldeiense

Nesse sentido, o Aldeiense conclui apelando à “compreensão de todos, desde atletas, patrocinadores, sócios e público em geral, desta nossa medida, aliás já adotada por outros dois clubes da mesma série, TSU e LRM Ortiga, mas é nosso entendimento que é a solução mais correta tendo em conta todas as variáveis e condicionantes a que estamos sujeitos”.

Ortiga e TSU também desistem na série A da II divisão distrital 
O presidente da direção da LRM de Ortiga, Joel Marcão, disse, por sua vez, que para o clube, “não estão reunidas as condições mínimas para retomar a prática desportiva”, tendo feito notar que a decisão de desistência assenta, essencialmente, na problemática da pandemia. Para o dirigente, o mais importante é salvaguardar a retoma da normalidade no concelho de Mação e garantir que não existe um retrocesso no plano de desconfinamento.
ÁUDIO: JOEL MARCÃO, PRESIDENTE LRM ORTIGA:

“Neste momento é importante salvaguardar a retoma da normalidade no nosso concelho e garantir que não existe um retrocesso no plano de desconfinamento”, deu conta o clube em comunicado, tendo feito notar que, “devido ao reduzido número de habitantes, qualquer contágio de grupo pode colocar toda a comunidade numa situação delicada”.

A Liga Regional de Melhoramentos de Ortiga, pode ler-se, “desde sempre promoveu e incentivou atividades desportivas, no entanto, de acordo com a atual situação, a melhor forma de servir a nossa comunidade no futuro é assegurar que existe um presente para todos”, conclui, assegurando Joel Marcão que o clube voltará mais forte na próxima época e com melhores condições no parque desportivo.

Tramagal também desiste da atual época desportiva

De recordar que também a direção do Tramagal Sport União (TSU), a disputar a mesma série A da II divisão distrital, rejeitou igualmente a retoma da época desportiva e anunciou a sua desistência da prova. Em comunicado, o clube da Vila Metalúrgica fez saber que, “face ao atual contexto, após a análise dos prós e contras, auscultada a opinião dos atletas, equipa técnica, equipa médica e órgãos sociais do TSU, foi decidido que não estão reunidas as condições para a retoma da competição desportiva, como tal, optamos pela desistência da prova”.

Em declarações ao mediotejo.net, o presidente do TSU, João Serafim, explicou de viva voz as razões de uma decisão que considerou “difícil, mas muito ponderada”, e que assenta na “perspetiva de um futuro com sustentabilidade, garante de saúde e no interesse da instituição” que assinala o seu centenário no próximo ano, a 01 de maio.

ÁUDIO: JOÃO SERAFIM, PRESIDENTE TSU:

A Associação de Futebol de Santarém aprovou a retoma dos campeonatos da I e II divisões distritais de futebol para o dia 09 de maio, um domingo. A par do regresso do futebol sénior, incluindo a Taça do Ribatejo, foi também anunciado o regresso para aquele fim de semana dos jogos de sub-21 e dos campeonatos de futsal.

“A Direção da AF Santarém (AFS) depois de uma cuidada reflexão e contributos dos dirigentes dos clubes decidiu, em reunião de Direção, a retoma das provas que estavam interrompidas, com início no fim de semana de 8 e 9 de maio de 2021”, refere a AFS em comunicado, dando ainda conta das adaptações definidas.

No campeonato distrital da 1.ª Divisão haverá lugar à realização de 50% das jornadas, aplicando-se o regime de subidas e descidas, na 2.ª Divisão a realização de 100% das jornadas da 1a fase, aplicando-se o regime de subidas e descidas, no campeonato distrital de Futsal Masculino a realização de 75% das jornadas da 1a fase, com introdução de playoff com os dois primeiros classificados de cada série, e o torneio Sub 21 Futebol 11 com a realização de dez jornadas, em formato a definir.

A decisão foi anunciada formalmente pela AFS no dia 31 de março e decorre depois de terem sido ouvidos os clubes e dirigentes desportivos. As opiniões não foram unânimes relativamente ao regresso dos campeonatos, suspensos desde janeiro, mas a AFS deliberou no sentido da retoma das competições, visando realizar o número necessário de jogos que permitam a homologação dos campeonatos e definir subidas e descidas de divisão.

Este cenário já havia sido avançado ao mediotejo.net pelo presidente da AFS, Francisco Jerónimo, e estará sempre dependente da evolução da pandemia e das diretrizes das autoridades de saúde. A retoma das competições está agendada para o fim de semana de 08 e 09 de maio e encerramento da época a 27 de junho, com a final da Taça do Ribatejo.

Segundo os estatutos, a retoma das competições é de caráter obrigatório e não se sabe se os clubes que optem por não retomar atividade serão penalizados pela eventual decisão ou se a AFS abre uma exceção aos estatutos, num contexto muito particular, e evitará castigar desportiva e financeiramente os que entendam não ter condições para o regresso competitivo.

No caso do Aldeiense, TSU e Ortiga, todos a disputar a série A da II divisão distrital, composta por 10 clubes, a descida de divisão não se aplica, uma vez que militam no escalão mais baixo dos distritais, restando uma eventual sanção pecuniária.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

COMENTÁRIOS

Please enter your comment!
O seu nome