Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Outubro 23, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Futebol | Abrantes e Benfica venceu Almeirim com justiça em resultado exagerado (c/fotos e áudio)

SPORT ABRANTES E BENFICA 3 – UNIÃO FUTEBOL CLUBE DE ALMEIRIM 0
Campeonato Distrital da AFS – 1ªDivisão
Estádio Municipal de Abrantes
25-09-2021

- Publicidade -

Na jornada anterior, a de abertura do Campeonato Distrital da 1ªDivisão, sortes diferentes para as equipas que no sábado se apresentaram no Municipal abrantino. A equipa da casa, o Sport Abrantes e Benfica, foi a Salvaterra de Magos arrancar um ponto precioso enquanto os almeirinenses, no seu terreno, levaram de vencida os “encarnados” do Cartaxo, candidato crónico à subida de divisão.

Bons auspícios no início do Campeonato Distrital da 1ªDivisão.

- Publicidade -

Com uma equipa muito jovem, o conjunto de Almeirim entrou no Municipal de Abrantes disposto a resolver cedo a contenda a seu favor. Logo no minuto inicial ganharam um canto do lado direito e na cobrança Nuno Oliveira cabeceou fraco para as luvas de João Rosa.

Bom início do Almeirim em Abrantes.

Responderam de imediato os da casa com Rui Sousa a fazer a ala direita e a cruzar para o coração da área onde surgiu Miguel Catarino a cabecear um tudo nada atrasado, saindo a bola pela lateral.

Com a equipa comandada por Paulo Séninho a acertar marcações, fiel ao seu esquema habitual de três centrais, o equilíbrio instalou-se e a equipa do sul do distrito passou a ter maior dificuldade em atacar a profundidade optando por conservar o esférico, arriscando pouco. Aos nove minutos tentaram de meia distância com o remate de Luís Correia, descaído pela esquerda, a “morrer” nas mãos do guarda redes “encarnado”.

João Rosa teve trabalho atento.

O minuto 13 poderia ter sido fatídico para qualquer das equipas. Bruno Gonçalves cruzou da esquerda com boa conta mas o guarda redes visitante, Diogo Sousa, agarrou nas alturas. Aproveitou para lançar o contra golpe e valeu à equipa da casa que o remate de Penteado saiu fraco e à figura de João Rosa.

Pouco depois, o Abrantes e Benfica montou uma bem executada transição ofensiva, ao primeiro toque e em velocidade, usando vários jogadores. A promissora jogada terminou com um corte oportuno da defensiva visitante que lançou o rápido contra ataque aproveitando o adiantamento dos abrantinos. Quando Afonso Caldeira se preparava para fuzilar a baliza de João Rosa surgiu Pedro Gonçalves a cortar “in-extremis”.

Pedro Gonçalves deu segurança defensiva ao Abrantes.

Estava vivo e interessante o jogo sem que nenhuma das equipas se superiorizasse à outra.
Aos 19 minutos Miguel Séninho descobriu Marchão a desmarcar-se nas costa da defesa almeirinense e endossou-lhe o esférico com precisão. Marchão recolheu, passou pelo guarda redes e rematou para a baliza deserta. Conseguiu interpor-se um defesa e, com um toque subtil, desviou o esférico para canto.

Respondeu de livre a equipa de Almeirim mas o remate, de muito longe, saiu fácil para João Rosa. Foi necessário esperar cinco minutos para ver o Abrantes ripostar. Miguel Séninho, de livre direto, rematou de forma a permitir a defesa de Diogo Sousa.

Miguel Séninho continua a ser um jogador em foco.

No minuto seguinte um rápido contra ataque foi resolvido com um corte providencial do mesmo Miguel Séninho para a linha lateral.

Aos 27 minutos, mais uma vez a equipa de Abrantes explorou as costas da defensiva visitante. Desta vez o solicitado foi Séninho que com um bonito gesto, de calcanhar, serviu Marchão que surgia em corrida. O remate, na passada, apanhou o guarda redes fora da baliza. Ficaram dúvidas se teria jogado o esférico com a mão e se não teria já transposto a linha divisória da grande área. O árbitro considerou o lance legal e mandou jogar ordenando a execução dum pontapé de canto.

Marchão estava de pé quente e aos 32 minutos marcou mesmo. Com a mestria que se lhe reconhece executou um bonito chapéu colocando o Abrantes na frente do marcador.

Marchão, com classe, abriu a contagem.

Nos minutos que se seguiram instalou-se a acalmia com o Almeirim a acusar o golo e os donos da casa, expectantes, numa atitude bem mais confortável, a gerirem o resto da primeira parte a seu bel-prazer.

O resultado ao intervalo aceitava-se como se aceitaria o empate. Nenhuma das equipas se superiorizou. Expectativas em alta para ver como os almeirinenses iriam tentar dar a “volta ao texto”.

Resultado aceitável ao intervalo.

Para o segundo tempo a equipa de Bruno Carrapato adotou uma postura mais ofensiva em busca duma inversão no resultado. Pressionou nos primeiros minutos mas o melhor que conseguiu foram uns meros pontapés de canto que a equipa da casa ia resolvendo com muita segurança.

O Almeirim ao arriscar em subir as linhas expunha-se ao contra golpe. Foi o que sucedeu aos 53 minutos quando Miguel Catarino ganhou na raça e serviu Marchão que percorreu toda a ala direita e cruzou da linha de fundo,. O centro, no entanto, saiu mal e por cima.

À passagem da hora de jogo Marchão, a culminar boa jogada de entendimento na área almeirinense, rematou contra um defensor.

Marchão continuava a pautar o jogo da sua equipa.

No minuto seguinte Penteado queixou-se de ter sido pisado por Pedro Gonçalves. Efetivamente existiu o pisão mas o árbitro mandou jogar, considerando acidental. Penteado ficou a protestar e quando lhe endossaram a bola, estava em fora de jogo.

Pouco depois o Almeirim beneficiou dum pontapé do quarto de círculo e a defesa abrantina cortou para a zona de tiro. O forte remate foi desviado pelo guarda redes, na defesa da tarde. João Rosa estirou-se e negou o empate aos visitantes.

Aos 65 minuto Miguel Catarino sofreu falta feia à entrada da área e Rui Sousa, encarregue da cobrança, disparou por cima.

Muita entrega de ambas as equipas.

Foi necessário esperar longos e fastidiosos minutos para os batimentos cardíacos subirem um pouco. Aos 74 minutos João Marchão entrou na área com a bola dominada mas o seu marcador direto foi mais forte e anulou o lance.

Marchão voltou a fazer das suas pouco depois, entrando na área e servindo o recém entrado Zé Pedro. Mais uma vez a defensiva visitante esteve melhor.

Com apenas dez minutos para jogar, com a equipa da casa a ser superior mas com os visitantes a ameaçarem o empate a qualquer momento, um livre para as “águias” abrantinas, inteligentemente cobrado por Rui Sousa, poderia ter “morto” o jogo.

Quando todos esperavam o seu remate mortífero, combinou com Damas que rematou muito perto da baliza de Diogo Sousa.

Séninho mexeu no onze e tirou proveito.

Aos 84 minutos Miguel Séninho descaído pela ala esquerda fez “gato-sapato” do defesa direito dos visitantes e rematou para defesa fácil do guarda redes Diogo Sousa.

Dois minutos volvidos a equipa da casa tentou ensaiar algo que já havia resultado: uma bola nas costas da defesa permitiu isolar Marchão mas o guarda redes, atento, chegou primeiro. Na resposta, Yuran fez todo o corredor esquerdo, cruzou para Afonso Caldeira que, na área, recebeu e rematou por alto.

Almeirim nunca se entregou.

Aproximava-se o final da partida sem que se vislumbrassem novos golos no tempo que restava. Zé Pedro, com o tempo esgotado, recreou-se em fintas curtas dentro da área, colocando toda a defensiva visitante em respeito. Com o guarda redes já fora do lance levou longe demais o esforço e deixou-se desarmar.

O árbitro Pedro Serra concedeu seis minutos de compensação. A meio desse tempo de compensação, após excelente trabalho de Zé Pedro na área, Pedro Damas foi derrubado, levando Barrocas para a cobrança da grande penalidade. Da marca dos onze metros não vacilou e carimbou a vitória dos abrantinos.

Barrocas “matou” o jogo da marca dos onze metros.

Com o tempo de compensação esgotado, Zé Pedro, que por várias vezes havia tentado, levou “tudo” à frente e rematou para fechar a contagem em 3-0 para os “encarnados”. Um golo a premiar o labor do avançado em recuperação de lesão grave.

Vitória justa, por números exagerados, do Sport Abrantes e Benfica que se desloca ao Cartaxo no próximo domingo para defrontar a sua congénere. O União de Almeirim deixou a imagem duma equipa capaz de ombrear com os melhores. Recebe o Amiense no seu reduto na terceira jornada. Boa arbitragem de Pedro Serra e auxiliares.

Arbitragem em bom plano de Pedro Serra.

Ficha do jogo:

SPORT ABRANTES E BENFICA:
João Rosa, Miguel Catarino (Zé Pedro), Toni, Diogo Mateus (Pedro Damas), Diogo Barrocas, Miguel Séninho, Rui Sousa, João Marchão (João Nogueira), Bruno Gonçalves (João Reis) e Pedro Gonçalves.
Suplentes não utilizados: Ricardo Canais, Francisco Pereira e Will.
Treinador: Paulo Séninho.

Sport Abrantes e Benfica.

UNIÃO FUTEBOL CLUBE DE ALMEIRIM:
Diogo Sousa, José Libério (Luan), Nuno Lucas, Francisco Penteado, Nuno Oliveira, Frederico Reguinga (Vítor Vargas), Thiago Campos (Yuran), Afonso Caldeira, Rafael Dias, João Fragoso e Luís Correia (Diogo Cruz).
Suplentes não utilizados: Pedro Boazinha, Hortelão e Miguel Moreira.
Treinador: Bruno Carrapato.

União Futebol Clube de Almeirim.

GOLOS: João Marchão, Diogo Barrocas e Zé Pedro (Abrantes).

EQUIPA DE ARBITRAGEM:
Pedro Serra, Ricardo Mendes e Afonso Silva.

Equipa de Arbitragem: Pedro Serra. Ricardo Mendes e Afonso Silva com os capitães.

No final fomos escutar os treinadores:
PAULO SÉNINHO (Abrantes)

Paulo Seninho, treinador do Sport Abrantes e Benfica. Foto: mediotejo.net

BRUNO CARRAPATO (Almeirim)

Bruno Carrapato, treinador do Almeirim.

*Com David Belém Pereira (multimédia).

Nasceu a 30 de Janeiro de 1961 em Lisboa e cresceu no Alentejo, em Santiago do Cacém. Dali partiu em 1980 para ingressar no Exército e no Curso de Enfermagem. Foi colocado em Santa Margarida e por aqui fez carreira acabando por fixar-se no Tramagal em 2000. A sua primeira ligação à Vila "metalúrgica" surge em 1988 como Enfermeiro do TSU. Munido da sua primeira câmera digital, em 2009 e com a passagem à situação de reserva, começou a registar a fauna do Vale do Tejo, a natureza e o património edificado da região, as ruas, as pessoas... Com colaborações regulares em jornais da região e nacionais este autodidata acaba por conseguir o reconhecimento público, materializado em alguns prémios. Foi galardoado na 8ª Gala de Cultura e Desporto de Tramagal na categoria de Artes Plásticas (Fotografia) em 2013.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome