Futebol | Abrantes e Benfica vence em Mação e lidera distrital de Santarém (c/áudio e fotos)

ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA DE MAÇÃO 0 – SPORT ABRANTES E BENFICA 1
Campeonato Distrita da AFSantarém – 1ªDivisão- 3ªjornada
Campo Agostinho Pereira Carreira (Mação)
18-10-2020

PUB

A equipa de Mação regressou ao Agostinho Pereira Carreira depois da goleada ao Entroncamento na jornada inaugural. Pelo meio uma viagem às Fazendas de Almeirim onde a derrota por um golo não deslustrou. A receção ao Sport Abrantes e Benfica constituía uma boa hipótese de regresso às vitórias.

Derbi regional sem público no Agostinho Pereira Carreira.

PUB

A equipa de Paulo Seninho, que havia vencido ambas as partidas disputadas, foi a Mação com a lição bem estudada e decidida a complicar ao máximo a vida da equipa comandada por Francisco Correia. Durante a semana, Seninho foi passando a ideia de que a equipa de Abrantes iria a Mação para vencer.

Paulo Séninho foi avisando que ia a Mação para vencer…

A verdade é que a equipa de Abrantes entrou melhor. Rapidamente percebeu a estratégia adversária e começou a fechar a progressão da equipa de Francisco Correia onde se notava a ausência, por motivos disciplinares, do seu histórico capitão: Luís Esteves.

Tendo sempre maior posse de bola e maior discernimento, os abrantinos eram a equipa que maior perigo criava. Nada que a defesa da casa, comandada por um seguro Francisco Sousa, não fosse capaz de resolver.

Com os caminhos tapados, o Abrantes e Benfica tentou da meia distância por Marchão com o guarda redes da casa a executar uma enorme defesa. Corria o 13º minuto.

João Marchão com um regresso feliz a uma casa que conhece bem.

À passagem do quarto de hora, num livre favorável aos “encarnados”, Barroca obrigou a defensiva da casa a ceder canto. Na sequência, Francisco Sousa voltou a ter boa intervenção, a punhos.

Na resposta Iuri Alves, fortíssimo nas reposições laterais, colocou manualmente no “coração” da área dos abrantinos onde , após uma série de ressaltos, apareceu o guarda redes Joel a resolver. Aos 21 minutos o Mação conquistou um canto que foi cobrado muito largo, ao segundo poste onde um defensor cedeu novo canto. Na sequência Wemerson carregou Joel inviabilizando a jogada.

Pouco depois as “águias” iriam introduzir a bola na baliza do Mação, através do capitão Toni, em cabeçada acrobática. O árbitro da partida, João Conde, cedeu aos protestos e anulou o lance por alegada falta. Ficámos com muitas dúvidas…

Capitão Toni viu ser-lhe anulado golo que deixou muitas dúvidas.

O jogo vivia um período de equilíbrio com lances disputados longe das balizas, e com as defesas a superiorizarem-se aos ataques. A qualquer momento qualquer das equipas poderia inaugurar o marcador apesar da pouca eficácia atacante.

O jogo começou a ter lances de alguma dureza com despiques frequentemente pouco académicos. Aos 27 minutos o árbitro fez a primeira amostragem da cartolina amarela a Iuri Alves por entrada dura sobre Barroca.

Pouco passava da meia hora de jogo quando Miguel Luz, em excelente iniciativa individual, entrou na área e esperou a saída de Joel. Este não se deixou ludibriar e resolveu a contento.

Muita luta a meio campo.

Para o minuto 41 estava guardado mais um momento quente e polémico. Miguel Seninho foi travado em falta e no chão sofreu contacto pouco correto dum adversário. Terá respondido de forma agressiva e João Conde exibiu-lhe, sem pestanejar, o cartão vermelho.

Se o castigo a Seninho pareceu excessivo alguém passou incólume à confusão. O Abrantes tinha todo o segundo tempo para gerir a inferioridade numérica porquanto o árbitro do encontro, atingido o tempo regulamentar, mandou toda a gente para o descanso. Num jogo equilibrado aceitava-se o nulo ao intervalo.

Exclusão de Séninho obrigou a muita coesão dos jogadores mais recuados da equipa de Abrantes.

Com os ajustes feitos no descanso o xadrez da equipa de Paulo Séninho pouco se alterou passando Zé Pedro a ser a referência na frente de ataque dos abrantinos.
A toada do jogo não sofreu qualquer alteração mantendo-se o equilíbrio nem se notando a ausência duma unidade vestida de encarnado.

Com grande entrega os abrantinos disfarçaram a inferioridade numérica.

Na cobrança dum livre para os da casa, logo aos dois minutos, o possante Wemerson fez falta atacante. Dois minutos depois Zé Pedro tenta surpreender Francisco Sousa com um centro remate que passou perto da trave.

Foi necessário esperar pelo 55º minuto para ver as redes a abanar. Na cobrança dum canto para as hostes abrantinas, Zé Pedro saltou mais alto que toda a gente e cabeceou abrindo o marcador para o conjunto de Abrantes.

Francisco Sousa defendeu tudo menos cabeçada de Zé Pedro.

Responderam os maçaenses de pronto e aos 58 minutos Ganso entrou na área pelo lado esquerdo e rematou para fora quando tinha Freitas em boa posição, solto de marcação, ao segundo poste.

O jogo estava em toada de parada e resposta e os lances de perigo rondavam uma e outra baliza. Aos 63 minutos Marchão arrancou em velocidade pelo flanco esquerdo e Saúl só o travou recorrendo à falta.

Viu a cartolina amarela e pouco depois acorreu de cabeça a um livre bem cobrado. Passou muito perto da baliza à guarda de Joel.

Grandes duelos individuais.

Aos 73 minutos um livre muito bem batido na direção da baliza do Mação obrigou Saúl a corte de recurso para canto. Os lançamentos laterais de Iuri Alves continuavam a fazer estragos e aos 76 minutos Miguel Luz foi servido na área e cabeceou com muito perigo saindo o esférico muito perto do segundo poste.

Iuri viria a ser excluído do jogo após travar uma saída rápida para o contra ataque dos abrantinos. O segundo amarelo valeu-lhe a expulsão voltando a haver igualdade numérica entre as equipas. Corria o minuto 80.

Exclusão de Iuri Alves equilibrou numéricamente já perto do fim.

Aos 82 minutos Pedro Damas isolou-se e foi travado em falta por Justino em zona frontal, apenas com Francisco Sousa pela frente. O cartão amarelo exibido poderia ter outra cor. Não foi esse o entendimento de João Conde.

Pouco depois, um cruzamento “venenoso” de Marchão esteve perto de ampliar a vantagem.
Não desarmava o Mação e Ivan Alves entrou na área e cruzou rasteiro para a zona de penalti onde se apresentavam três colegas de equipa que, surpreendidos, falharam a emenda saindo o esférico junto ao poste mais distante.

Damas quase “expulsou” Saúl…

Com o tempo regulamentar a esgotar-se ainda houve tempo para Toni ceder canto acorrendo a um bem medido cruzamento de Miguel Luz. O auxiliar fez subir a placa com o algarismo “quatro”, tantos os minutos de compensação.

No primeiro deles um cruzamento para a área benfiquista foi respondido com uma cabeçada de Diogo Rosa. Diogo Mateus cortou com a coxa mas ficaram os amarelos a reclamar grande penalidade. O árbitro, bem posicionado, mandou jogar. Com o tempo esgotado uma reposição lateral de Ivan Alves conduziu a nova cabeçada de Diogo Rosa desta feita para fora.

Mação bem tentou mas não conseguiu marcar.

Com o apito final de João Conde ficou selado o pleno de vitórias da equipa de Abrantes e a primeira derrota caseira da equipa de Mação.

Foi um jogo interessante mas com tanto equilíbrio, mesmo com dez contra onze, só um pormenor poderia fazer a diferença. Chamou-se Zé Pedro…

Acreditamos que a equipa de Francisco Correia, com algumas unidades em nítido sub rendimento, tem tudo para melhorar o seu desempenho.

Arbitragem sem problemas no capítulo técnico. Já no plano disciplinar teve alguns equívocos…

João Conde esteve bem no plano técnico.

Ficha do Jogo:

ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA DE MAÇÃO:
Francisco Sousa, Saúl, Justino, Gonçalo Lelé, Iuri Alves, Diogo Rosado (Flávio Calado), Ivan Alves, João Freitas (Diogo Rosa), Ganso, Miguel Luz e Wemerson.
Suplentes não utilizados: João Rosa, Simão Moreno, Manuel Estrela, Pedro Lopes e Miguel Domingues.
Treinador: Francisco Correia.

Associação Desportiva de Mação.

SPORT ABRANTES E BENFICA:
Joel Dias, Miguel Catarino, Miguel Seninho, Toni, Diogo Rocha, Diogo Mateus, Diogo Barroca, Pedro Damas, Zé Pedro (Guilherme Bispo), João Marchão (Gustavo) e Rafa Silva (Elísio Meneses).
Suplentes não utilizados: Ricardo Canais, Rui Sousa, Rodrigo Carraceno e João Marques.
Treinador: Séninho.

Sport Abrantes e Benfica.

GOLO:
Zé Pedro (SABenfica)

EQUIPA DE ARBITRAGEM:
João Conde, Henrique Paula e Adriano Sousa.

Equipa de Arbitragem: João Conde, Henrique Paula e Adriano Sousa.

DISCIPLINA:
Cartão amarelo: Saúl, Justino, Iuri Alves e Ganso (ADMação); Toni, Zé Pedro e Elísio Meneses (SABenfica).
Cartão vermelho direto: Miguel Séninho (SABenfica)
Cartão vermelho por acumulação: Iuri Alves (ADMação).

No final ouvimos as reações dos treinadores:

Francisco Correia, treinador da Associação Desportiva de Mação.

 

Paulo Seninho, treinador do Sport Abrantes e Benfica. Foto: mediotejo.net

*Com David Belém Pereira (multimédia).

PUB
PUB
Jorge Santiago
Nasceu a 30 de Janeiro de 1961 em Lisboa e cresceu no Alentejo, em Santiago do Cacém. Dali partiu em 1980 para ingressar no Exército e no Curso de Enfermagem. Foi colocado em Santa Margarida e por aqui fez carreira acabando por fixar-se no Tramagal em 2000. A sua primeira ligação à Vila "metalúrgica" surge em 1988 como Enfermeiro do TSU. Munido da sua primeira câmera digital, em 2009 e com a passagem à situação de reserva, começou a registar a fauna do Vale do Tejo, a natureza e o património edificado da região, as ruas, as pessoas... Com colaborações regulares em jornais da região e nacionais este autodidata acaba por conseguir o reconhecimento público, materializado em alguns prémios. Foi galardoado na 8ª Gala de Cultura e Desporto de Tramagal na categoria de Artes Plásticas (Fotografia) em 2013.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).