Futebol | Abrantes e Benfica e Torres Novas empatam em jogo de muita luta mas pouca inspiração (C/fotos e áudio)

Jogo pouco intenso e sem grandes motivos de interesse com exceção de um ou outro momento.

SPORT ABRANTES E BENFICA 1 – CLUBE DESPORTIVO TORRES NOVAS 1
Campeonato Distrital da 1ª Divisão da AFS – 11ª jornada
Estádio Municipal de Abrantes
25-11-2019

PUB

Num jogo nem sempre bem disputado e onde houve mais transpiração do que inspiração, o Abrantes e Benfica recebeu um desfalcado Torres Novas que lutou muito para sair com um resultado positivo de Abrantes, o que viria a conseguir. A equipa da casa, que tem sido a sensação da prova, lutou muito para conseguir somar os três pontos, mas o empate acabou por subsistir até final, num resultado que se aceita.

Um ponto foi o máximo que cada equipa conseguiu ao fim dos 90 minutos.

Foram vários os motivos para que não se tivesse assistido a uma boa partida de futebol na tarde deste domingo no Municipal de Abrantes. Relvado muito mal tratado a dificultar a ação dos protagonistas, algum frio e pouco público nas bancadas, uma arbitragem bastante contestada por ambas as equipas e alguns atletas mais focados em aspetos que não são propriamente a essência do futebol.

PUB

Tudo isto conjugado, resultou num jogo de pouca qualidade e em que o empate acaba por assentar bem a ambos os conjuntos.

Marcos Patrício inicia e finaliza jogada de classe que dá a vantagem aos abrantinos aos 14 minutos de jogo.

Com as equipas a estudarem-se e a tentarem-se adaptar ao relvado bastante mal tratado, foram poucas as ocasiões de perigo nas áreas dos guarda redes. O primeiro grande momento, acabou por resultar no primeiro golo da partida para o Sport Abrantes e Benfica, por Marcos Patrício, que, numa jogada de inspiração, executou de forma primorosa, colocando os encarnados em vantagem aos 14 minutos de jogo.

PUB

Quatro minutos depois, foi a equipa de Torres Novas a poder restabelecer a igualdade. Livre a meio do terreno apontado por Miguel Miguel para o segundo poste, onde, de cabeça, Ivan falha por muito pouco. O guardião Joel Dias terá confiado no seu golpe de vista e a teve alguma sorte neste lance.

Dois dos melhores intervenientes em campo tiveram um duelo interessante: Toni (SAB) e Miguel Miguel (Torres Novas).

O jogo decorria mastigado com imensas faltas e predominavam os lances de bola parada, quer por livres bombeados para dentro das áreas ou por pontapés de canto que foram imensos ao longo de todo o jogo, quer para uma quer para outra equipa.

Contudo, na hora da finalização, faltava sempre a última chamada para golo. Até que aos 38 minutos, João António recupera a bola no centro do terreno, acredita que pode ser feliz e corre até à linha de fundo com oposição do abrantino Diogo Rocha que acaba por ficar “nas covas”.

João António, no último momento, cruza com qualidade para Miguel Miguel finalizar ao segundo poste e empatar a partida, levando o jogo para intervalo com justiça no marcador.

Miguel Miguel empata a partida aos 38 minutos, dando justiça ao marcador.

Na segunda metade, o clube de Torres Novas apresentou-se mais acutilante e ganhou novo pontapé de canto, logo no primeiro minuto. Marcado muito chegado à baliza, a bola seguiu fácil para as mãos de Joel Dias.

Sucederam-se uma série de bolas de canto para os dois lados, tendo o Sport Abrantes e Benfica estando muito perto do segundo com Hélio Ocante a testar a atenção do guarda redes torrejano, com um belo cabeceamento. Estavam decorridos 52 minutos de jogo e raramente as equipas conseguiam construir jogadas de bola corrida que pudessem causar perigo às defensivas. Era mesmo apenas através de lances de bola parada que o conseguiam fazer.

Na segunda metade, o clube de Torres Novas apresentou-se mais lucido e mais perigoso.

Foi então que o nervoso começou a apoderar-se de alguns atletas de ambas as equipas e várias faltas mais duras obrigaram o trio de arbitragem a intervir com a amostragem de alguns cartões para contestação de atletas, dirigentes e público.

O culminar foi com a expulsão com duplo amarelo a Christian, de Torres Novas, e com vermelho direto a Hélio Ocante, por resposta a tentativa (ou consumação) de agressão. O certo é que apenas o atleta abrantino recebeu ordem para recolher aos balneários mais cedo.

Não muito mais cedo, pois o jogo terminaria pouco depois sem que ocorressem mais situações de perigo, exceção feita a um livre direto a favor dos locais, com Pedro Basílio a atirar forte mas contra a densa barreira dos canarinhos de Torres Novas.

O mau estado do relvado acabou por ser um dos aspetos que prejudicaram a qualidade do jogo.

Um ponto para cada conjunto que castiga a ineficácia das equipas, mas que se pode considerar justo pelo que se viu no Estádio Municipal de Abrantes. Com este resultado, os homens de Abrantes descem de terceiro a quinto na classificação geral, agora com 23 pontos (a par do Fazendense) e os torrejanos fazem parte de um conjunto de quatro formações em oitavo lugar com 13 pontos ao cabo de onze jornadas.

O jogo decorria com imensas faltas a obrigarem a constantes intervenções do trio de arbitragem.

FICHA DO JOGO:

SPORT ABRANTES E BENFICA:
Joel, Miguel Catarino, Toni (cap.), Duarte Basílio, Diogo Rocha, Manuel Vitor, (Pedro Damas) Rui Sousa, José Pedro, Diogo Barrocas, Hélio Ocante e Marcos Patrício.
Suplentes não utilizados: Bernardo, Willy, Bélé e Diogo Mateus.
Treinador: Paulo “Séninho”

Formação inicial do Sport Abrantes e Benfica.

CLUBE DESPORTIVO DE TORRES NOVAS:
Nabais, Timor, João Alves, Luís André, Ivan, Gomes (Lista), João António (André Pedro), Dias (cap.), Cláudio Major, Christian e Miguel Miguel.
Suplentes não utilizados: Cristian, Dani, Chico, Cerqueira e Ricardo Major.
Treinador: Afonso Alves.

Onze titular do Clube Desportivo de Torres Novas.

Golos: Marcos Patrício (SAB); Miguel Miguel (TORRES NOVAS).

Arbitragem: Nélson Andrade, Diogo Pereira e João Mendes.

Saudação inicial com trio de arbitragem e capitães das equipas.

Disciplina:
Cartões Amarelos: Rui Sousa (SAB); Christian (2) e João António (TORRES NOVAS).
Cartões Vermelhos: Hélio Ocante (SAB); Christian (TORRES NOVAS).

Christian, do Torres Novas (escondido na imagem) e Hélio Ocante do SAB (imagem abaixo) foram expulsos já nos derradeiros minutos da partida.

No final do encontro, falámos com os dois técnicos que se mostraram divergentes quanto à justiça do resultado, embora ambos reconhecessem que não fora um jogo bem disputado por diversos motivos, como explicaram ao mediotejo.net:

Técnico do Sport Abrantes e Benfica, Paulo “Séninho”.

 

Afonso Alves, treinador do Clube Desportivo de Torres Novas.

 

A 12ª jornada disputa-se a 1 de dezembro, com o Sport Abrantes e Benfica a deslocar-se ao terreno do “lanterna vermelha” Moçarriense, ao passo que o Clube Desportivo de Torres Novas irá receber o Atlético Riachense no seu reduto.

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

pub
Artigo anteriorSertã | Sessão da Assembleia Municipal em direto
Próximo artigoVN Barquinha | Núcleo de árbitros de futebol assinala aniversário com jantar solidário
A grande “culpada” é uma velhinha máquina de escrever Royal esquecida lá por casa e que me “infectou” para uma vida que se revelou mais tarde não fazer sentido sem o jornalismo. O primeiro boletim da paróquia e o primeiro jornal da pequena aldeia onde frequentava a escola (tinha apenas 7 anos de idade) entranharam-me a alma (e o sangue) deste “vício” de escrever e comunicar. Seguiram-se os pequenos jornais de turma, os das escolas, os painéis informativos colocados nas paredes dos átrios e o dos escuteiros... e nunca mais o “vício” sarou. Ao longo da vida, foram vários e diversificados os ofícios exercidos profissionalmente, mas o “mar dos desejos” desaguava sempre numa folha de papel ou (mais tarde) num portátil de computador (e sempre com a máquina fotográfica como companhia). Já mais "a sério” e desde jornais regionais, rádios locais, periódicos nacionais e televisão (TVI), já são mais de 45 anos de um percurso “académico” de alguém que pouco se importa de não possuir um “canudo”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here